Quem se lixa é o mexilhão

Um dos temas da agenda da reunião do Conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) que se realiza hoje em Bruxelas é o Irão e as consequências do abandono do acordo nuclear iraniano pelos Estados Unidos.

A Europa quer, obviamente bem, demarcar-se de mais um desvario incendiário e manter o acordo. Agora, é bom sabermos o que está em jogo:

“O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, divulgou uma lista de exigências aos países europeus para que o acordo nuclear assinado em 2015 entre Teerã e seis potências mundiais permaneça em vigor.”

Segundo Khamenei, “a Europa tem que garantir plenamente as exportações de petróleo ao Irão”. (…) “Significa isto que, se os EUA impõem o seu embargo às nossas exportações de petróleo, os europeus têm de garantir o volume de exportações desejado pela República do Irão”.

Além disso, os bancos europeus terão de garantir as transacções comerciais com o Irão – transacções monetárias privadas e das empresas estatais.

Khamenei: “Se os europeus hesitarem em responder a nossas exigências, o Irã tem o direito de retomar suas actividades nucleares”.

Já se fala também em compensações para empresas europeias que investiram no Irão após a assinatura do acordo e de apoio às empresas contra as retaliações dos EUA.

É que não há volta a dar, quem se lixa é o mexilhão.

Comments

  1. Bento Caeiro says:

    Com amigos como os EUA e Trump para que precisa a Europa de inimigos. Já se viu à exaustão que os EUA são parte do problema; que qualquer solução para o mesmo passa por ultrapassar os obstáculos que os mesmos quererão impor a todo o processo. Trump decidiu fazer o jogo dos sionistas de Israel, para tanto decide colocar a sua embaixada em Jerusalém e, contrariamente ao espectável, decide apoiar a Arábia Saudita – inspirador e financiador do islamismo radical e terrorista sunita – Bin Laden, Al-Qaeda, Daesh – nas suas posições contra o Irão xiita. Também Israel já tinha levado a cabo acções contra a Síria e as forças xiitas que combatem o Daesh na Síria.
    Compete agora à UE ultrapassar esta questão, de forma a que o acordo com o Irão se mantenha.

    • Ana Moreno says:

      Sim, Bento Caeiro, mas fica claro que nos vão novamente ao bolso, certo? Está-se a ver quem paga as compensações às empresas… Lucros privados, custos comuns…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.