Lamento de uma morte anunciada

ggm
Sabíamos que estava para acontecer, mas resistimos à ideia. Não queremos acreditar que a obra está completa, porque a sentimos infinita. Gabriel Garcia Marquez – o jornalista, o escritor, o cidadão integro e corajoso – é uma daquelas presenças que, para muitos de nós, mede a dimensão dos homens bons. E dos grandes artistas. Quem sentiu o arrebatamento da leitura de Cem Anos de Solidão sabe bem o caminho pelo qual se descobrem estas simples evidências. “Ninguém merece as tuas lágrimas, e quem as merecer não te fará chorar”, dizia. Não choremos, pois. Sobre a morte, pensava o escritor que a melhor é a morte por amor. Não sei. Mas sei que se é verdade que a medida de um homem é, não o quanto ele ama, mas o quanto é amado, Gabriel é gigantesco.

Gabriel García Márquez

ggm

Gabriel García Márquez, con un ejemplar de la primera edición de ‘Cien años de soledad’ sobre la cabeza. ©Colita (via El País)

R.I.P.

GGM1

O gramonofe

Pode um gramonofe fazer um post?

Pode uma coisa que não existe dar num post?

A palavra não me sai da cabeça, desde que a vi e li (e reli) pela primeira vez na página 100 (mas que pontaria) de Os Funerais da Mamã Grande (1962) de Gabriel García Márquez, numa tradução de Luís Nazaré e com revisão de Susana Baeta, Dom Quixote.

– Vamos lá, sê honesta com os leitores do Aventar… Sabes muito bem que foi apenas uma troca de letras. A revisora deixou passar «gramofone» não, enganei-me, «gramonofe» por «gramofone»:

Arriscou-se a olhá-la no instante em que dava corda ao gramonofe. (…) Dava corda ao gramofone, mas a sua vida estava fixa nele.

Um autor e o leitor deviam pedir uma indemnização por cada letra fora do seu lugar!

Mais à frente, agora mais atenta às pedras do caminho, outra calinada (página 106): [Read more…]

«Ninguém imagina que vai cair no desemprego»

“Ela confiava nas previsões metereológicas dos calos do senhor Carmichael. (…) O mundo está mal feito – soluçou. Aqueles que a visitaram nesses dias tiveram motivos para pensar que ela tinha perdido a razão. Mas nunca foi tão lúcida como então. (…) se Deus não tivesse descansado no domingo, teria tido tempo para terminar o mundo. -Devia ter aproveitado esse dia para não ficarem tantas coisas mal feitas -dizia. – Ao fim e ao cabo, ficava com toda a eternidade para descansar.”

No meio da minha leitura, por entre linhas e palavras que, não obstante estarem divinalmente (!) escritas  por Gabriel García Márquez, não pude deixar de pensar em Ana, trinta anos, designer gráfica, que não adivinhava, na manifestação de 15 de setembro, que semanas depois iria engrossar a estatística. [Read more…]

Gabriel perdeu-se

É difícil aceitar. Já tinha ouvido qualquer coisa sobre o assunto. Como é possível?

Gabriel García Márquez não voltará a escrever

Um homem que viveu da e pela escrita…

Está vivo mas não escreve. É já a morte

Demência, disse o irmão, «mais um caso na família».

García Márquez perdeu a memória. O que teria escrito ainda?

Os leitores de Gabriel sofrem com ele.

Como eu o admiro.Ainda bem que escreveu, e como o fez, Gabriel. Nos seus livros encontramos a sua memória, a sua inteligência, tudo.

Abraço.

P.S.- Ironia: “A vida não é a que cada um viveu, mas a que recorda e como a recorda para contá-la”, lê-se na primeira página de Viver para contá-la (2002)