Colégios: opções editoriais amarelas


A opção de algumas redacções pelos amarelitos é algo que não surpreende, mas que me fez alguma comichão. Se um mísero corte em apenas 39 colégios (há mais de 2000) levanta esta poeira toda, imagino o que aconteceria se o governo tentasse despedir 40 mil professores da Escola Pública. Até a Igreja viria dizer qualquer coisa.

Mas, não gosto que os meus cometam os mesmos erros e o Jornal Público ainda é o meu jornal e por isso tenho que lhes bater.

Nas últimas horas conheceram-se três factos sobre este processo e todos eles merecem referência no site do Jornal:

publico

Ora, até na forma como se arrumam três pontos podemos seguir uma tendência, mas, pergunto: não seria a bronca do Presidente aos representantes dos amarelitos a questão maior? Não é essa a verdadeira questão política? Um Presidente que estava a fazer tudo para lhes dar a mão e eles pimba…

Não, pelos vistos, para o Público, a questão jurídica é mais importante e por isso destacou o Parecer da Procuradoria, certo?

publico2

Errado.

Entre o Parecer da PGR e do Tribunal de Contas, destaca este e até o chama em exclusivo à primeira página.

Fica a nota e o alerta: os amarelitos são tão, mas tão pequenitos que aparecerem um segundo na TV é ampliar por mil a importância que não têm. E a sua relevância é mediática, porque, nas ruas deste país, não há um “não-interessado-no-pagamento-da-propina-do-filho-pelo-estado” que os defenda.

Comments

  1. Carvalho says:

    Os “jornalistas” que desistiram de o ser e não passam, actualmente, de marionetas, não terão ponta de brio profissional?
    Não terão vergonha, ao fim do dia, da merda que fizeram?
    É que eles sabem bem que se venderam, que o que fazem não é verdadeiro jornalismo.
    Há umas (uns) que vendem o corpo a troco de dinheiro. Outros (as) vendem a consciência, o brio profissional, a troco de emprego (dinheiro). Isso faz desses “jornalistas” o quê, exactamente?

    • Percebo a censura e concordo com ela. Mas os professores – a minha classe – também devem fazer uma amarga auto-crítica. Seja em relação aos directores, ao acordo ortográfico, aos programas e metas, às pressões para o facilitismo e laxismo, vergam-se e vão na onda.

  2. O mais preocupante nem é o facto de os jornalistas estarem nas mãos dos patrões dos grupos mediáticos e, por essa razão, não ousarem trair os interesses destes últimos; o que é assustador é que, na sua maioria, eles partilhem a mesma visão do mundo dos seus patrões – o que constitui uma prova eloquente da capacidade que tem a classe dominante para impor o seu pensamento (único) e a sua ditadura (democrática).

  3. anónimo says:

    A democracia depende de cidadãos bem informados, com verdade e com imparcialidade.
    Com a informação às ordens do capital e da igreja, não pode haver democracia.
    O golpe no Brasil, pela Globo, é o paradigma do que está a acontecer em Portugal, pelo Público, pelo Balsemão, pelo CM, pelo I, pelas televisões, incluindo a pública, etc.
    Para que serve a alta autoridade? Para lavar o mau jornalismo?
    Em defesa da democracia, é urgente sanear a televisão pública.

  4. Nightwish says:

    Confundir o parecer to TC com o parecer da procuradoria é confundir as maçãs com as laranjas, mas para a direita vale tudo.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s