O Comboio em Vilar de Rei

comboio-vilar-de-reiNa mais selvagem via férrea portuguesa, anos 40-50. (©?)

Automotora de Fabrico Nacional na Estação de Carviçais


Pequena automotora de fabrico português (pós-II Guerra Mundial) na estação de Carviçais, Linha do Sabor.

O Comboio no Apeadeiro de Moz

Moz, Linha do Sabor, anos 70.

À Entrada da Estação de Torre de Moncorvo

Linha do Sabor, anos 70.

Banda Teorema junto à Linha do Sabor

O comboio que subia do Pocinho passava aqui antes da estação de Torre de Moncorvo.

Estação de Torre de Moncorvo, anos 70

Era assim Torre de Moncorvo (Portugal) em meados dos anos 70. Linha do Sabor.

Estação do Pocinho, 1972

Comboios de via larga e via métrica na estação do Pocinho, por Paul Brysn.

Na Estação de Sendim

Linha do Sabor – Autorail pour Duas-Igrejas à Sendim (km 94) – 11.4.1973 –

Photo J.L. Rochaix

Torre de Moncorvo Estação

Nos primeiros anos da República, a estação de Torre de Moncorvo (Portugal)

Estação do Pocinho

Primeiros momentos da década de 70, no actual terminus da Linha do Douro; à esquerda, duas locomotivas de via larga são abastecidas, à direita, dentro da via métrica, a locomotiva da CP E41 prepara-se para outra viagem até Duas Igrejas-Miranda, ao longo de 105 km num Portugal nos confins do Império.

Estação de Mogadouro (2)

Estação de Mogadouro, anos 40 (?), a cerca de sete km da vila. De quem nunca aqui veio não se pode dizer que conheça Portugal…

Estação de Mogadouro

Estação de Mogadouro, anos 40 (?).Os silos para cereais – os únicos da Linha do Sabor – chegariam nos anos 50.

O Comboio em Torre de Moncorvo – 1973

Na Linha do Sabor (Portugal, ainda que não venha nas notícias).

Estação de Larinho

Um comboio ascendente deixa a estação de Larinho (anos 20/30).

Apeadeiro da Fonte do Prado

Apeadeiro de Fonte do Prado (Carviçais), meados dos anos 70, na mais inusitada Linha portuguesa.