A dualidade moral é…

… sentir-se chocado por alguém usar uma foto de uma criança qualquer para ilustrar o que Trump fez aos filhos dos imigrantes ilegais mas não escrever uma linha sobre as acções de Trump propriamente ditas.

 

Dizem esses que é por isto que as pessoas desconfiam da comunicação social, como se por trás destas imagens não estivesse uma realidade cruel. Chutam para canto, também, afirmando que é uma lei de Obama. Pouco lhes importa que a realidade seja outra, tendo-lhes bastado um site alt-right publicar um vídeo com tais afirmações para virem gritar para a praça pública.

Na verdade, pouco importa se a lei é de Obama ou não. O que interessa é quem é que a está a aplicar e como – o diabo está nos detalhes e o “como” faz muita diferença. Sendo uma lei miserável, importa também explicar porque é não tinha sido corrigida, especialmente quando Trump tinha uma maioria no Congresso para o fazer. Chutar para o Obama, perdão, para canto, é uma forma de menorizar o que está a ser feito. Mas quanto a isso, silêncio. O problema está em algum idiota ter dado o flanco ao usar uma imagem que não é das crianças separadas e enjauladas.

Não faltam materiais que essa gente gente pudesse comentar, mas aquelas duas fotografias…. meu deus!

Apesar das piadas aos idiotas republicanos, o que é apresentado não deixa de ser factual. As declarações e citações dos visados estão lá, para quem as quiser ouvir.

Filhadaputice é isto mesmo – pegar no acessório para que o ruído desvie a atenção do essencial.

Comments

  1. JgMenos says:

    A lei não é do Obama nem do Trump mas da Assembleia lá do sítio.
    Entretanto ninguém põe o nome à solução alternativa, com as famílias muito juntas:
    – Campo de concentração? ou deverá ser um bairro social …

  2. Miguel Bessa says:

    Começando pelo fim: o essencial é que aquelas pessoas são criminosas, são emigrantes ilegais. Ponto.
    Não têm direito nenhum de entrar no país dos outros! Esse direito não existe! Não existe em sítio nenhum do mundo.
    Sendo criminosos, o que fazer aos filhos? Prender com os pais criminosos? Foi recusado por um tribunal. O que sobra? A demagogia esquerdista de não prender ninguém! E apoiar o tráfico humano disfarçado se de humanismo. Sim, era sabido a imenso tempo que vinha uma caravana de ilegais a caminho. O que é isso senão tráfico humano? Se fossem refugiados dirigiam se aos locais específicos da fronteira, que existem (para quem não saiba, fica a informação).

    (O que levará as pessoas a fugir de paraísos esquerdistas para esse malvado capitalismo dos states?)

    Depois, chamar Obama á questão é colocar as fotos e as decisões na responsabilidade de quem as tomou.
    Tal como com os “dreamers”, Trump ofereceu aos democratas a possibilidade de fazerem uma lei para resolver a questão. Mas o objectivo não é resolver, é “chorar”, é assumir a moral virtuosa, é obter o “moral highground” e tentar ganhar os votos das minorias através desta pseudo defesa já que pelos resultados políticos não conseguem (basta ver o “sucesso” esquerdista da Califórnia).

    PS. O que é um site alt-right? Um site que não diz exatamente o mesmo que a CNN ou a cnbc?

    • j. manuel cordeiro says:

      É sempre positivo ver um apoiante da política de Trump assumir-se, com tudo o que isso significa.

      “Não têm direito nenhum de entrar no país dos outros! Esse direito não existe! Não existe em sítio nenhum do mundo.”

      Tem razão, é um direito reservado a estados para invadirem outros, como no caso da busca das inexistentes armas químicas no Iraque.

      “(O que levará as pessoas a fugir de paraísos esquerdistas para esse malvado capitalismo dos states?)”

      Naturalmente, V. Ex. é um ignorante, pois de outro modo saberia que o México é governado há décadas por governos de direita.

      Sobre o restante palavreado, está desmontado no post e não vou perder mais tempo consigo.

      • Miguel Bessa says:

        Começando pelo argumento que tentou provar com recurso ao exemplo México. Excepções não são regra. E a “caravana” não era de mexicanos mas de migrantes da América central. (Caso não saiba, fica também a indicação que a emigração mexicana está em ponto baixo historicamente).
        Mesmo em países governados á direita, existem países melhores e piores logo é normal que o fluxo migratório seja no sentido positivo. Isso não invalida a regra que os fluxos migratórios são direcionados de países de esquerda para países de direita (e dos países islâmicos para países europeus). Regra vs excepção.

        Quando ao outro argumento excepcional do Iraque. Tem razão! Está a ver? Chama se respeitar a lei e as fronteiras do outro país. Nenhum país devia invadir outro, especialmente com falsos pretextos! Tal como a Rússia não devia invadir os vizinhos! Mas aí para si já não deve haver problema. Para mim há em ambos os casos. Não escolho os exemplos que me dão jeito.

        Você tem casa? Deixa as portas abertas? Esta comparação é tão simples e tão reveladora.

        Termino assinalando que para quem faz um post que visa (segundo o próprio desviar do acessório para o principal) não consegue comentar o principal do tema. São emigrantes ilegais logo criminosos, o que fazer aos filhos dos criminosos? É muito whataboutism, what about Iraque, what about mexico. Zero do principal.

    • Paulo Marques says:

      “Começando pelo fim: o essencial é que aquelas pessoas são criminosas, são emigrantes ilegais. Ponto.”
      Então, pronto, vale tudo (a menos que sejam políticos da cor certa que não pagam impostos). Vale separá-los para sempre em jaulas separadas até morrerem.

      “Tal como com os “dreamers”, Trump ofereceu aos democratas a possibilidade de fazerem uma lei para resolver a questão. ”
      Não, Drumpf usou-os como chantagem para tentar viabilizar o idiótico muro. Não precisa dos democratas para nada.

      “Tal como a Rússia não devia invadir os vizinhos! Mas aí para si já não deve haver problema. ”
      Bem, o seu ídolo gosta.

  3. whale project says:

    É enternecedor ver como alguém consegue tão acérrimos defensores. O Trump pode sentir-se orgulhoso de atrair todo este mar de grande simpatia deste lado do mar.
    Quanto ao resto, o homem tem o maior exército e arsenal nuclear do mundo, não precisa de defesa.
    Quanto aos “casos excepcionais” já um terço das nações do mundo tiveram oportunidade de ser “casos excepcionais”, seja por invasões ou bombardeamentos directos (Vietname, Afeganistão, Líbia, Jugoslávia, Iraque, Somália, Laos), não por esta ordem e não necessariamente todos ou um livro do tamanho do Guerra e Paz não chegava para tantas “excepções”, seja por intervenções em eleições ou organização de golpes de estado sangrentos (Brasil, Chile, Irão) e mais uma vez há mjuito mais “casos excepcionais” de intervenções norte-americanas consideradas muito legítimas na terra dos outros. Em nome da liberdade, da democracia, do raio que os parta, na realidade em nome dos interesses americanos. Trump pelo menos é honesto “América Firts” o resto que se expluda.
    Depois, todos os desgraçados que procuram os Estados Unidos vêm de países à esquerda. Nicarágua ou El Salvador, Guatelama ou Honduras, é tudo esquerda. Não sabia no caso destes últimos.
    Também não sabia que Marrocos, as sanguinárias e traficantes de escravos milícias líbias, os fundamentalistas islâmicos, o Al-Sisi, os grandes criadores da maré de refugiados que demanta a Europa é tudo gente de esquerda. O que os grandes defensores do Sr. Trump nos ensinam.
    Já agora, a Arábia Saudita, que armou o Estado islâmico na Síria. Esquerda radical. A Turquia, esquerdistas perigosíssimos. Que grande confusão que vai na mona dos trumpistas.
    Já agora, o que é que teria acontecido a milhares de famílias portuguesas se os franceses tivessem tratado com toda aquela indignidade e crueladede os portugueses que para lá iam “a salto”? O que seria desses “criminosos”?

    • Paulo Marques says:

      A Tunísia, a quem a Alemanha vende armamento para que possa seguir o modelo, também é de esquerda radical.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.