Odisseia: a televisão sem medo

odisseia-rtpEstreou, ontem, Odisseia, um programa de Bruno Nogueira, Gonçalo Waddington e Tiago Guedes. Estando a televisão portuguesa transformada em telelixo, é natural que evite a mistura entre inteligência, sensibilidade, provocação ou cultura. Nada disso é evitado neste programa, num duplo risco de afrontamento da indústria televisiva e do próprio humor.

Bruno Nogueira é, há alguns anos, um caso sério de humor irreverente e inteligente, mesmo quando desbragado (e o desbragamento é uma manifestação de inteligência, especialmente  numa sociedade em que se pensa que vestir um fato é sinal de seriedade). Por outro lado, fica-se com a impressão de que o rapaz sabe que o humor não pode estar obcecado em ser inteligente, até porque as piadas demasiado inteligentes podem levar tanto tempo a ser compreendidas que uma pessoa arrisca-se a perder a vontade de rir. Para além disso, estamos perante um humorista que parece gostar do risco de chocar e, até, do risco de não fazer rir.

Bruno Nogueira sabe, ainda, escolher os parceiros de escrita e de actuação, o que se notou nos Contemporâneos, no genial Último a Sair e continua a verificar-se nas crónicas da TSF (o Tubo de Ensaio, em co-autoria com o perigosíssimo João Quadros).

Escolher um título como Odisseia, iniciar com um pastiche da Ilíada na voz do Miguel Borges (o “rouco” da Vodafone), criar uma personagem deprimida que tem tudo para não ter piada ou inserir bloopers no interior da própria narrativa são alguns dos sinais de gosto pelo risco, num programa que servirá para consolidar o talento de um dos monstros da comédia portuguesa, mesmo que lhe possa vir a valer poucas audiências ou a futura exclusão de uma televisão em vias de privatização que poderá preferir o pior de Portugal sob a forma de gente vulgar que se julga melhor por aparecer nos ecrãs.

Para quem não pôde ver, aí fica o primeiro episódio.

Comments

  1. Luís says:

    Amigo Nabais – gostos não se discutem mas … isto é chato como a potassa!

    • António Fernando Nabais says:

      Caro Luís, os gostos até se podem discutir, penso eu. Impor é que não. Eu gostei muito, como deve ter notado.

  2. Konigvs says:

    Nota de humor foi terem passado o Prós e Contras para o domingo!!! Deve ser para dar ainda mais audiência à SIC e TVI!!! As pessoas chegam a casa, jantam, e têm toda a disposição para ver um debate político sem qualquer interesse no domingo à noite.


  3. ainda bem que gostou e que escreveu este texto.

  4. João Vaz says:

    Vergonhoso o que é feito com o dinheiro dos contribuintes. Recomendo pbs.org para um gostinho do que é verdadeiro serviço público de televisão.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.