Caneças e o aspecto de Robles

Lili Caneças, indirectamente, indica os Delfins e, directamente, menciona ‘aspeto‘. No Brasil, efectivamente, ninguém percebeu.

Robles, hienas e abutres

Foram de árduo trabalho, estes últimos dias em que as hienas e os abutres saíram à rua para tentar convencer os portugueses que o caso Robles coloca o Bloco de Esquerda no mesmo patamar dos antros de contradições, desonestidade, tráfico de influência e corrupção em que se transformaram, há décadas, os partidos do chamado “arco da governação”, apesar de ainda lá resistirem algumas pessoas de bem.

Foi hercúleo, o esforço empregue pela imprensa arregimentada à direita – que é quase toda, apesar da trampa lusitana que se esforça por aldrabar as ovelhas do contrário – pelos painéis de comentadores televisivos, onde o CDS-PP parece ter a dimensão do PSD e do PS, e pelos opinadores virtuais independentes com cartão de militante, que alternam, quais alternadeiras, entre contas pessoais e perfis falsos de patifaria eleitoral.

Durante os dias quentes da polémica, Ricardo Robles disputou espaço mediático com Cristiano Ronaldo. Sim, chegamos a esse ponto. O sistema não podia perder a oportunidade de tentar destruir o Bloco de Esquerda. Foi o que foi. E só foi porque Robles assim o quis. O agora ex-vereador bloquista, que fez campanha com o foco na oposição à especulação imobiliária, era afinal um especulador imobiliário. Uma vergonha. Uma facada no partido que representa. Um dos piores momentos de sempre do Bloco de Esquerda, talvez o pior. Mas, ainda assim, a anos-luz da canalhice a que nos habituou a fina-flor da elite que vem comandando o bloco central, táxi incluído. [Read more…]

Um pretexto para o negócio, obviamente

Trump said Tuesday that he’s “looking into” the idea, saying making 3D plastic guns available to the public “doesn’t seem to make much sense!”

Alguém quer publicar ficheiros que permitirão a qualquer um com uma impressora 3D fazer uma arma em casa. Num país onde tantos acreditam que se está mais seguro possuindo-se armas, grupo onde se inclui Trump, o qual afirmou que dar armas aos professores era a melhor forma de parar os tiroteios nas escolas, conclui-se que, afinal, essa segurança só existe se a arma for comprada a um associado da NRA.

Já agora, antecipando o argumento, é de notar que o registo de uma arma comprada, com a possibilidade de associar um disparo ao seu autor, apenas serve para ir atrás do mal feito. E que o mercado negro está à mão de quem não quiser ser identificado.