Profissão pesadelo

Capa do DiaUma das profissoões mais bonitas, mais respeitadas, mais prestigiantes, torna-se a passos largos na ou numa profissão pesadelo. Quem quer ser professor?

É “humanamente preocupante”: este cenário de desemprego em massa e o futuro do ensino em Portugal, como se escreveu hoje no Público.

Este concurso de colocação foi um massacre, “de uma violência atroz”.

Eu sou professora. Tenho trabalho este ano. Mas sinto-me deprimida e revoltada com a situação de familiares meus, professores de EVT (entre os cerca de 2000 candidatos nenhum foi colocado) e do 1º ciclo, e de todos aqueles que não têm trabalho este ano.

“Só foram colocados 7600 professores dos 51 000 que se candidataram”. São cerca de 43 000 sem trabalho. Como se não houvesse tanto a fazer nas escolas. E depois exige-se aos professores o sucesso dos alunos… Querem alunos motivados, mas os professores têm que estar motivados primeiro.

Mas o que é isto?

É um profissão em crise. É o ensino em Portugal perto do abismo. Os alunos são vítimas e os pais ainda não viram isso. O que é que as Associações de Pais estão a fazer perante o número de alunos por turma (entre os 26 e os 30)? Ou turmas de 32 no caso do ensino articulado?

Profissão de Futuro?

Professor? Enfermeira? Arquitecto? – a ganhar 4 euritos à hora?
A sério, qualquer puta barata ganha mais enquanto come um brioche.

‘Musseque’, ‘Favela’ ou ‘Tabanca’

Não resisto à tentação de abordar o tema, a que o João José Cardoso se referiu, e bem, anteriormente. Há tempos, este Mestre, Secretário de Estado da Juventude, proclamou:

Os jovens portugueses que não encontrem colocação no mercado trabalho não se devem acomodar à situação, ‘zona de conforto’, EMIGREM!

Pensava eu, e naturalmente muitos dos portugueses, ter-se tratado de uma declaração política individual, infeliz, desfocada dos fundamentos e orientação política do governo de Passos Coelho e de Paulo Portas. Afinal eu e os outros, todos alinhados pela ideia de ser disparate de um ‘deus menor’, equivocámo-nos.

Com efeito, trata-se de um objectivo programático perene do governo, antes proclamado em relação a jovens ex-estudantes, agora reafirmado por Passos Coelho relativamente a 15 mil professores desempregados:

[Aconselharia] “os professores excedentários que temos a abandonar a sua zona de conforto e a procurarem emprego noutro sítio. Em Angola e não só. O Brasil…” Jornal “i”

Na lógica da reciprocidade da convivência democrática, entre governantes e governados, e uma vez tão saturado deste como do anterior – os meus votos não favoreceram nem um e nem outro – como cidadão posso também propor ao Senhor Primeiro-Ministro que emigre, com três destinos opcionais: um musseque luandense, uma favela do Rio ou uma tabanca entre Bissau e o Chacheu.

Publico imagens de um musseque, para ilustrar uma das ‘zonas de conforto’ de acolhimento possíveis e merecidas por quem diz lutar pelo melhor para os outros: