Olha, Bragança!…

Bragança teve “o transporte do futuro” entre 1906 e 1992; levou-o lá bem acima a monarquia e mandou-o retirar a mesma pessoa que os transmontanos, em apoteose, elegeram como seu novo Presidente da República pela significativa votação democrática de 65%. Ele levou (embora) o comboio, levou o IP4 (a estrada da salvação de Trás-os-Montes e, 300 mortes depois, a estrada da morte). Sim, sim, o futuro de Trás-os-Montes já não passa por uma estrada cancerosa mas sim pela A4… a pagar!

Entretanto, 35 km a norte de Bragança, em Sanabria, constrói-se uma estação nova para nova linha de Alta Velocidade Madrid-Galiza. Mais depressa se chegará a Madrid do que ao Porto…

A4: Terror na Auto-estrada

Todos os dias utilizo a auto-estrada nº4, mais conhecida como A4 (Porto-Amarante).
Conheço-a, em toda a sua extensão, como a palma das minhas mãos. É uma via fundamental para o Grande Porto nas suas ligações internas (Valongo, Ermesinde, Maia, Matosinhos e Porto) e essencial para nascente do Distrito do Porto (Penafiel, Paredes, Baião, Amarante, Marco).

Infelizmente, hoje foi palco de mais um acidente grave, muito grave. Independentemente das culpas que possam ser apontadas aos condutores, não se pode ignorar que esta via, em determinados troços, é bastante perigosa – descidas acentuadas, curvas bastante apertadas e sinalização paupérrima. É perigosa, bastante perigosa.

É tempo de os responsáveis por estas vias começarem a ser responsabilizados. Os valores de portagens que cobram, nada meigos, obrigam a um serviço de excelência. Manifestamente, não é o caso da A4.