Farmácias de luto

imagem-imagem-farmacias-18-ok.jpg

Desespera-me que este governo que diz nos representar, sinta-se com a atribuição de saber farmacêutico. Não apenas recorta subsídios, ordenados, levanta os impostos avisando antes a Bruxelas, sem reconhecer a Assembleia da República. Durão Barroso sabe mais do que nós. Apenas no noticiário da tarde vamos saber as mudanças do retirado UTI e o seu(s) substituto. O Parlamento europeu sabe mais do que o nosso.

[Read more…]

Delikatessen pascais


O Coelho da Páscoa anunciou-nos o “adiamento” do pagamento do 13º e 14º salário para 2015. Desconfia-se que chegada a data, chegar-nos-á um “logo se verá”. Isto é mesmo a terra do nunca.
Também ontem, Mário Soares protagonizou um daqueles episódios em que fez valer pela praxis, o seu pensamento acerca do que devem ser as funções do Estado regulador e das obrigações a assumir pelas imprescindíveis funções dos presidentes passivos em exercício. Pois, pelo que parece, as viaturas do Estado servem para tudo e se ainda nos lembramos daquele acidente ocorrido na Avenida da Liberdade, onde um parlamentar bólide de “trinta mil contos” foi para sucata, agora ficámos a saber que o Estado – quem é esse fulano? – também vai pagar a multa de Mário Soares.
Façam as contas: mais de dezassete milhões anuais para Belém, aos quais se acrescentam viagens, paradas de limusinas de Praga até Barcelona onde espera um Falcon, Comissões celebratórias do Grande Nada, enxames de assessores que aparentemente não aconselham, três passivos no activo e também… multas por excesso de velocidade? Para cúmulo, o oficial da GNR diz que Mário Soares foi “bastante malcriado”. Terá metido “carvalhos e o orifício reprodutor da mãe” na gritaria?
Esta gente enlouqueceu.

Contra a Obscena Isenção

Não percebo a que santo rezam os opinadores prostituidores da própria consciência na questão manhosa da judicialização da política. Só logram confirmar o quanto esta República está podre na medida em que se aceita como normal e não passível de escrutínio o rosário de crimes óbvios de um dado político amplamente sujo, mas elevado ao estatuto de santo benfeitor e mito intocável. Se esse político roubou descaradamente o erário público; se promoveu um sem-número de negociatas gravosas para as contas públicas; se arrastou com dolo o País para a bancarrota apenas pelo capricho de manter intactas as condições de reeleição, então os prostitutos da opinião que enfiem os seus pruridos quanto à suposta judicialização da política. Os políticos são cidadãos. Os políticos cidadãos convertidos em impunes e imunes são um escarro-em-gente nos demais cidadãos à sua mercê e não sujeitos à mesma obscena isenção arbitrária. Uma ditadura não faria pior. Não se pode despenalizar políticos que por incúria, malícia e avidez extremas em poucos anos explodiram com os equilíbrios financeiros de um Estado. Se esses políticos comprometeram gravemente o futuro dos nossos filhos, se de muitas maneiras lesaram o seu País, não é a pequena barganha das contas eleitorais que nos fará justiça. Democracia não é isto, ó vacas da opinião sagrada, cabras da cegueira facciosa! A lei que nos deveria fazer iguais, verdadeiramente iguais perante si, não passa de caricatura graças a delicados exílios e ainda mais delicados modos de defender o indefensável.