“Porque os bois têm cornos e há coisas que temos de chamar pelos nomes!”

Este post “caiu” na minha caixa de comentários. Vem do blogue agoradigoeu e merece a vossa total atenção. Obrigado por teres escrito este texto assim, sem mais nem menos! Mesmo!

Fica então o post “Porque os bois têm cornos e há coisas que temos de chamar pelos nomes“:

“As pessoas mais próximas perguntam-me o que tenho. Porque estou assim. Mas eu não sei o que significa o assim. Sei que não me apetece falar. Sei que o meu coração bate com mais força. Sei que não estou triste, mas também não me sinto feliz. Ansiosa. Sim, sinto-me ansiosa.

Desistir da minha carreira de professora foi sentir a perda do que nunca foi meu. Não sei se o mais difícil foi desistir ou se foi sentir a desilusão. A desilusão de ter percebido que uma pessoa pode fazer tudo, mas o tudo não foi(é) suficiente. E eu tenho aquele génio difícil! Aquele que se desilude aos bocadinhos… aos bocadinhos e em silêncio! E a desilusão não foi com os meus alunos, nem com os meus colegas ou com meus superiores hierárquicos. Desses sempre recebi o reconhecimento e a motivação para continuar. A desilusão foi mais profunda. A desilusão, essa senhora que me tolda os dias, essa foi com o meu país.

Deixei de me sentir uma cidadã portuguesa que é considerada válida e útil, a um país que investiu na minha educação. Esta merda de sucessivos governos (não encontrei uma expressão mais nobre, porque os bois têm cornos e há coisas que temos de chamar pelos nomes) deram-me 11 contratos de trabalho para assinar, com inicio a 1 de Setembro e término a 31 de Agosto, do ano seguinte. Em determinado artigo do contrato podia ler-se “necessidades residuais”. À medida que os anos foram passando eu abreviava a leitura do contrato, para não vomitar em cima do dito. E o ano lectivo começava. E a magia de ter à minha frente uma plateia de adolescentes que sente poder ser tudo, é trabalhar, todos os dias, com a vontade (possibilidade) de tornar o mundo um espaço melhor para se viver. E os anos foram passando. E eu continuei a assinar os malditos contratos. Fogueira com eles! Desculpem-me aqueles que, de boca cheia, dizem que os que saem para o estrangeiro, estão a abandonar o seu país. A esses digo, apenas, que deixei de querer pertencer à classe dos resíduos. A antecâmara em que se vislumbra a possibilidade de reutilização ou de reciclagem, é aquela onde eu não quero estar! O estado não pode dar emprego a todos os professores, dizem os que não têm nada de inteligente para dizer, emprenham pelos ouvidos, as bestas! Eu admitia que passados 10 anos me dissessem que o meu posto de trabalho foi extinto. Por cortes orçamentais, por redução de alunos, porque se deixou de considerar o ensino das ciências importante, o que seja. Mas não esqueço que o meu país não me tratou com a dignidade que merecia, nos 10 anos em que desempenhei (com classificação excelente) as minhas funções. E só me ocorre cuspir (acaso soubesse) nesses pulhas sem rosto e raras vezes com nome. [Read more…]

Outro caminho – 3 propostas para sair da crise

O sr. FMI sugere que a resolução dos problemas estruturais profundos é a única saída para o nosso país.

E parece-me que o Homem tem razão. Podemos começar por mexer na questão do financiamento às empresas. Os contribuintes europeus entregam o seu dinheirinho ao Banco Central Europeu, que o empresta aos Bancos a 1%. Depois, cada um de nós vai lá, aos bancos, “pescar” crédito a 6 ou a 7%. Ou seja, os Bancos emprestam-nos o NOSSO dinheiro e ganham com isso. É um exemplo de problema estrutural profundo que seria importante resolver. Mas há mais. [Read more…]