Route 66 (entre Pacific e Stanton, Missouri), 3/8/2006

Foto: Francisco Miguel Valada (2 de Agosto de 2006)

2 de Agosto de 1906 – Parabéns ao FC Porto pelo seu 112.º aniversário!

Quando José Monteiro da Costa e demais companheiros do Grupo do Destino se juntaram no dia 2 de Agosto de 1906, para decidir a transformação daquele grupo informal num clube desportivo, não faziam qualquer ideia que existira 13 anos antes um outro clube com a mesma designação.
Afinal, aquele primeiro FC Porto, o de 1893, fundado por Arthur Rumsey, Fernando e António Nicolau de Almeida, resumira-se a meia dúzia de treinos, a que chamaram «match», no hipódromo de Matosinhos. Fora tão relevante no panorama futebolístico português que, entre 18 jornais diários publicados na cidade do Porto, a única notícia da sua fundação tivera de sair, a 28 de Setembro, num jornal lisboeta associado à alta aristocracia e ao regime monárquico. Meses depois de o clube ter sido efectivamente fundado e iniciado a sua (residual) actividade.
Quanto a José Monteiro da Costa, filho de um ajudante de jardineiro, diz-se que previu o futuro. Que um dia o FC Porto iria representar Portugal nas altas instâncias internacionais. «O nosso fundador» – como muito bem disse Jorge Nuno Pinto da Costa no discurso de celebração do último título.
Mesmo que o estatuto de fundador lhe tenha sido usurpado, aí está o FC Porto, ao fim de 112 anos de História, para homenagear a sua memória e os seus curtos 32 anos de vida.

Educação, novo ano, velhos problemas…

À medida que se aproxima o início do ano lectivo, muitos encarregados de educação procuram conseguir o melhor para os seus filhos, o que sendo totalmente legítimo e compreensível, deixa de o ser pelo recurso a estratagemas para conseguir matricular os filhos na melhor escola pública que conseguirem. O problema é mesmo esse, se tivéssemos um ensino maioritariamente privado, seria uma questão de escolha, preços definidos numa lógica de oferta e procura e nada haveria a dizer. Mas o sistema seria contestado, porque ainda que existissem algumas bolsas de estudo nas melhores instituições, ou cheque-ensino para alunos economicamente menos favorecidos, não deixaria de beneficiar maioritariamente as famílias de maiores rendimentos, porque mais facilmente pagariam o acesso às melhores escolas. [Read more…]

O que tem o caso de Ricardo Robles de diferente dos outros

O que tem de diferente é que Ricardo Robles é do Bloco de Esquerda. E um membro do Bloco de Esquerda não podia fazer o que ele fez.
Perguntar-me-ão se um político de Esquerda não pode ser rico só porque defende maior igualdade social, defende os mais carentes da sociedade e ataca os males do capitalismo. Pode, claro, desde que consiga fazê-lo à custa do seu trabalho e não através de esquemas que ele próprio condena publicamente enquanto político.
Como cidadão, Ricardo Robles tem todo o direito de fazer especulação imobiliária, já que a lei o permite. Não pode é fazer especulação imobiliária enquanto, ao mesmo tempo, abre a boca nos comícios contra essa mesma especulação. Demitiu-se pressionado pelos acontecimentos quando nem sequer devia ter aceite o cargo a que concorreu nas últimas eleições.
Para o bem da Esquerda, espera-se que a carreira política de Ricardo Robles tenha terminado aqui. Pode sempre continuá-la no PS, onde se sentirá como peixe na água e onde ninguém o criticará por fazer o contrário daquilo que diz. Onde ninguém achará estranho que enriqueça à custa de cenas manhosas, despejos de senhorios com despedimentos por arrasto e ganhos imobiliários pornográficos em apenas quatro anos.
No PS, no PSD, no CDS… – afinal, é o que esses partidos têm feito, sem qualquer complexo de culpa, desde o 25 de Abril. Quanto ao Bloco de Esquerda, infelizmente, começo a temer que seja igual aos outros.
Não o é, claro. Mas se calhar porque nunca esteve no poder. Dêem-lhe umas décadas a mandar e verão se não se torna igual aos outros. Com o caso da Anita de Salvaterra de Magos, nem foi preciso tanto tempo. É azar que a titular da única Câmara Municipal do Bloco de Esquerda tenha sido acusada pelo Ministério Público de corrupção, com ajustes directos pelo meio, mas é um sinal. [Read more…]