Deram-nos cabo da saúde

ot

Truques à parte, que isto da engenharia informativa político-partidária é já um fenómeno descontrolado, quero focar-me na parte verdadeiramente preocupante desta peça do Expresso. Na sequência da onda de terrorismo financeiro que culminou com o crash de 2008, a que se seguiu o advento da austeridade fundamentalista e contraproducente, o número de portugueses sem recursos para pagar consultas médicas triplicou. Os dados são da Comissão Europeia e confirmam o agravamento da desigualdade, num país onde a mesma não parou de crescer durante os anos do fundamentalismo além-Troika, sendo que os mais afectados, como não poderia deixar de ser, foram e continuam a ser os mais pobres.  [Read more…]

O impaciente inglês

o-paciente-inglesUm paciente inglês, sujeito às agruras de uma lista de espera, impacientou-se e resolveu operar-se a si mesmo. A história tem mais alguns nós, mas dá que pensar. O pior, para alguns mais tendenciosos, será o facto de o pobre homem ter andado quinze anos inclinado para a esquerda, esperemos que sem cair em extremismos.

Portugal é um país com alguns hábitos estranhos, como, por exemplo, a manutenção, há anos, de épocas de incêndios e de cheias, infelizmente nunca coincidentes. Não sou de ler o Diário da República, mas, diante da constância de fogos estivais e invernais inundações, não me admiraria que as referidas épocas resultassem de decretos. Chegou mesmo a haver um ministro a explanar uma verdadeira teologia da enxurrada, que, para isso, pelo menos, os ministros servem, sejam de Deus ou do Diabo.

Outro hábito estranho é o das listas de espera nos hospitais, numa contradição evidente, já que a espera pode fazer mal à saúde. Se há sítios em que a palavra ‘paciente’ faz sentidos, é nos hospitais.

As listas de espera resultam, certamente, de vários factores e o mercantilismo economês não será um dos menos importantes, com os espécimes que gerem hospitais muito preocupados com competitividade, porque tudo é um campeonato. Os que (se) ocupam (d)o Estado têm, de qualquer modo, tecido o esvaziamento dos hospitais públicos, favorecendo empresas, porque ao lado de uma lista de espera há sempre um hospital privado a abrir. O cidadão que seja desinformado ou desabonado ficará sentado na lista de espera e não faltará muito tempo para que os portugueses, desenrascados como são, passem a tratar da própria saúde, seguindo o exemplo do impaciente inglês. [Read more…]

O médico e o monstro

transferir

O turista prefere fotografar o mundo a vê-lo. Já o gestor-economista-empreendedor-consultor, mundo, nem vê-lo, apenas medi-lo.

O gestor-economista-empreendedor-consultor é omnisciente, detentor do saber universal, explicador-geral de todas as realidades, incluindo a da missa ao padre. Se não acreditam, perguntem-lhe. As relações humanas poderão existir, se puderem ser contabilizadas, medidas, reduzidas a lucro. Serão dispensáveis, se implicarem despesa ou tempo, outra despesa.

Não espanta que o gestor-economista-empreendedor-consultor pense assim, porque foi esse não-pensamento que lhe ensinaram. Não-pensamento, porque não há verdadeiro pensamento sem sentimentos, sem humanidade. Na realidade, o gestor-economista-empreendedor-consultor é um andróide que vive convencido de que é uma pessoa, porque acredita que todas as pessoas se devem comportar como andróides. [Read more…]

O futuro do Serviço Nacional de Saúde

Um verdadeiro Serviço Nacional de Saúde não servirá para tratar a doença, mas para impedir que ela se instale. Será para tal necessário que o Estado exerça vigilância séria sobre a indústria alimentar e sobre a indústria farmacêutica, que são, aliás, a mesma indústria.

Liberdade para decidir

O direito à vida é inviolável, mas não uma obrigação ou fatalidade e muito menos provação ou vontade divina. Viver ou decidir morrer faz parte da liberdade individual, devendo ser respeitada a vontade de qualquer pessoa que solicite uma morte medicamente assistida, desde que na posse das suas faculdades. Vou mais longe, nem deveria ser um caso aplicável apenas a doentes terminais, mas a todos os que incapazes de se suicidarem o solicitassem. Dito isto, admito que os médicos possam ser objectores de consciência e que o acto médico deve ser cobrado ao requerente e não pago por todos os cidadãos. Ao que parece várias figuras publicas pretendem introduzir a discussão da eutanásia na sociedade portuguesa. Seja por via do referendo ou aprovação parlamentar, estarei a favor.

Quando o país falha (2)

Criança com multideficiência perde apoios

Quando o país falha

Patrícia Sofia, de seis anos, já não vai ter de percorrer 26 quilómetros ao colo da mãe, ou a pé, para conseguir ir aos tratamentos de fisioterapia de que necessita.

A zona cinzenta de Maria de Belém

MdB

Não tenho acompanhado os debates presidenciais. O entusiasmo que me colou à TV por altura de todos os debates televisivos que colocaram frente-a-frente os líderes dos partidos em disputa pela vitória nas Legislativas é agora substituído pelo tédio de assistir a uma campanha para uma presidência da República na qual um candidato, Marcelo Rebelo de Sousa, leva uma vantagem absolutamente desigual sobre todos os seus opositores e, como se tal não bastasse, ainda é levado ao colo pela imprensa. Não admira que já se autoproclame sucessor de Cavaco Silva. [Read more…]

As urgências e os cortes no SNS

image

Pedro Castro Rodrigues

Nunca faço posts a sério. Hoje vou fazer.

Há 6 anos que sou médico. No meu primeiro ano era escalado 4 vezes por mês para fazer urgências. Há uns anos por vezes comecei a ser escalado 3 vezes. Este mês estou escalado para fazer urgência 2 vezes.
Mesmo que quisesse fazer mais, não me deixavam.

Porquê? Porque para reduzirem os gastos com a Saúde há cada vez menos serviços de urgência. Actualmente em Lisboa há apenas 2 serviços de urgência abertos 24 horas 365 dias por ano (São José e Santa Maria). Nestes serviços fazem urgência os médicos destes hospitais e agora também os dos outros serviços de urgência que foram sendo fechados. Daí cada médico ser cada vez menos escalado para fazer urgências. Porque há menos serviços de urgência e quantos menos médicos lá estiverem, mais barato fica. Mas não há menos pessoas com problemas urgentes.

[Read more…]

Saída limpa

“Foi preciso que o caso de David chegasse aos jornais para que um problema que se arrasta desde 2013 fosse finalmente resolvido, lamentam vários profissionais de saúde” [P]

São os recursos humanos, estúpidos!

O mundo tem sido invadido por extraterrestres com ar de pessoas sérias. Em vez de serem verdes e terem dedos compridos, usam MBA e gravata. Com a típica habilidade dos marcianos, conseguiram convencer os terráqueos de que era preciso trabalhar mais horas e que havia Estado a mais e que o que era preciso era empreendedorismo, seguros de saúde e competitividade e que é cada um por si e que o mexilhão é mesmo para se lixar.

Em 2005, deu-se, então, início a um processo de desmantelamento dos serviços públicos, ao mesmo tempo que se abre caminho para que os privados ocupem o espaço, com destaque para o que acontece na Saúde.

Independentemente da conversa extraplanetária do coordenador de um relatório sobre os blocos operatórios, com demasiadas alusões a termos como oferta e procura, vale a pena fixar a seguinte ideia: faltam anestesiologistas e enfermeiros. Camilo Lourenço, de Plutão, no entanto, já disse que não há nada melhor do que ter profissionais de saúde a emigrar. É o que dá passar muitas horas dentro de discos voadores.

Diálogo possível em 2019

– Está sim, muito bom dia, fala o senhor João Filipe Silva?

– É o próprio.

– Olhe, é da parte da Segurança Social. Estivemos a analisar o seu processo e chegámos à conclusão que lhe foi diagnosticado um cancro terminal há três anos.

– Exactamente.

– Em 2016 não foi?

– Sim senhora.

– Pois e então de acordo com a legislação o senhor já devia ter falecido.

– Ah é?

– Sim, sim. E neste situação, como ainda não faleceu, vamos ter de lhe retirar a pensão de invalidez.

– Mas olhe que eu estou mesmo, mesmo a falecer.

– Mas quem é que me garante que isso é verdade? Disse o mesmo há três anos. E se durar mais três? Ou mesmo seis? São os contribuintes que pagam? Não, não, isto não é o da Joana.

– Ah pronto, então nesse caso, se calhar, o melhor é tentar falecer já.

– Pois, é precisamente isso que eu ia sugerir. É tentar esticar agora o pernil. Veja lá isso, está bem? Se não for do cancro, olhe, atravesse a rua sem ser nas passadeiras, até pode ser que seja atropelado. E com sorte pode ser que seja por um autocarro da CARRIS, assim era certinho.

– Tem toda a razão, a última coisa que eu quero é roubar dinheiro ao Estado.

– Está a ver? Pronto, resolva lá isso que para o próximo mês já deixa de ter a pensão de invalidez.

– OK, obrigadíssimo por ter ligado.

– Obrigado eu, com licença.

Já sabemos que Portugal não é a Grécia

mas os dois lideram, em conjunto, o ranking dos países da OCDE onde a despesa das famílias com saúde mais aumentou. Coincidências claro, que o nosso SNS está que é um espectáculo. Que o digam as urgências dos hospitais públicos.

Quem pagou o ataque a um hospital público?

A FMS? ou terão sido as Walk’in Clinics pertencentes ao grupo económico da Fundação Manuel dos Santos? Ou é tudo a mesma coisa e toca de atacar o SNS para abrir mercado aos privados?

esguichos de estupidez

mamar

Ontem esta notícia indignou-me, como imagino que tenha indignado todas as pessoas que tenham um cérebro e que conheçam minimamente o que podem fazer com ele. Tipo pensar. Tipo conhecerem os seus direitos (e deveres), entre os quais, os direitos e deveres das mulheres que amamentam e os direitos e deveres dos pais (mulheres e homens) relativamente à aleitação dos seus filhos.

Eu ajudo um bocadinho, recorrendo à notícia que antes mencionei:

«A dispensa para amamentação é um direito previsto no Código de Trabalho. O artigo 47.º prevê que a mãe que amamenta o filho tem direito a dispensa de trabalho para o efeito durante o tempo que durar a amamentação. No primeiros 12 meses, mesmo que não haja amamentação, qualquer um dos pais pode usufruir de dispensa de trabalho para aleitação até o filho perfazer um ano.

A dispensa diária é gozada em dois períodos distintos com a duração máxima de uma hora cada, salvo se outro regime for acordado com o empregador. Está previsto que constitui contra-ordenação grave a violação do disposto neste artigo.

[Read more…]

Aviso aos filhosdaputa que nos governam

É bom que vejam a reportagem da Ana Leal, que ontem foi exibida pela TVI.  À partida estais-vos na tintas: são hospitais públicos, os privados florescem, é coisa para pobres.

11149261_970914109585880_7286154252443252709_n

Mas há um detalhe, ó filhosdaputa. São serviços de urgência. Ora não há privados que cubram as urgências de um país, pelo simples facto que este lado do negócio apenas dá lucro em Lisboa e Porto e mesmo assim não cobre todas as necessidades. E depois os serviços de emergência médica não vos vão diferenciar se vos estampardes numa estrada, se tiverdes um ticoteco na rua, uma emergência, portanto.  Não estou a ver uma dessas equipas que vai às estradas, também eles trabalhando em péssimas condições, a pedir de imediato um helicóptero porque se trata do sr. ministro, ou a reconhecer no focinho coberto de sangue um secretário de estado. Vai daí, em caso de azar, e ninguém está livre dele, trigo limpo farinha amparo, ireis para estas urgências como os outros. E arriscais-vos mesmo a ficar numa maca entalada entre outras num corredor, a serdes assistidos por um enfermeiro para 30 doentes, a ter o único médico capaz de vos tratar ocupado com outros doentes. De nada valerá, depois, um secretário de estado gritar que os médicos e enfermeiros eram comunistas. De nada valerá para vocês, e muito menos para a vossa família.

Resta-vos, depois da razia feita sobre o Serviço Nacional de Saúde, uma hipótese, é claro: não sair de casa. Mas é aborrecida.

Triplo boy

Paulo Macedo nomeia militantes do PSD pela terceira vez no espaço de um ano” (Público)

Retrato de um país

Conta a TSF: mais telemedicina, poupe-se; não há vacinas para a tuberculose. Parabéns Passos Coelho.

Então cala-te e continua a remar

Portugal, Fevereiro de 2015. A vida cá dentro (des)corre como de costume. “Nós andamos do jeito que Deus quer, entre os dias que passam menos mal, lá vem um que nos dá mais que fazer”. Naquele, que é 25, vais testar outra vez o que resta do nosso Serviço Nacional de Saúde. Tão bom, ainda. Tão maltratado, porém. O Hospital chama os doentes um dia antes das intervenções cirúrgicas. Não há, à partida, uma razão plausível. Talvez tenha a ver com o facto de haver cada vez menos gente a trabalhar nos diversos serviços, e o tempo, implacável, não chegar para tudo, nem para cinco minutos de questionário aos que chegam para remover do corpo o que não está bom. Cinco minutos, seguidos de outros cinco, que os enfermeiros gerem o melhor que conseguem para o tal “acolhimento”, para te fazerem sentir tão melhor quanto conseguem. Na sala de espera almoças, lanchas e jantas. Matas o tempo o melhor que consegues, em frente ao país que passa na Tv a horas certas, entre o saudosismo que o Herman exibe e o melodrama que passa de canal em canal. Um país pode medir-se por aí, pelos seus programas de televisão, feitos a pensar num público que não pense muito. E ali ao lado, ao teu lado, hás-de cruzar-te com cada fatia desse Portugal que agoniza, sob o olhar displicente dos que insistem em acreditar isso da crise foi tudo inventado por meia dúzia de malandros que não querem trabalhar. Desse bolo faz parte aquela senhora de meia idade com quem hás-de partilhar mais tarde a enfermaria. A reforma chega para o bife, aprendeu a lidar com as novas tecnologias, tem um telemóvel moderno e até conta de Facebook. Do lado de lá, vai lendo em voz alta as notícias que lhe aparecem no feed.

– “Jovens até aos 18 anos vão deixar de pagar taxas moderadoras”! Sim senhora, uma boa coisa. Está aqui, na página do Partido Social Democrata!

Na cama do lado, outra fatia. Mais nova, velha demais para o serviço, a senhora de olhar triste diz que já não era sem tempo. [Read more…]

Tratam-se bem

psd saude
Eu também sou a favor da legalização das drogas, mas não exactamente defensor do seu consumo intensivo, em particular quando um partido faz a sua propaganda.

Imagem da página do Facebook do PSD, via Ricardo M. Santos

A excelência na gestão da saúde… de algumas empresas

«Os “médicos a dias” custam ao Serviço Nacional de Saúde mais de 70 milhões de euros por ano. Saiba quem anda a ganhar dinheiro com a contratação de tarefeiros» [VISÃO]

Momento de humor: Luís Montenegro fala sobre dignidade

Luís Montenegro mostrou-se desagradado com a intervenção de José Carlos Saldanha na Comissão Parlamentar de Saúde, tendo declarado que esse episódio “não dignificou o trabalho parlamentar”.

Na minha opinião, no entanto, o que verdadeiramente não dignifica os trabalhos parlamentares é termos uma maioria de deputados, para não dizer a totalidade, que está na Assembleia da República para votar, dar a pata e rebolar, de acordo com as ordens das direcções dos partidos, quando foram eleitos para representar o povo.

O que verdadeiramente não dignifica os trabalhos parlamentares é termos deputados que conseguem afirmar que as pessoas não estão melhores, ao contrário do país, que, esse sim, está muito melhor, como se fosse possível um país ser o contrário dos cidadãos.

O que verdadeiramente não dignifica os trabalhos parlamentares é termos deputados que pensam que os problemas pessoais dos cidadãos podem condicionar o desempenho do trabalho parlamentar, porque, para estas gravatas amestradas, esse trabalho, já se sabe, não é resolver os problemas dos cidadãos.

O que verdadeiramente não dignifica os trabalhos parlamentares é haver um deputado que pensa que os dramas pessoais não devem ser levados para o “seio do debate político”, porque, para estes cabides de fatos caros, o debate político e parlamentar deve estar o mais afastado possível dos dramas pessoais, essas coisas que levam os doentes a gritar que não querem morrer e outras incomodidades.

O que verdadeiramente não dignifica o trabalho parlamentar é termos Luís Montenegro a chefiar uma das bancadas parlamentares.

Para este governo onde a vida tem preço…

felizmente que mais um doente com hepatite C vai receber medicamento. É preciso implorar para se viver neste país.

Sem Palavras

Exigir o que, comentar o quê, se é o próprio Primeiro-Ministro que põe preço na vida das pessoas? Sim, todos não passamos de um número.

O cuspo de vida

Passos Coelho gastou saliva ao declarar que se deve fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para salvar vidas, desde que não seja caro. Ainda teve tempo para segregar uma preocupação diplomática com os doentes de hepatite C, que não estão a ser tratados porque o Estado português fará tudo o que estiver ao seu alcance para lhes salvar a vida, na condição de que fique a preços acessíveis.

A propósito do mesmo assunto, Passos Coelho babou umas instruções sobre o modo como os jornalistas deverão noticiar os casos daqueles que irão morrer porque governos e farmacêuticas existem para garantir lucros de empresas.

Tendo em conta o valor das metáforas, e já que andamos pelas glândulas salivares, um político que reduz o custo de uma vida a cuspo não passa de um escarro.

“Não me deixe morrer, eu quero viver” – José Carlos Saldanha

ng3916542

Quem viu esta noite nos noticiários este doente de hepatite C, José Carlos Saldanha, certamente ficou chocado e se estavam a jantar ou a esperar pela refeição, certamente perderam a fome.

Sou neto, filho e irmão de farmacêuticos/as e desde miúdo que os temas relacionados com a saúde, a indústria farmacêutica, a política do medicamento e por aí fora são recorrentes à mesa. Histórias de doentes, sobretudo reformados, sem dinheiro para pagar os medicamentos, a contar tostões ao balcão da farmácia e a quem nunca ninguém deixava partir sem a caixa de comprimidos, o xarope ou a pomada naquele que era um verdadeiro serviço público discreto que centenas de farmácias e milhares de farmacêuticos realizavam sem queixume, sem apoio do Estado e sem reservas. Era uma questão de humanidade, de respeito pela vida e de bom senso. Já para não falar de dois conhecidos médicos, vizinhos da farmácia, que não cobravam um tostão pelas consultas aos mais pobres e os enviavam ali ao lado para receberem, gratuitamente, os medicamentos urgentes que tanto precisavam, numa verdadeira rede informal (e discreta) de solidariedade social. É assim quando não existe retaguarda e o Estado é fraco, incompetente e desleixado.

Nesta história do medicamento “Sofosbuvir”, se quisermos ser simplistas, existe um claro vilão: a Gilead, empresa que produz o medicamento. E existem 5000 vítimas e aqui estamos perante factos. Cinco mil doentes cuja cura pode ser o “Sofosbuvir”. Porém, existe muita incompetência, enorme lentidão e populismo em excesso. Incompetência, a ser verdade notícias como esta ou esta. Lentidão, nas negociações entre o Estado e o laboratório em causa provando, uma vez mais, que o Estado é forte com os fracos (basta ver a forma como provocou a lenta agonia e morte de boa parte das farmácias portuguesas) e fraco com os fortes (basta ver ao tempo que se arrastam as negociações com a americana Gilead). E excessivo populismo quando leio nas caixas de comentários dos jornais coisas como: “o custo de cada carro dos vários ministros e das dezenas de secretários de estado que por aí andam já dava para comprar os medicamentos em falta” ou, no sentido oposto, quando governantes afirmam “Pagar uma fortuna para aceder ao medicamento não nos parece uma coisa equilibrada“.

O que aqui está em causa é resolver, urgentemente, uma situação que é dramática. Primeiro salvar as vidas humanas e depois discutir as questões financeiras. O exemplo é dado pelo Estado, todos os dias, na sua relação com os contribuintes: primeiro o contribuinte paga e depois reclama. É natural que, em casos como este, se invertam os papéis: primeiro o Estado garante o fornecimento do medicamento e depois vai reclamar, pelas vias normais, o seu custo a quem de direito e usando todas as vias que o direito lhe fornece. Caso contrário, em toda esta história, vamos continuar, por muito que custe, a ter dois vilões. Um chama-se Gilead e o outro chama-se Governo da República. Cada um à sua maneira, cada um por diferentes motivos

Da colecção O governo que destrói recursos humanos (6)

S. José sem tratamento para os aneurismas ao fim-de-semana.

Da colecção O governo que destrói recursos humanos (5)

Hospitais atendem cada vez mais grávidas com fome

Da colecção O governo que destrói recursos humanos (4)

Hospital da Feira com tempos de espera inaceitáveis

Da colecção O governo que destrói recursos humanos (3)

INEM quer contratar mais 70 profissionais para atendimento de emergência e 85 para ambulâncias