Supremacia da mediocridade

 

Desde já, e para que se compreenda, não tenho qualquer constrangimento em acusar quer as autoridades policiais quer o governo quer as instituições para a segurança rodoviária quer os infinitos grupos de cidadãos “motorizados” (?) de cumplicidade na matança que diariamente acontece nas estradas portuguesas.

[Read more…]

Cada país tem o seu massacre

As balas são acessíveis, custam cerca de euro e meio por litro em qualquer gasolineira. As rajadas são traiçoeiras, feitas de ultrapassagens à segurança dos outros.

Dia após dia, cruzo-me com eles no asfalto de batalha. Têm pressa, mal podem esperar pelas importantíssimas insignificâncias que os esperam. Ontem encontrei um no IC19. Veio da esquerda, cruzou em diagonal três faixas, forçou a existência de um espaço à minha frente, para finalmente, já em cima do risco contínuo, enveredar por uma saída. Fiquei fascinado com tamanha proeza, plena de audácia e de destreza. No vídeo-jogo, em que aquele condutor vive, depois gastas as três vidas basta recomeçar. Mas na vida real que lhe parece ser estranha, game over traz sangue e lágrimas.

Cada país tem o seu massacre, seja pela mão de pessoa colectiva ou individual.

A4: Terror na Auto-estrada

Todos os dias utilizo a auto-estrada nº4, mais conhecida como A4 (Porto-Amarante).
Conheço-a, em toda a sua extensão, como a palma das minhas mãos. É uma via fundamental para o Grande Porto nas suas ligações internas (Valongo, Ermesinde, Maia, Matosinhos e Porto) e essencial para nascente do Distrito do Porto (Penafiel, Paredes, Baião, Amarante, Marco).

Infelizmente, hoje foi palco de mais um acidente grave, muito grave. Independentemente das culpas que possam ser apontadas aos condutores, não se pode ignorar que esta via, em determinados troços, é bastante perigosa – descidas acentuadas, curvas bastante apertadas e sinalização paupérrima. É perigosa, bastante perigosa.

É tempo de os responsáveis por estas vias começarem a ser responsabilizados. Os valores de portagens que cobram, nada meigos, obrigam a um serviço de excelência. Manifestamente, não é o caso da A4.