O meu corrupto é melhor que o teu

CAA(fotografia@DN)

O fervoroso adepto portista Carlos Abreu Amorim (CAA) sentiu-se derrotado pela segunda vez no espaço de dois dias. Depois do desaire no reduto do F.C.Porto frente ao adversário da segunda circular, CAA ficou novamente em choque após ter conhecimento da visita de Pinto da Costa ao recluso nº44 do estabelecimento prisional de Évora, um infame “magrebino” que, para tornar as coisas ainda mais graves, é uma velha glória do partido adversário.

Talvez o moralista Abreu Amorim não tenha ainda percebido, ou quem sabe as palas partidárias que habitualmente carrega consigo não lhe permitam vislumbrar, mas José Sócrates é tão culpado pelos crimes de que é acusado como Jorge Nuno Pinto da Costa que, incrivelmente, lá se safou em tribunal, apesar das escutas. Já as de Sócrates foram rapidamente destruídas, o que comprova a teoria, possivelmente conspirativa, de que o senhor que toma conta das escutas, onde quer que estas sejam guardadas, só permite fugas se estas visarem portistas. Deve ser conspiração. Ou a confirmação de que, tal como o império Espírito Santo, que apesar de viver hoje os dias mais negros da sua existência continua a valer várias centenas de milhões de euros, também o S.L. Benfica se adapta com facilidade a qualquer regime.

É também interessante verificar a hipocrisia de CAA quando este afirma nada ter contra os comportamentos pessoais do presidente do F.C. Porto mas ainda assim aproveitar para lhe apontar o dedo por ter visitado Sócrates, como se tal representasse uma visita oficial da direcção do clube a que preside ao mediático benfiquista confinado ao reality show preventivo. Onde estava Carlos Abreu Amorim quando as escutas telefónicas entre Pinto da Costa e inúmeras outras personagens do universo futebolístico e político combinavam arranjinhos variados, esse sim um gesto político inequivocamente grave? Em lado nenhum. Estava calado como se cala quando as trafulhices de alguns dos seus companheiros são expostas. Nada que nos deva admirar ou não fosse CAA o autor de afirmações indignadas como “Alberto João Jardim (…) é responsável por uma obra extraordinária, é muito injustiçado”, a mesma pessoa que se insurgiu contra a “brutal campanha” de que Miguel Relvas teria sido alvo, situação na sua opinião sem precedentes. Basicamente o mesmo que dizem os seus pares cor-de-rosa em defesa do vulto socrático. Encontrem as diferenças. Se conseguirem…

Comments


  1. Sujeitinho repugnante…

  2. sportinguista ateu says:

    Pinto da Costa e o Barbas em peregrinação, não cantaram aquela do Luís Piçarra, a das “Papoilas Saltitantes”, mas aquela do meu Querido Alentejo,”Eu não sei que tenho em Évora”,


    • faz lembrar quando há poucos dias os dois presidente que não se podem ver à frente se uniram para defender um fundo de investimento. uniões improváveis que fazem lembrar o episódio das subvenções vitalícias…

  3. Nascimento says:

    Não queria estar na pele do gordo…ai os bobys e os tarecos.
    Um dia destes está a almoçar e engole as francesinhas de uma só vez…ahhahahah,e é bem feito.

  4. j. manuel cordeiro says:

    Ai, que susto!


  5. O feroz é de Bragança e o pintinho nunca se deu bem com o futuro presidente e sim com a camara xuxa da invicta, mas o post fica assim mais vistoso.


    • Não se trata de ficar vistoso. Até porque sou portista e nem por isso tentei meter panos quentes na situação. O Pinto da Costa sempre se deu bem com gente poderosa à esquerda e à direita. Mas papéis destes não são recorrentes.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.