É preciso fechar a torneira aos partidos

Entre 2014 e 2017, os contribuintes entregaram 120 milhões de euros aos partidos políticos, sendo que a esmagadora maioria desse montante foi parar aos cofres da São Caetano e do Largo do Rato.

Podia aqui argumentar sobre a importância de financiar a actividade dos partidos, como forma de os manter imunes a interesses privados, algo que não corresponde nem nunca corresponderá à verdade, em particular no seio do PS, PSD e CDS-PP. Podia escrever linhas e mais linhas sobre a importância dos partidos numa sociedade democrática e plural, que é inegável, como se o valor que para eles transferimos fosse usado em prol do esclarecimento da população. Mas prefiro não me pôr para aqui com merdas e paleio de saco. [Read more…]

O preço certo em euros do número de propaganda de António Costa

A grande indignação da passada semana girou em torno dos 36.750€ que o governo derreteu num número de propaganda, com o qual decidiu assinalar os dois anos de vigência do executivo Costa. Apesar de ser prática corrente noutras latitudes, e do modelo escolhido não ser propriamente uma novidade, torrar dinheiro deste endividado país em exercícios desta natureza é, a meu ver, uma falta de respeito por todos os portugueses. Já agora, querida direita partidária, tu que vives de desgraças e indignações, por onde andavas quando o Passos fez exactamente o mesmo? Em lado nenhum? Deixa lá, não faz mal. Todas as ocasiões são boas para te ver fazer essas figuras. [Read more…]

Alberto João Jardim enfrenta a justiça pela primeira vez

AJJ

Foi preciso esperar 22 anos para que António Loja pudesse ver chegar ao tribunal o processo por injúrias de que acusa o rei-sol do Funchal. Terminada a era da imunidade, Alberto João Jardim vai mesmo sentar-se no banco dos réus e responder pela chacota pública a que remeteu o ofendido, através do Jornal da Madeira, onde publicou artigos em que usava vocabulário que ilustra bem a pessoa que é, e que incluía termos como “ordinarote” ou expressões como “o homenzinho, ao ler isto, caem-lhe mais três dentes, dois de raiva e um de senilidade“.

Estando o teor deste processo longe das mais elevadas tropelias do jardinismo, entre casos gritantes de despesismo e férias de luxo patrocinadas pelos contribuintes, a verdade é que é absolutamente refrescante ver Alberto João Jardim em tribunal. Cheguei sinceramente a pensar que tal nunca seria possível. Ficará por aqui? Ou será este o primeiro episódio de uma fabulosa série em que o regime do compadrio madeirense começará a responder perante a justiça? Uma sugestão: que tal começarem pelo Banif?

Foto@O Jogo

Foi disto que nos livramos. Uma lista para a posteridade

XX GOV

Ainda o novo governo não tinha sido empossado e já alguns representantes da ala ressabiada à direita nas redes sociais disparavam contra os escolhidos por António Costa, essencialmente por existirem, e iniciavam um processo de difamação dos mesmos, ao bom velho estilo Maria Luz. Apeados do poder e privados do monopólio do tacho, elites, colaboracionistas e respectivo rebanho da ressabia estão e fúria e o espectáculo está a ser bonito de ser ver. É sempre interessante ver o que está por trás da máscara dos falsos democratas.

Os melhores argumentos até ao momento são que um é filho do Mário Soares, outro é advogado do Sócrates, uma não sabe escrever e um outro foi mesmo ministro do infame nº44.  [Read more…]

Marco António Costa, o absurdo democrático do PSD

MAC

Depois de meses de campanha eleitoral na sombra, não fosse a sua presença tóxica aumentar ainda mais a sangria de votos e deputados à direita, Marco António Costa ressuscitou na noite eleitoral. Desde então, é vê-lo dar voz ao partido que o remeteu temporariamente para a penumbra, sempre com aquele seu ar de senador impoluto que não tem telhados de vidro.

Em entrevista à Rádio Renascença, o vice-presidente do PSD voltou à carga contra as negociações à esquerda, e por entre os chavões extremistas que têm marcado a propaganda pós-eleitoral da coligação, Marco António Costa afirmou que “o país está a viver um absurdo democrático”. E pela primeira vez, vejo-me perante a inevitabilidade de ter que concordar com o arquitecto da ruína da CM de Gaia. [Read more…]

Despesismo e regabofe: a lição de Pedro Passos Coelho

Tecnoforma

Seguindo as melhores práticas eleitoralistas da coligação PSD/CDS-PP, que não se inibe, e bem, de recordar a herança socrática, recordemos uma das mais famosas e mal explicadas heranças do nosso primeiro-ministro, homem de peculiar rigor e responsabilidade, que na década passada abria portas para uma empresa que ficou com a fatia de leão dos fundos geridos pelo amigo Relvas através do programa Foral para, entre outras prioridades, ministrar formações para funções que não existiam em aeroportos desactivados. Chama-se a isto acautelar o futuro. Pelo menos o dele e o dos amigos tecnofórmicos. Já a conta ficou a seu cargo caro contribuinte. Parabéns pelo investimento e não se esqueça de votar neste indivíduo. Há mais dinheiro para gastar mal gasto de onde veio este. E se em algum momento se sentir revoltado, pode sempre consumir alguma propaganda com números manipulados sobre a economia e o emprego que deverão ser suficientes para o acalmar até 5 de Outubro. Votos de um óptimo fim-de-semana e não se esqueça de empobrecer que as isenções fiscais do PSI-20 não se pagam sozinhas.

O rigor pós-Jardinista do PSD Madeira

Jardim Albuquerque

Fiéis a uma longa tradição de derreter milhares de euros em festas à grande e à Jardim, os responsáveis do PSD Madeira preparam-se para gastar 100 mil euros na festa anual do regime, honrando desta forma esse ícone do despesismo público que é Alberto João Jardim.

Ainda assim, e apesar da propaganda social-democrata do rigor, vazia e sem qualquer tipo de valor que se consiga percepcionar, o PSD-Madeira congratula-se com a redução do despesismo, na ordem dos 50%. Até agora, os homens que faliram a Madeira torravam 200 mil euros no seu comício anual, agora torram apenas 100. Para quem gere uma ilha enterrada em dívidas, parece-me um valor que faz jus ao discurso moralista que o partido vomita diariamente.

[Read more…]

Passos Coelho precisa de um nutricionista de Estado

É a solução de Ricardo Araújo Pereira para o despesismo automobilístico do governo do “rigor”.

Estranha forma de rigor

Festa dinheiro

 

Quando nos vêm falar sobre a má gestão da coisa pública, recordo-me sempre desta intervenção da parlamentarmente saudosa Ana Drago, que durante menos tempo do que seria desejável representou efectivamente os portugueses na Assembleia da República e foi entalando uma série de boys e outros fantoches arregimentados como quem tirava doces a crianças. Era inspirador vê-la reduzir produtos de universidades de Verão, do abanamento de bandeiras e de outras formas de parasitismo político-partidário ao absoluto ridículo. Tenho saudades dela e o Parlamento ficou, com a sua saída, indubitavelmente mais fraco.

[Read more…]

Rigorosamente despesistas

Passos Salazar

Foto@A Viagem dos Argonautas

Não sabemos se o compêndio de Pedro Passos Coelho sobre Salazar virá ou não incluído no novo lote de viaturas novinhas em folha que acabamos de adquirir para assessores e outros boys membros da sua equipa. No total, segundo o Correio da Manhã, são 34 viaturas que terão um custo de 18 mil euros por mês. Uma migalhinha no contexto desta crise que nos fustiga, um óptimo exemplo para os portugueses a quem os partidos beneficiários acusaram de viver acima das suas possibilidades. E se há funcionários públicos neste país a viver acima das suas possibilidades, esses funcionários são os políticos da casta.

[Read more…]

Sobre portugueses que vivem acima das suas possibilidades

PS em situação de falência técnica. E viva o rigor socialista!

Congresso milionário da ANMP

Segundo o blogue Má Despesa pública, a Associação Nacional de Municípios Portugueses gastou cerca de 100 mil euros numa reunião de dois dias, no luxuoso Tróia Design Hotel. E vivam o rigor e a responsabilidade! Haja cofres cheios!

FMI baralha e torna a dar

ponto2

O relatório de Outono do FMI, essa samaritana instituição que nos salvou das maleitas do socratismo destrutivo e que nos emprestou umas coroas a troco de uns “ajustamentos” temperados com austeridade em doses industriais, vem agora dizer-nos que o caminho para tirar a economia da crise passa por investimento estatal em infraestruturas públicas. Ou se preferirem, em português neoliberal, despesismo.

[Read more…]

Pela boca morre o peixe…

0

Ver Manuel Pizarro, antigo Secretário de Estado da Saúde no governo do Eng. José Sócrates falar sobre despesismo e de desprezo pelo Porto, é de ir às lágrimas. Ainda por cima, quando o passivo do MS acumulado no tempo desse governo era suficiente para pagar as dívidas de todas as câmaras municipais deste país dos últimos 30 anos…

Sem esquecer, que o governo a que pertenceu Manuel Pizarro foi o mesmo que regulamentou, contrariando normas europeias, de molde a que verbas do QREN fossem parar a Lisboa…

Delikatessen pascais


O Coelho da Páscoa anunciou-nos o “adiamento” do pagamento do 13º e 14º salário para 2015. Desconfia-se que chegada a data, chegar-nos-á um “logo se verá”. Isto é mesmo a terra do nunca.
Também ontem, Mário Soares protagonizou um daqueles episódios em que fez valer pela praxis, o seu pensamento acerca do que devem ser as funções do Estado regulador e das obrigações a assumir pelas imprescindíveis funções dos presidentes passivos em exercício. Pois, pelo que parece, as viaturas do Estado servem para tudo e se ainda nos lembramos daquele acidente ocorrido na Avenida da Liberdade, onde um parlamentar bólide de “trinta mil contos” foi para sucata, agora ficámos a saber que o Estado – quem é esse fulano? – também vai pagar a multa de Mário Soares.
Façam as contas: mais de dezassete milhões anuais para Belém, aos quais se acrescentam viagens, paradas de limusinas de Praga até Barcelona onde espera um Falcon, Comissões celebratórias do Grande Nada, enxames de assessores que aparentemente não aconselham, três passivos no activo e também… multas por excesso de velocidade? Para cúmulo, o oficial da GNR diz que Mário Soares foi “bastante malcriado”. Terá metido “carvalhos e o orifício reprodutor da mãe” na gritaria?
Esta gente enlouqueceu.

Curioso… no Expresso

Eis aquilo que alguns têm andado a dizer há anos e que agora encontra eco, desta vez pela pena de Fernando Madrinha. Hoje mesmo, na sua coluna no Expresso.

O caduco traste “República” – ou melhor, a baderna em que se vegeta – que se cuide.

“Cavas” em grande

É um fartote! Uma viagem até aos colorados e sai-nos uma comitiva destas. Leiam os comentários dos leitores do i, valem mesmo a pena. Realmente, ou melhor dizendo, “presidencialmente”, os famosos sacrífícios são para alguns. Ainda me lembro da chegada de Carlos e Camila a Lisboa. Chovia a cântaros e o casal britânico empunhava os respectivos guarda-chuvas, enquanto os nossos “mandarins” Aníbal e Maria, tinham serviçais que faziam o excelso frete de os proteger da enxurrada. Enfim, coisas da pequeno-burguesa república ainda portuguesa.

Caramba, se pelo menos nesta Cimeira, o homem ousasse dizer um “porque no te callas?!” Impossível, até porque estar calado é o seu “viver habitualmente”, como dantes se usava dizer.

“Falconando” à hora

Na última e quase escabrosa viagem aos Açores, observámos o sempre reservado Prof. Cavaco Silva cair às “mãos de César na vilória às moscas”, mas nem por isso deixando de posar diante diante do Falcon que lhe serviu de taxi. Vendo as coisas como elas são, a ora dos “sacrifícios e coragem para todos”, pouco ou nada tem a ver com Belém. Como se não existisse uma SATA ou uma TAP que transporte as excelências para aquela (ainda) parcela do território nacional, optam sempre por um brinquedo que custa milhares contos à hora? E para os “saltos” inter-ilhas, claro que não  se dispõem a fazê-lo a bordo de um reles  helicóptero da Força Aérea. Típico de gente chique e mal habituada.

Há uns bons anos, a Rainha Isabel II mandou definitivamente atracar o iate Britannia, numa necessária contenção de gastos e adequação aos “novos tempos difíceis para todos”. Nem sequer também valerá a pena perdermos muito com a “forreta” Rainha Sofia, obcecada viajante em low-cost. Por cá, nada se aprendeu ou esqueceu, pois ainda há uns meses e apesar da outra desastrosa visita a Praga – Falcon, limusinas e depois, um C-130 para a “pessoal menor” -, continua-se na mesma.

Quem quer repúblicas que as pague, até dá vontade de dizer, não? Mas atenção, há cada vez menos gente que está “para esse número”.

Cheira a robalo

Um portal por 99 500 Euros já é caro. Feito com uma plataforma open source (ou seja gratuita) e com base num template também gratuito, não é caro: é descaramento.

É ler para crer no Diário2.