Libera-lol

TAKE 2

No país com iniciativa liberal.

Expectativa: 



Realidade:

 

Se os liberais fossem tão bons na coerência como são a fazer ‘memes’ no Facebook e em outdoors populistas ‘cool’

O que vale é que, assim, vamos sabendo mesmo com quem contar. E não contamos com o Iniciativa Liberal.

Comments


  1. Deixa-me ver se percebi. Atão os mariconços e as fufas têm mais direito à habitação que as pessoas normalzinhas? Que lógica mais fdp…

    • João L Maio says:

      Onde é que leu isso?

      E não seja homofóbico, isso é tão 1978.

      • Paulo Marques says:

        Quando se ignora as estruturas de poder que não nos afectam, é o que acontece. O mercado resolve porque estará para aí virado e não há possibilidade de a alternativa ter vantagens para algum dos lados, nem que estas não sejam monetárias. É a magia da ganância que tudo conquista.

    • Ricardo Pinto says:

      O único anormalzinho que vejo aqui é o senhor.


  2. Então um partido que que acha que o Estado deve tratar todas as pessoas da mesma maneira e que a intervenção do Estado deve ser a mínima possível, ia votar a favor de uma medida discriminatória e que aumenta a despesa pública? A sério?

    • João L Maio says:

      São contra/a favor do Estado conforme lhes convém.

      Neste caso, pesa-lhes mais a cegueira ideológica do que a bandeira LGBT… deve ser do cabo, que é mais pesado numa do que na outra. Deve ser, digo eu.

  3. Luís Lavoura says:

    (1) As resoluções da Assembleia da República são coisas inconsequentes.
    (2) Acho correto que, quando as resoluções são que o Estado gaste ainda mais dinheiro para favorecer ainda mais um grupo de preferidos, os liberais se abstenham de votar a favor.

    • POIS! says:

      Pois claro!

      Os liberais abstêm-se de votar a favor, mas apenas para evitar de se absterem de votar contra. Porque isso é que seria mau!


    • Até poderia concordar. Mas virem depois exibir-se com bandeiras de um “grupo de preferidos” tentando fazer ver ao mundo que apoiam as causas dos “preferidos” é no mínimo hipócrita.

    • Paulo Marques says:

      Pois, favorecer, porque a existência é um favor.