Hoje salvei o mundo

Imagine que algures no mundo há alguém a quem você pode salvar a vida. Não com acrobacias intrépidas de super-herói, sem necessitar de se equilibrar no parapeito de um arranha-céus, ou saltar para um mar infestado de tubarões, ou desactivar, no último instante, um engenho explosivo.

Imagine que a única coisa que teria a fazer seria sentar-se num cadeirão almofadado, desses onde se pode adormecer com um livro em cima do peito, e estender o braço. Mais nada.

E que, com um pouco de sorte, num desses acasos que a cega lei das probabilidades determina, ser contemplado com a feliz notícia de que você, sim!, você, cidadão anónimo, igual a tantos outros, boa pessoa, talvez um pouco teimoso, que é dos poucos defeitos que não nos importamos de admitir porque achamos que revela força de carácter, você vai salvar uma vida. [Read more…]

O perfeito coração

Como escrevi aqui ontem, estive em Carnaxide que, curiosamente, tem dois hospitais em frente um do outro. De um lado da rua o Instituto do Coração, do outro lado, o Hospital Público. Estive neste à espera de um amigo meu. Meteu pilhas novas.

Enquanto esperava, lembrei-me de há quanto tempo foi efectuado o primeiro transplante cardíaco pelo Prof Barnard, na África do Sul, um tipo com estilo de galã de cinema. Eu trabalhava no Terreiro do Paço, não devia ter mais de 20 anos, logo à volta de 1966, saí do Ministério e lá vinha na primeira página dos vespertinos a notícia.

Um milagre ou uma trapaça? Um dos passantes diz, “vê-se logo que é mentira, como é que o coração tem o mesmo tamanho do outro? ” como quem diz, não cabe ou fica a dançar dentro do novo peito. Aquilo fez-me pensar, então aquele gajo, nunca tinha pensado num transplante e já tinha opinião? Quem andou toda uma vida a estudar o assunto não tinha visto coisa tão simples de ver?

Anos depois foi feito o primeiro transplante cá no Instituto do Coração, a paciente bordava corações, era uma mulher humilde aí de Espinho, que viveu muitos anos com o seu novo coração.

A técnica evoluiu rapidamente, mas o grande desafio era a rejeição do orgão pelo sistema imunitário que reagia a um orgão estranho e que não reconhecia como seu. Até que um jovem cientista descobriu, entra as muitas novas plantas que tinha apanhado na floresta uma, que tinha propriedades notáveis, foi dela que se extraiu o princípio activo da CICLOSPORINA, o primeiro grande salto na atenuação dos efeitos da rejeição .

Os transplantes tiveram então uma enorme evolução, com resultados notáveis, dos rins, do fígado, do coração, dos pulmões, enfim, até a situações que nos fazem tremer como a dos transplantes de partes da cara, como já aconteceu em França e em Espanha.

Lembrei-me daquele perfeito coração bordado e do Prof. João Queiroz e Melo o primeiro cirurgião a fazer transplante do coração, cá em Portugal, ele que tinha pertencido à equipa do Prof. Barnard na África do Sul.

Conheci-o pessoalmente, precisava de um equipamento fundamental para as suas cirúrgias e eu estava numa função em que podia fazer alguma coisa.

E fiz!