Ontem tivemos Cidadania

Começou ontem a disciplina de Cidadania, com a sua aula semanal de 50 minutos.
Procedemos à eleição do delegado de turma, ou seja, o representante dos alunos. Seguindo o princípio do voto secreto, ganhou o aluno que teve mais votos. A maioria, princípio basilar do sistema democrático.
No final, fizemos uma acta com o resultado e as incidências da votação.
Confirma-se. A disciplina de Cidadania é nociva para a juventude e subverte o papel dos agentes. Então não deviam ser os pais a explicar o que é uma acta e para que serve?
Atenção, muita atenção, o amish de Famalicão is watching you.
Cidadania. O drama, o horror…

O amish de Famalicão marcha para Lisboa

Há um amish em Famalicão que, enquanto encarregado de educação, tomou uma decisão radical: não deixar os seus educandos frequentar uma disciplina OBRIGATÓRIA do ensino básico.
Acho muito bem. Tão bem que decidi seguir-lhe o exemplo. Há uns dias, apanhei uma multa por circular a 130 km/hora na auto-estrada. Não vou pagar a multa. Porque acho que 130 km/hora numa auto-estrada é perfeitamente razoável. E tal como no caso do amish de Famalicão, sou eu que faço a lei e cumpro-a se quiser.
Inicialmente, não percebi o que o incomodava na disciplina de Educação para a Cidadania: É a igualdade de género? É a interculturalidade? É a sexualidade? É a participação democrática? É o bem-estar animal e o ambiente?
Acabei por perceber quando li sobre o assunto. Afinal, este católico radical, membro da Associação Portugueses das Famílias Numerosas, já em 2009 andava a lutar contra a educação sexual nas escolas; pouco depois, andou a recolher asinaturas contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo; tem como advogado João Pacheco de Amorim, do Partido Pró-Vida (hoje integrado no Chega), cabeça de lista do Chega nas Legislativas e irmão de Diogo Pacheco de Amorim, ideólogo desse mesmo Chega; esteve recentemente a manifestar-se na Assembleia da República contra um eventual referendo à morte medicamente assistida; faz parte da Plataforma Resistência Nacional (o nome diz tudo). [Read more…]