A voz menos autorizada para defender o SMO

Sou frontalmente contra o Serviço Militar Obrigatório, porque o cumpri. Respeito que outros possam ter opiniões diferentes, mas não quem o recusou cumprir…

Comments

  1. Miguel Bessa says:

    Á esquerda tudo normal. Muda o nome de robles para alegre, muda o tema, mas o princípio está lá. Leis para os outros que os próprios não cumprem. Todos têm deveres mas há uns que tem mais do que outros.

  2. Jorge says:

    O Manuel Alegre recusou o SMO? Porque diz isso? Nao gosto do personagem, mas creio que essa afirmação não é verdadeira

    • Rui Naldinho says:

      Eu também não gosto do personagem. Manuel Alegre recusou prestar o Serviço Militar no tempo da ditadura. Gostássemos ou não, era o Serviço Militar a que estávamos obrigados na altura.
      Independente das suas motivações políticas, concordo com o António. Não é a pessoa mais avalizada para vir falar deste assunto, sem que caia no ridículo. É óbvio que recentemente ganhou um processo judicial por difamação contra um ex oficial piloto aviador, da FA. Mas isso por si só não o torna uma pessoa credora de grande autoridade moral sobre o assunto em questão.

    • António de Almeida says:

      Ao que julgo saber, terá desertado. Peço desculpa se estiver errado.

      • Rui Naldinho says:

        Presumo que não tenha sido bem essa a situação ocorrida. Mas como é óbvio, como objector de consciência criou as condições para ser recambiado. Até aí, eu acho legítimo. Ninguém é obrigado a concordar com a guerra colonial. O que se passou a seguir é que me parece já pouco significante.
        Por outro lado, já não é tão legítimo vir hoje defender o SMO, quando ele se opôs ao mesmo, pois os jovens do século XXI também podem achar que o SMO é uma afronta à sua forma de encarar a vida.
        Eu discordo dessa postura. Mas isso sou eu que também fui militar

      • ZE LOPES says:

        1º – “Se “desertou” foi…militar!”; Ou não?

        E não poderão existir razões para “desertar”?

        Ou seja, a “não deserção” é um valor absoluto? Ou a “deserção” só vale para Coreanos do Norte, Cubanos, Russos e quejandos?

        V. Exa virou um cómico salazaresco, ó Almeida. Esta história tem barbas, já foi várias vezes desmontada, inclusivamente, em processos judiciais!

        Quem lhe disse que o Manuel Alegre “desertou”?

        E, já agora: se “estiver errado”, basta um pedidinho de desculpazinha de V. Exa., ó liberteiro? V. Exa. yem meios para indemnizar o homem (ou seja, o Manuel Alegre?)?

        Foi V. Exa. que aqui disse que, cumprindo o Serviço Militar Obrigatório o considerou inútil! Numa resposta a mim mesmo! Inútil só para si?

        Voltou então V. Exa. dos banhos para apanhar mais um “Hipócrita”! O Liberteiro Caçador de Hipócritas volta a atacar!

        A Liberdade pode esperar!

      • ZE LOPES says:

        Para que conste este comentário é obra de um irresponsável! No mínimo!

        • ZE LOPES says:

          Embora eu tenha de confessar que, aqui, existe um pleonasmo: um liberteiro responsável é coisa que não existe!

      • ZE LOPES says:

        E, já agora: pois, podia ter feito como Cunhal que não cumpriu o Serviço Militar Obrigatório porque o recusou e se exilou! Teria sido melhor, mas…

  3. Paulo Marques says:
  4. Vila do Conde says:

    Pelo menos se conhecesse a obra do dito senhor não diria tamanho disparate. Nunca leu ” A Praça da Canção”. A ignorância é muito atrevida

  5. Manuel Félix da Costa says:

    Comentários??!
    Como disse alguém…. Fake news…!
    Mais uma vez a meter o pé na poça…

  6. antero seguro says:

    António Almeida impõe-se um mínimo de honestidade intelectual neste tipo de julgamentos não cedendo à demagogia barata. O serviço Militar deve ser obrigatório para servir os interesses do país ora acontece que ele respondeu à chamada e quando verificou que andava a matar e sujeito a morrer numa guerra de agressão e opressão a um povo que legitimamente se queria libertar dum colonialismo bacoco ele resolveu desertar. A tal contradição só existe mesmo na sua cabeça. Termino dizendo que não concordo com muitas coisa que ele Manuel Alegre fez enquanto como e enquanto militante do PS em que acabou por borrar o seu o passado.

  7. Carlos Almeida says:

    Caro Antero Seguro

    Concordo inteiramente consigo, mas comento a sua frase:
    “A tal contradição só existe mesmo na sua cabeça.”

    Não há contradição nenhuma. Na cabeça de certas pessoas, 44 anos depois do 25 de Abril, o Exercito e as FA em geral, só serviam antes do 25 de Abril, para garantir a manutenção do poder salazarista, o sistema colonial e outras coisas igualmente “democraticas”.
    Claro que ficaram tão surpreendidas com o facto do Exercito e a Marinha terem feito o que fizeram, que decerto ainda hoje não perceberam o que se passou.
    Se não houvesse SMO no dia 25 de Abril, se calhar este dia tinha corrido doutra maneira e hoje não estávamos aqui a discutir o SMO
    Ainda quanto ao voltar ao SMO. Se se recordarem, vão lembrar-se que foi a direita, pela mão do Dr Paulo Portas que acabou com o SMO. E não o fez apenas por demagogia e porque achava que os jovens tinham direito a não ter as suas vidas prejudicadas pelo SMO. Fê-lo por razões politicas, porque o SMO não interessa à direita e eles sabem isso. Só que não o dizem, têm aqueles escribas e papagaios a soldo, nos jornais e TVs que controlam, a lamentar a vida dos jovens se o SMO regressar.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.