O ódio mata

Bruno Pereira, activista brasileiro pelos direitos das comunidades indígenas, e Dom Philips, jornalista britânico ligado a várias publicações de renome, como o Guardian, estão desaparecidos há vários dias.

Os dois encontravam-se na Amazónia, a trabalhar numa investigação que apontava para graves ilegalidades cometidas por madeireiros, garimpeiros e caçadores. Foram ameaçados, continuaram, desapareceram. O mais certo é estarem ambos mortos.

Questionado sobre o sucedido, Jair Bolsonaro apressou-se a colocar em cima da mesa as duas opções que lhe ocorreram: “acidente” ou homicídio. É natural que assim seja. Poucos, como ele, têm sido tão eficazes a promover e propagar o ódio contra qualquer activista que denuncie a sua negligência e os crimes cometidos contra a floresta amazónica. E menos ainda, principalmente na sua posição, têm incentivado à violência contra a comunicação social.

[Read more…]

A Amazónia a arder no fogo do fascismo

A Amazónia continua a arder e o presidente Bolsonaro acusa as ONG ambientalistas de ter ateado os fogos. O mesmo Bolsonaro que colocou uma lobbista do agro-negócio na pasta da agricultura, que acabou com a fiscalização das invasões às reservas indígenas e que permitiu que o desmatamento avançasse sem freio e sem precedentes. O que levou a um aumento desenfreado da poluição para níveis recorde. Confrontado com os factos, Bolsonaro demitiu o presidente do INPE, responsável pelos estudos sobre o desmatamento da Amazónia, e colocou um fantoche seu no lugar. O mesmo aconteceu com a FUNAI. [Read more…]