E, já agora

José Saramago, 1990. Foto: Juan Guamy.


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo… e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

José Saramago, ‘Cadernos de Lanzarote’, – Diário III – pág. 148, 1995

Comments

  1. JgMenos says:

    O comuna estava saudoso do tempo dos saneamentos….

    • POIS! says:

      Pois não sei…

      Com saudades de 1947? Talvez não…

    • POIS! says:

      Pois convenhamos…

      Que um salazaresco a falar de saneamentos é assim, mais ou Menos como…um chulo a falar de prostituição.

    • Caco says:

      Ó menos das duas uma, ou tu gostas de provocar o que não me admira ou o cão da minha filha é mais inteligente que tu, o que é muito possível atendendo ao teus miseráveis comentários. Mas olha tu também vais com o cara… como os outros. Eh eh eh . ..::..

  2. JgMenos says:

    O director que marcou o ‘verão quente’ de 1975 (dn.pt)
    quando Vasco Gonçalves chefiava…apesar de ser o Luís de Barros o director, era o Saramago que mandava…
    É neste contexto que se escreve uma das páginas mais polémicas da vida de Saramago e do próprio DN, conhecida como “o saneamento dos 24”, que, ainda recentemente, o escritor negava como tendo sido obra sua.

    • JgMais says:

      Sendo verdade o que escreveste, não desminto, és tu mesmo a demonstração de como um comunista fervoroso como era Saramago nesse tempo, e um fascista rançoso como tu, ambos filtram os factos e a narrativa conforme as suas convicções políticas, diminuindo ou branqueando comportamentos deploráveis próprios ou de outros com que mantêm afinidades. O velho ditado:
      Os extremos tocam-se ou confundem-se.
      Se Saramago evoluiu à posteriori no sentido democrático, já tu minha abécula, continuas a viver nas trevas da velha senhora.
      Qual é a diferença entre ti e ele?
      Ele tornou-se uma referência na cultura portuguesa. Tu continuas a ser uma aberração cromos somática.

      • JgMenos says:

        ‘Saramago evoluiu à posteriori no sentido democrático’
        Que bonito!
        Meteu a viola ao saco e foi a banhos para as Canárias e ainda hoje a viúva come do orçamento….


  3. E quando tudo for privado, seremos privados de tudo.
    Violentos e radicais são os que provocam a desigualdade, não os que a combatem.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.