Um par de tomates contra a opressão

VPDT.jpg

Foi no final do mês de Março, há 15 anos atrás, que uma aliança liderada pelos Estados Unidos invadiu o Iraque, um estado soberano. Os dois grandes argumentos usados para justificar a ofensiva perante a opinião pública foram a existência de armas de destruição maciça e a colaboração do regime iraquiano com a Al-Qaeda. Bush, Blair, Aznar e o seu mordomo asseguravam-nos que as provas eram irrefutáveis. Mas tudo não passou de um grande barrete.

O que se passou com o Iraque não foi caso isolado. Aconteceu com inúmeros países, sob a forma de invasões alicerçadas em pretextos falsos, golpes de estado patrocinados ou false flag attacks. Morreram centenas de milhares de vítimas inocentes, destruíram-se cidades e sociedades, abriu-se o caminho à ascensão novos déspotas e os suspeitos do costume lucraram a reconstruir, a garantir a “segurança” e a explorar recursos naturais. [Read more…]

É só para sublinhar o que já se sabia

President Trump has abandoned his live-on-television promise to work for gun control measures that are opposed by the National Rifle Association, instead bowing to the gun group and embracing its agenda of armed teachers and incremental improvements to the existing background check system.” NYT, 12/03/2018

A questão das armas nos EUA não se resolve sem que o financiamento partidário deixe de ser controlado pelo meio empresarial. Devemos olhar para os outros e pensar para onde caminhamos

Make it right, Joe

Joe Right, professor numa próspera, embora pequena, cidade do Sul dos EUA, dirigiu-se à sua escola onde iniciaria mais um feliz dia de trabalho. Estava uma manhã quente, pelo que Joe estacionou o seu carro – um híbrido, claro, era preciso dar o exemplo – junto à pastelaria que havia ali, frente à entrada da escola. Saiu do carro, resistiu a acender um cigarro – estavam por lá alunos e alunas e o exemplo,não é…- e entrou. Pediu uma Coca Cola – diet, claro, o exemplo…- que acompanhou com umas bolacha sem glutém, sem açúcar, sem lactose – o exemplo…-, cujo gosto, suspeitava Joe, não seria muito melhor que o do cartão em que vinham embaladas.
Dirigiu-se à sua sala de aula. Os alunos e alunas – nunca esquecer de enumerar os dois géneros, pelo menos, lembrou, de si para si, Joe – enchiam a sala. Joe gostava deles e da sua profissão. Ultimamente sentia, porém, algum embaraço. Tinha-se preparado para abordar algumas obras literárias de que gostava, mas parece que, agora, não seriam admitidas por conterem elementos politicamente incorrectos. [Read more…]

O analfabeto funcional

As câmaras apanharam as notas que Trump recebeu para a audiência que este concedeu aos familiares das vítimas do último massacre numa escola dos EUA.

Entre as notas banais, que não precisam de estar numa cábula para quem tenha dois dedos de testa, destaca-se a n.º 5, “Estou a ouvi-lo”. Os assessores dele optaram, claramente, pelo princípio KISS, não fosse o stupid enterrar-se como habitualmente.

Na Virgínia, um rapaz de 13 anos não pode comprar uma cerveja mas pode, legalmente, comprar uma arma

Em Junho de 2016, pouco depois de dois tiroteios em escolas públicas e do massacre em Orlando, a CNN acompanhou um rapaz de 13 anos numa sessão de compras. Foi-lhe vedado o acesso a tabaco, bebidas, bilhetes de raspadinha e pornografia. Mas pôde, legalmente, comprar uma arma de fogo.

Eis o país da fachada vitoriana, que mete um apito a cada ass, fuck e shit dito na TV, indo ao detalhe de meterem uma chapa à frente da boca do apresentador (porém, deixando som suficiente para se perceber o que é que foi dito), mas onde se podem comprar armas de fogo livremente. Gente louca, bem representada pelo maluco do Trump, que preconiza armar os professores como solução contra os tiroteios nas escolas.

Trump, a grande besta

Face aos recentes tiroteios na Florida, EUA, o que anuncia Trump na audiência que concedeu àqueles que queriam colocar as armas de fogo sobre controlo? Em frente aos miúdos que sobreviveram e aos pais dos que perderam os filhos, Trump declarou que deviam ser dadas armas aos professores. Um professor armado  poderia acabar aquilo “muito rapidamente”, disse Trump.

Repare-se, quando se atravessa a fronteira dos EUA para o Canadá, passa-se de um país de lunáticos, que andam aos tiros uns aos outros, para outro onde nada disso acontece. E qual é a solução de Trump? Mais armas. O autêntico far west.

Além da cretinice e falta de tacto, há o outro lado das soluções infantis do actual presidente americano. Um professor com armas acaba aquilo. Depois, claro, de uns quantos terem levado uns tiros e do próprio professor passar a ser o juiz e carrasco. Uma grande besta, é o que é.

(vídeo actualizado)

A neutralidade da net explicada pelo Burger King

Há umas semanas, a entidade reguladora das comunicações dos EUA, a FCC, cancelou as directivas criadas pelas presidência de Obama que obrigavam os operadores de telecomunicações a servir todos os conteúdos de todos os sites de forma igual. Ou seja, agora podem deixar de seguir o que foi padrão na Internet desde que esta existe. A motivação é meramente comercial, permitindo criar pacotes artificiais, no sentido de não corresponderem às necessidades dos clientes, mas sim à estratégia da empresa.

O assunto foi polémico nos EUA, houve até uma “sondagem” organizada pela FCC, mas que se concluiu estar repleta de dados falsos, e no fim, a FCC fez aquilo que Trump tinha decidido, ou seja, favoreceu os gigantes das telecomunicações. Curiosamente, os  liberais cá da terra não atiraram as vestes ao chão, como fariam se Chavez mandasse um traque.

Apesar do assunto não estar morto, enquanto Trump comandar o governo dos EUA, não haverá alteração de política. Entretanto, iniciativas como a do Burger King traduzem em termos simples as implicações de uma aparente alteração burocrática.

Democracia?

Que se lixe isso. Temos dinheiro.

Assim se endereça a manobra concebida para tirar os olhos dos problemas internos. Frank Underwood não faria melhor.

Por falar em politicamente correcto

Trump Administration Prohibits CDC Policy Analysts From Using the Words ‘Science-Based’
On Friday the Washington Post reported that the Trump Administration has forbidden the Centers for Disease Control from using seven terms in certain documents: “science-based”, “evidence-based”, “vulnerable,” “entitlement,” “diversity,” “transgender,” and “fetus”.

Acho que já li um livro com este enredo, no qual as palavras tinham um significado alterado.

Aí está o cadáver

Essa Great America Again, terra da livre iniciativa, acabou de permitir que os grandes monopólios controlem o tráfego da Internet. Net neutrality is dead.

Penteão

Trumpa

Isto é tão bom, mas tão bom, que só é pena ser mau.

Acto 1:

“He said he didn’t meddle,” President Trump told reporters aboard Air Force One on Saturday. “I asked him again. You can only ask so many times… He said he absolutely did not meddle in our election. He did not do what they are saying he did.”

He added: “And I believe, I really believe that, when he tells me that he means it.”

Despite the fact multiple US intelligence agencies concluded Moscow interfered in the presidential election in the attempt to push the vote in the Republican’s favour, President Trump also said the accusations had hurt Mr Putin’s feelings. [Independent, 12/11/2017]

[Read more…]

Conta de Trump no Twitter apagada durante 11 minutos

Empregado apagou-a no seu último dia de trabalho. Twitter restaurou-a 11 minutos depois.

Contribuição do Facebook para manipulação eleitoral nos EUA foi muito além da visualização de anúncios pagos

Páginas do Facebook geridas por russos foram responsáveis ​​por resultados muito mais palpáveis do que os milhões de visualizações de anúncios políticos durante as eleições norte-americanas. Com efeito, traduziram-se em dezenas de eventos políticos no mundo real nos EUA, incluindo uma manifestação ligada ao contra-movimento “Blue Lives Matter” (reacção ao movimento Black Lives Matter contra a brutalidade policial exercida sobre os afro-americanos)  numa cidade e num protesto contra a brutalidade policial noutra cidade – e nos mesmos dias.

Uma investigação do Wall Street Journal revelou que pelo menos 60 marchas, manifestações ou protestos foram orquestrados, divulgados ou financiados por oito páginas do Facebook apoiadas pela Rússia. Estes números parecem indicar um nível de exposição muito superior ao que até agora se estimava.

  • Páginas do Facebook investigadas: 8
  • Número total de gostos: mais de 2 milhões
  • Marchas, manifestações e protestos programados: pelo menos 60
  • Eventos confirmados como ocorridos: 22

[Read more…]

Entretanto, pela imprensa estrangeira e arredores…

Alguma comunicação social retratou Trump como ele é. Um merdas da extrema-direita, cheio de cautelas para não perder o apoio desses grupos. Pelo ritmo de demissões, não faltará muito para que apenas lhe sobrem esses.

Este é um bom momento para recordar as investidas que alguns opinadores realizaram, na comunicação social, em blogs e no Facebook,  com o intuito de suavizar e racionalizar esse doido que ocupa o lugar de presidente dos EUA. E acho engraçadas algumas reacções do comentadorismo nacional face a esta inequívoca colagem de Trump à extrema-direita. Alguns exemplos: o discurso de ódio na América não é novo; nazismo e comunismo são a mesma coisa; falam da América mas calam-se sobre a Venezuela. A técnica é muito simples. Dado que não podem negar a realidade, procuram relativizá-la para a diminuir.

Mas a realidade é clara. Apenas algumas décadas passadas sobre a loucura do nacionalismo que conduziu à Segunda Guerra Mundial, os extremistas chegaram de novo ao poder de mais uma potência económica e militar. Maus augúrios se anunciam. Quem tiver dificuldade em ler o actual contexto a partir da História pode sempre optar por uma versão romanceada, como a de Ken Follet.

Fábula

De asas estendidas, a águia pairava, livre, magnífica, como que abraçando o vento. Feliz, deleitava-se na sua incomparável capacidade de desenhar linhas mágicas no ar. Ensaiando um voo picado, desceu, vertiginosamente, em direcção ao solo – era um prazer muito seu. Beleza e velocidade puras animavam o céu.

O caçador, bronco de gozo, apontou. Para ele, era só um troféu. Matar por matar. Era o seu modo de felicidade. Atingida no peito, a ave deixou escapar como que um último grito, um lamento, e caiu pesadamente no chão. Nada restava da sua magnificência, da sua graça. O caçador olhou o corpo disforme e sem vida da ave e sentiu-se mais homem, mais exclusiva e intensamente homem.

– Convidado a comentar o acontecido, o presidente Trump explicou que ambos os protagonistas destes eventos eram culpados. Pois quem mandou a águia voar, provocante, frente ao caçador, interrompendo até, com o peito, a livre trajectória da bala?

Casa Bronca

Então estamos assim: Rex Tillerson, Secretário de Estado dos EUA, diz que devem iniciar-se negociações com a Coreia do Norte sobre a questão nuclear sem por em causa o regime. O manda-chuva da CIA, pelo seu lado, diz que a questão do regime tem de estar em cima da mesa. Trump, com a habitual subtileza estratégica, está-se nas tintas para complicações e diz que põe aquilo tudo a ferro e fogo. Às vezes – cada vez mais vezes…- não têm alguma saudade dos tempos em que o imperialismo tinha alguma racionalidade – uma racionalidade cruel, criminosa, sim, mas inteligível ?…

Prevêem-se para breve mais notícias sobre a intervenção dos EUA na Coreia do Norte e na Venezuela

Coitado, só agora é que encontrou um furo na agenda para falar do assunto. Como seria mais fácil se pudesse comunicar directamente pelas redes sociais, como o Twitter, por exemplo.

Enfim.

Resumidamente…

O acidente genético humanóide que governa a Coreia do Norte está a tornar-se no maior aliado do alienado que governa os EUA. Kim versus Donald, alimentando-se mutuamente de delírio: milhões de anos de evolução para chegarmos a isto!

Trump e a extrema-direita

Recorte: The Guardian

O presidente disse que condenou o “ódio, fanatismo e violência em muitos lados” no sábado. E repetiu a frase “em muitos lados” para enfatizar. Um porta-voz da Casa Branca amplificou mais tarde as declarações do presidente, dizendo ao The Guardian: “O presidente estava condenando o ódio, fanatismo e violência de todas as fontes e de todos os lados. Houve violência entre manifestantes e contra-manifestantes hoje “.

Mas houve uma forte reacção à recusa de Trump em denunciar os radicais de extrema-direita que atravessaram as ruas carregando tochas flamejantes, gritando epítetos raciais e atacando os seus oponentes.

Os confrontos começaram depois dos nacionalistas brancos terem organizado uma reunião em torno de uma estátua do general confederado Robert E Lee, a ser futuramente removida, e culminou com um carro sendo deliberadamente conduzido contra um grupo de pessoas que protestavam pacificamente contra a manifestação da extrema-direita, matando uma pessoa e ferindo pelo menos 19. [The Guardian]

[Read more…]

Palhaçada na Casa Branca

Perdão, queria dizer manobras no manicómio. Entretanto, como manda o manual, declara-se guerra, ou coiso, a outra nação, com o pretexto de  “pervertem” a ordem democrática, o que tem um toque especial quando é dito pelo bronco que teve uma mãozinha russa na sua própria eleição.

Entretanto, em Hamburgo

A ficção que imita e realidade que imita a ficção. Os piores conflitos de Hamburg não são os que fazem fumo.

As longas gravatas de Trump

Aí está a explicação. Trump viu Amor Sem Aviso, um filme de 2002, e reviu-se no ar tonto do Hugh Grant. Acertou.

Almaraz

Os que criticam Donald Trump por recusar o Acordo de Paris são os mesmos que aprovam o Armazém Nuclear de Almaraz?

Trumpete

Há-de haver quem tenha reparado na súbita generosidade do directório europeu para com Portugal. Parece ter-se diluído, de um momento para o outro, o velho discurso das imperiosas reformas estruturais, da necessidade de manter o rumo, a ameaça do congelamento de fundos e outras sanções, que chegaram a obrigar o primeiro ministro António Costa a evocar o Tribunal de Justiça da União Europeia, afirmando que a ele recorreria se tais castigos viessem a ser levados à prática.

Hoje o cenário está bastante diferente, ao ponto de, sem desprimor, como aqui já foi escrito, para o Ministro dos Negócios Estrangeiros e o meritório trabalho diplomático que vem realizando, nos terem permitido ganhar um Festival da Eurovisão com uma canção cantada na língua impronunciável de Camões.

O Sr. Schäuble comparou o Ministro das Finanças, Mário Centeno, a Cristiano Ronaldo – parece querer vê-lo na liderança do Eurogrupo – e até a própria senhora Angela Merkel, um Mao Tsé Tung a cores, e que, não há muito, se se referia a Portugal era para passar raspanetes avisados e oferecer lições maternais sobre a arte de bem governar um país do sul em processo de empobrecimento, parece agora rendida ao discurso da coesão, afirmando, em tom dramático, que a União Europeia tem de tomar o seu destino nas suas próprias mãos e não pode depender inteiramente dos EUA e do Reino Unido, países com os quais parece ter sido aberto um conflito político e estratégico.

[Read more…]

Trump a tirar medidas

“Então é isto que os mexicanos vêem”, terá dito Trump enquanto puxava da fita-métrica. 

Parem de oprimir a direita

É sempre comovente ler e ouvir os testemunhos da direita oprimida, seja pela claustrofobia democrática, sempre presente (apenas e só) quando o PSD e o CDS-PP estão na oposição, seja pelas ameaças de bofetadas que ocasionalmente lhes são dirigidas por militantes descontrolados do PS. De pouco importa se todos os dias surge um imbecil a fazer comparações imbecis, que Costa é Trump ou Catarina é Le Pen. A direita é sistematicamente oprimida, pelo que tem todo o direito a insultar quem quiser. Mas ai daquele que ouse insultar a direita, ou sugerir que um palerma qualquer merece um par de chapadas. Porrada, é sabido, e o vídeo em cima demonstra-o bem, só se tolera aos puros e castos da direita. Tal como as perseguições a entidades independentes. Por isso parem de oprimir a direita. Ninguém respeita a democracia como eles.

Notícia? 

Quando o título, sobre a motherfucker das bombas, atravessa a comunicação social com mais eficácia do que os mísseis disparados enquanto se mordisca uma fatia de bolo de chocolate – the best, absolutely – lembramo-nos da imprensa como caixa de ressonância, em vez de fonte de informação.

Eis o processo de destrumpetização em curso. 

Isso foi durante a sobremesa – acabámos de disparar 59 mísseis

Que coisa grotesca.

“Estava sentado à mesa, tínhamos acabado de jantar, e estávamos na sobremesa”, conta. “Tínhamos o melhor pedaço de bolo de chocolate que alguma vez vi. O Presidente Xi estava a apreciar. E eu recebi as mensagens dos generais que os navios estavam carregados e preparados, o que quer fazer?”.

“E decidimos avançar”, continua Trump. “E eu disse, Sr. Presidente – isto foi durante a sobremesa – acabámos de disparar 59 mísseis (…) a caminho do Iraque”.

“A caminho da Síria?”, diz a jornalista. Trump pára por segundos e depois corrige: “Sim, a caminho da Síria”. [RTP

A ligeireza, a burrice, o ar de parvo. Tudo em Trump é asqueroso. E perigoso. Até o recursos aos mísseis para tapar a ausência de popularidade.

A política como exemplo de Virtude para os jovens

Não passou muito tempo pela eleição de Trump. Quase todos os líderes europeus fizeram observações apocalípticas sobre essa bizarria. Era um bronco, um ignorante, um populista perigoso. Hoje todos “compreenderam” o ataque à Síria.

Isto não é política internacional. É a política.