Uma Odisseia que hoje acaba

O melhor que se produziu em todas as televisões portuguesas, departamento de ficção. Sem comparação sequer com a concorrência mais próxima, e que andaria por um Herman muito remoto. Não é para meninos, não é de digestão fácil, também por isso é excelente. Acaba hoje, “suspenso pela RTP” reza o argumento, mas é possível ver todos os episódios.

Deixo-vos com a sequência que até agora mais me encantou, um exercício de representação muito, mas mesmo muito fora, da Carla Maciel e do Gonçalo Waddington:

Odisseia: a televisão sem medo

odisseia-rtpEstreou, ontem, Odisseia, um programa de Bruno Nogueira, Gonçalo Waddington e Tiago Guedes. Estando a televisão portuguesa transformada em telelixo, é natural que evite a mistura entre inteligência, sensibilidade, provocação ou cultura. Nada disso é evitado neste programa, num duplo risco de afrontamento da indústria televisiva e do próprio humor.

Bruno Nogueira é, há alguns anos, um caso sério de humor irreverente e inteligente, mesmo quando desbragado (e o desbragamento é uma manifestação de inteligência, especialmente  numa sociedade em que se pensa que vestir um fato é sinal de seriedade). Por outro lado, fica-se com a impressão de que o rapaz sabe que o humor não pode estar obcecado em ser inteligente, até porque as piadas demasiado inteligentes podem levar tanto tempo a ser compreendidas que uma pessoa arrisca-se a perder a vontade de rir. Para além disso, estamos perante um humorista que parece gostar do risco de chocar e, até, do risco de não fazer rir. [Read more…]