O ódio mata

Bruno Pereira, activista brasileiro pelos direitos das comunidades indígenas, e Dom Philips, jornalista britânico ligado a várias publicações de renome, como o Guardian, estão desaparecidos há vários dias.

Os dois encontravam-se na Amazónia, a trabalhar numa investigação que apontava para graves ilegalidades cometidas por madeireiros, garimpeiros e caçadores. Foram ameaçados, continuaram, desapareceram. O mais certo é estarem ambos mortos.

Questionado sobre o sucedido, Jair Bolsonaro apressou-se a colocar em cima da mesa as duas opções que lhe ocorreram: “acidente” ou homicídio. É natural que assim seja. Poucos, como ele, têm sido tão eficazes a promover e propagar o ódio contra qualquer activista que denuncie a sua negligência e os crimes cometidos contra a floresta amazónica. E menos ainda, principalmente na sua posição, têm incentivado à violência contra a comunicação social.

Activistas ambientais e dos direitos das minorias tem sido um dos principais alvos da extrema-direita, tal como todo e qualquer jornalista incómodo. Bolsonaro é particularmente bronco e violento contra todos eles. Tal como Trump, Putin ou Orbán. É uma característica comum a todas as facções neofascistas, populistas ou supremacistas. A violência está para eles como o debate e o confronto civilizado de ideias está para os democratas.

As palavras importam. Importaram quando Trump mandou o seu exército de fascistas invadir o Capitólio, quando Putin e construiu a narrativa de uma Ucrânia neo-nazi e quando Orbán foi atrás da imprensa húngara não-alinhada e a destruiu por completo.

E quando Bolsonaro destila o habitual ódio contra jornalistas e activistas, convida os mais extremistas entre os seus apoiantes a partir para a violência. E estes, naturalmente, sentem-se legitimados para a exercer. Ou não tivesse a ideia partido do presidente da República.

Bolsonaro era, até há pouco tempo, visto como um líder como outro qualquer, na óptica de uma certa elite senatorial deste país, como foi o caso de Paulo Portas, que não viu nele nada de alarmante, por altura da sua eleição. Mas não foi o único. Aliás, rara é a vez que a mesma comunicação social que apelida Lula de “extrema-esquerda” se refira a Bolsonaro como sendo de extrema-direita. Arranja-se sempre um eufemismo mais conveniente, como “iliberal” ou até “conservador”, como se Bolsonaro fosse uma Merkel ou um McCain.

O Brasil é hoje governado por uma seita de neofascistas e fundamentalistas religiosos, com um pensamento político e social que se confunde, a espaços, com o dos Taliban ou do regime Saudita. A derrota de Trump enfraqueceu-os, tal como a invasão de Putin, mas continuam a ser uma ameaça ao nosso modo de vida, juntamente com os seus pares europeus, como os aprendizes que temos por cá.

Se o Ocidente se a acomodar e continuar a branquear estes inimigos da democracia, a insistir em falsas equivalências ou em medidas que nos conduzam a desestabilização social, como a recente e incompreensível decisão do BCE em subir as taxas de juro, empurrando milhões para a rua, o tapete estará impecavelmente estendido para a barbárie que Bolsonaro e os seus pares representam. Nada de bom virá daí.

Comments

  1. JgMenos says:

    Já a esquerda e os seus próceres, é só direitos humanos, carinhos para indígenas, estímulos a activistas, luta incansável pela preservação do ambiente!

    Cambada de cínicos que não apresentam um sucesso em governos que dizem ser de esquerda!

    Palhaços que nada sabem e nada querem saber de condições que determinam a governação e a acção possíveis, em que a miséria e a desordem sempre são de direita,

    E se o Bolsonaro é bronco, o que dificilmente é desmentido, a sua eleição deve-se ao bêbado corrupto e chefe de quadrilha que o antecedeu e que a cambada hipócrita aspira a ver de novo no poder.

    • POIS! says:

      Pois, e pelos vistos…

      Afinal, se forem “próceres de esquerda”, a Vosselência já não se colocam hipotéticos problemas de consciência (contando que lhe reste alguma).

      Já podem ser “eutanasiados” à vontade.

    • POIS! says:

      Ora pois!

      E a malta a pensar que a eleição do Bolsoneiro se devia a quem nele votou! Afinal não!

      Consta é que, pelo Menos por agora, o “bêbado corrupto e chefe de quadrilha” (aquilo que o Bolsonaro nunca foi, deixou isso para o motorista e para a restante família) j´é preferido outra vez.

      Talvez porque até o Rato Mickey ganhasse ao Bolsonaro.

      A propósito (já aqui tinha comentado, mas não apareceu): o Bolsoneiro, afinal é “bronco”? Desde quando?

      Estou estarrecido! Vosselência amava-o tanto!

      E qual o grau de bronquidade medido em salazares?

      Por exemplo, o Quarto Pastorinho já passou a meia-dúzia e vai a caminho dos dois dígitos. Quantas esquinas será preciso desguardar para classificar o Bolsoneiro?

    • Paulo Marques says:

      Et tu, Menos?
      Olha, sucessos tinham habitação, educação, contas mais certas, menos corrupção, mais fiscalização, menos mortes extra-judiciais, menos armas a circular.
      Não chega (e boa merda de sistema político), mas é só a esquerda (e falta tanto aos Lulas) que tem obrigação de construir Roma num dia, para que os outros possam vender e meter ao bolso?
      O que queres sei eu, que haja menos propinas a pagar pelas lavandarias.

  2. Paulo Marques says:

    Mas qual ódio? É o capital a tratar dos seus investimentos, não pode estar a terra parada sem produzir nada. Nada? Vá, nada não, mas pode-se vender o oxigénio, a qualidade dos solos, a biodiversidade, e a protecção das doenças que podemos descobrir por a invadir? Então é improductiva, carago!
    Já basta o que fizeram à coitadinha da Áñez…

  3. luis barreiro says:

    Maior vergonha é a Bolívia, no brasil pelo menos colocam as 2 hipóteses.

    • POIS! says:

      Ora pois!

      O “barreiro” a discutir “vergonhas”?

      É o mesmo que pôr um porco a discutir a qualidade do toucinho.

    • Paulo Marques says:

      Malvados, não gostam de golpes de estado sanguinários para pôr o pais a saldo!

  4. António says:

    Até quando uma campanha maciça contra a maldita escumalha, que consegue iludir e seduzir os votantes ingénuos e ignorantes? Malditos Psicopatas que conseguem apossar-se do poder, para sugar, desgraçar e matar gente de BEM !


    • Minta… Minta mais… Minta sempre se isto te dá satisfação.
      Nós, os milhões de Brasileiros que amamos e admiramos o nosso Presidente 🇧🇷 vamos lhe dar a vitória ✌ no 1° Turno
      Quanto mais batem no nosso amado Presidente 🇧🇷 mais ele fica mais forte 💪
      Dia 31 de Julho e *7 de Setembro de 2022, quando iremos comemorar *200 Anos da nossa Independência, milhões de Brasileiros iremos às ruas de todo o Brasil 🇧🇷 para exigir Eleições limpas e transparentes 🗳
      Estarei lá na Paulista (em São Paulo) com milhões de pessoas
      Se não houver fraude (como houve “in USA”) Bolsonaro irá vencer com cerca de 60% a 65% de votos 🗳 em outubro de 2022 🇧🇷👏🏼
      Brasileiros como eu, temos muito orgulho de ter Jair Messias Bolsonaro como Presidente do nosso amado❤ Brasil 🇧🇷

      • João Mendes says:

        Olá Gabinete do ódio, tudo bem?

        Deus odeia fascistas. Vais arder no inferno, sentada na piroca do Belzebu, Lucinha. E suspeito que vais gostar.

        Txau, querida 😘

      • POIS! says:

        Pois Bolsonaro irá ganhar, pois!

        Porque a Providência está com ele!

        Como prova aquele salmo que Flávio Bolsonaro cantou lá no culto da Igreja Universal do Reino do Revólver:

        “Deus nos deu muitos milagres,
        E agora muito mais.
        A cada cinco minutos,
        Choveram muitos mil Reais.

        Quando pedi proteção,
        Prá nossa boa vidinha,
        Logo Ele nos enviou,
        A Sagrada Rachadinha”

      • Paulo Marques says:

        Só 65%? Com tanto amor pelos brasileiros, no mínimo deve ter 650%. É só pôr o exército e as milícias a disparar contra todos que não concordam!
        Mas, quanto a golpes, quantos e quais políticos é que pediram perdões presenciais pelo incitamento à sedição depois da tal eleição roubada, mesmo?

      • Joana Quelhas says:

        O Maio coitado deve estar triste .
        Afinal segundo o Pelado, os dois indivíduos foram mortos a mando dos barões da droga ( na america do sul droga e esquerda são irmãos siameses – ver no google – Foro de São PAulo) . A narrativa já não cola.

        Joana Quelhas

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.