“Não podemos ficar à espera dos bombeiros para nos resolverem os problemas”


E não podemos ficar à espera do Secretário de Estado da Administração Interna para ajudar a prevenir os incêndios, nem para os apagar. Por isso, mais vale libertá-lo das suas obrigações e usar o dinheiro que se poupa no seu salário para arranjar mais guardas florestais e mais bombeiros. Estes sim, ajudam perante o problema dos incêndios.

Num dia de pandemónio e de incapacidade de resposta é preciso ter lata para sacudir a água do capote desta forma. Encontre a porta de saída, sr. Jorge Gomes, e se tiver dificuldade​em a achar, que lhe seja indicado onde é que ela fica.

[Recorte]

Comments

  1. O Estado de tão ocupado que está a gerir negócios privados (ou que deviam ser privados), esquece-se das suas principais funções nomeadamente proteger os seus cidadãos de calamidades publicas.

    Rui Silva

    • O problema é outro. É antes a nomeação da boyada para posições para as quais não têm competências.

    • ZE LOPES says:

      Como diz o famoso pensador liberal Lagranne Amapoche “si les marchés marchent mal, le probléme est jamais du capital”. Ou, de outro modo: “Le capitalisme est bel, l´’Etat est que donne cap d’el”

  2. É demais says:

    Grandessíssimo comentador de poltrona parvalhão.
    Já só falta o Trump dizer que os incêncios e mortes na California são culpa do Estado Português.

  3. Desculpe que lhe diga, mas penso que no sentido pedagógico aquele desabafo faz sentido. Quando era criança, o sino tocava a rebate e muitas vezes a meio da noite, toda a população se juntava para combater o incêndio, antes dos bombeiros chegarem. Hoje em dia há uma indiferença e uma falta de solidariedade muito grande. Fica tudo à espera dos bombeiros. E pior, de braços cruzados a assistir. Não é meu, que se lixe.
    Hoje, o jornal Público até dá náuseas com as ilustrações que faz. A começar pela absentismo na função pública ilustrado com uma professora a escrever no quadro as informações para oum exame de 1ª fase da disciplina de Português.
    Fazer combate político com este jornalismo de esgoto…

  4. Carlos Silva says:

    Quem votou PS+BE+CDU é responsável por estas mortes. Escolheram um governo que mudou por completo a protecção civil, escolhendo “boys” incompetentes.
    Não bastou Pedrogão, tinham de matar ainda mais este fim de semana.
    ASSASSINOS!!!

  5. Fernando Manuel Rodrigues says:

    Há muita coisa mal no que toca à questão dos incêndios, mas não é de hoje, nem se pode resolver num dia. O Secretário de Estado esteve mal, de acordo.

    Mas as pessoas que agora bradam contra o fim dos guardas-florestais, o (des)ordenamento florestal, a falta de prevenção, etc, onde estavam nos meses de Novembro de 2016 a Maio de 2017?

    Muitods deles andavama chamara pelo Diabo, que nunca mais vinha. Os outros (e contra mim falo, também) nem se lembravam do assunto. É só quando a tragédia bate à porta (como diz o povo: “Só se lembram de Santa Bárbara quando troveja”) que se vê montes de gente a propor soluções e remendos.

    Daqui a um ou dois meses, quero ver estes assuntos a continuar a ser debatidos e soluções a ser procuradas e estudadas – sim, porque não é no Verão que se faz a prevenção, nem é de um momento para o outro que se reorganizam e se recriam serviços como os dos guardas florestais e corpos de sapadores florestais.

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      Basta ver que, ainda há cerca de uma semana, as preocupações da comunicação social, quando falavam sobre Pedrógão, não eram sibre se as questões entºao levantadas já estavam a ser trabalhadas e as soluções a ser implementadas.

      Não, a preocupação era onde estava o dinheiro, quem o tinha, quem já tinha recebido, quem ainda iria receber, e se o Estado estava ou não a distribuí-lo como deve ser.

      Sem desvalorizar estas preocupações, que são legítimas porque se trata de dinheiro que, na sua esmagadora maioria, provém da generosidade de particulares, não acham que as questões fulcrais que são o que se estava a fazer para PREVENIR e EVITAR que situações dessas voltassem a acontecer (e que foi debatido AD NAUSEAM durante a tragédia) foram rapidamente passadas para segundo plano? Onde estavam os frente-a-frente os os “Prós e Contras”?

      SE calhar agora vão fazer outros, para ganhar mais uns contratos publicitários a inserir nos intervalos estrategicamente colocados, até que o pessoal se esqueça de novo.

  6. joão lopes says:

    a direita troglodita,a tv comercial e os jornais populistas estão mais uma vez a aproveitar-se dos incendios para ganharem audiencia.neste momentos os incendios da california(milhares de desalojados,não sei quentos mortos) tambem servem para culpar a geringonça.e no entanto continuam a ser os eucaliptos os primeiros a arder.eis o resultado da agro industria.quem ganha com a agro industria,afinal de contas?

  7. Sr. Cordeiro,
    Fez muito bem em problematizar a posição-comentário do Secretário de Estado.
    É verdade que o chamado dispositivo de combate aos fogos é da responsabilidade dele e, nessa medida, o comentário é abusivo.
    Por outro lado compreendo a posição porque perante tanto incêndio não há dispositivo que resista e que chegue. Nesta linha acompanho o comentário do Sr. Dias.
    Recentemente, consultei o Plano de Combate aos Incêndios da autoria da autarquia onde resido.
    É um documento extenso, com certeza bem feito, porque assina-o profissionais arquitectos, engenheiros florestais e geógrafos.
    De tudo o que li há uma aspecto que me confunde: Onde, como cidadão, está reservada a minha função? Perante um incêndio na minha zona, se quiser ajudar, o que faço? Ora, não está no plano contemplado a minha função de ajuda organizada, disciplinada no computo do conjunto das forças de protecção civil.
    Por exemplo, onde me dirijo para constituir um grupo de apoio ao combate? Material a usar e eventualmente disponível?
    Ora, há muito trabalho a fazer em termos de protecção civil quer se trate de incêndios, cheias e outras calamidades públicas.
    Este aspecto também foi abordado pela representante da associação criada em Pedrogão Grande na sequência do incêndio do passado.
    Claro, vou criticar o tal plano para o melhorar.
    Já combati incêndios como “popular” de forma improvisada, com ramos verdes.
    Tenho a certeza que temos de mudar muitas coisas para nos reconhecermos todos dignos uns dos outros e dos nossos antepassados.

  8. A este propósito:

    “Estes patetas deviam ter disto isto quando tomaram posse…

    Observador:

    “Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema”.
    Jorge Gomes, secretário de Estado, disse que têm de ser as pessoas a combater os fogos. “Temos de nos autoproteger” e “não podemos ficar à espera dos bombeiros e dos aviões”. Costa não o censura.

    Se estes incompetentes a roçar o estatuto de criminosos tivessem este discurso logo no início, quando decidiram mudar a Protecção Civil de alto a baixo, para colocar os boys do partido, talvez o efeito fosse outro e as pessoas não acreditassem tanto no Estado e neste Governo que os deixou ficar mal, na miséria.”

    http://www.portadaloja.blogspot.pt

    • joão lopes says:

      em todas as imagens dos incendios ,lá estão os eucaliptos,mato e mais mato até a beira estrada.eis o resultado da austeridade cega.mais:depois de um empresario do norte ter sido preso,é que finalmente a sua fabrica deixou de poluir um rio,quer mais?

      • Carlos Silva says:

        Então mas ainda vivemos austeridade? É que a limpeza faz-se anualmente. Se este ano não se fez a culpa é da PaF? És idiota.

        • Paulo Marques says:

          “Então mas ainda vivemos austeridade? ”
          Sim, até 2050 quando a dívida fosse de 60%. Isto se o ordoliberalismo alemão tivesse alguma coisa a ver com a realidade, que não tem.
          Este ano foi a floresta, os quarteis e os aeroportos, qualquer dia são as pontes, os hospitais, os transportes e tudo o mais para o qual não há dinheiro nem renovação de pessoal com transmissão de conhecimento.

Trackbacks

  1. […] idiota do Ministério da Administração Interna. Se sim, o campeonato está renhido. Depois do secretário de Estado, e colocando a hipótese de o contexto poder dar outro sentido à declaração, esta frase da […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s