Hoje Maria Leal, aqui só para ti

vzieg9lggy2ac

Gosto pouco que me digam o que é sério ou o que não é. O que deve ser publicado num blogue ou o que não deve ser.
E Maria Leal, que descobri ontem graças ao post do Fernando Moreira de Sá, é tão séria como toda essa tropa-fandanga que comanda os destinos do país há décadas. Entretém o pessoal, como os outros, e finge que canta, como os outros fingem que querem saber do país.
Criticam a Maria Leal? Sim, como também criticam o Cristiano Ronaldo. São todos uns invejosos e o Tiago Ginga é o maior deles.
No fundo, Maria Leal é Portugal!.
Só não perdoo uma coisa a Maria Leal: ter adoptado o AO/90. Porque, tirando isso, a novel cantora seria o tributo perfeito da música para o ano de 2016 que está a terminar.

Dialetos de Ternura – Lyrics

Dialetos de ternura

Foram mais que para mim

Onze minutos de história

Interminável e sem fim

Extravagância nos teus olhos

O meu olho pra pintar

Porta fechada numa tela

Sem azul e sem mar

REFRÃO

Ohuô…. Ohuô…..
Hoje Maria Leal aqui, só pra ti (bis)
[Read more…]

Reality Showcrates

Casa dos Sócrates

Bem-vindo à Casa dos Corruptos, o reality show onde o participante não sai da casa, entra. Nesta casa, a voz de comando é o juíz Carlos Alexandre e no lugar de Teresa Guilherme temos o CM e o Sol, que é mais ou menos a mesma coisa. Infelizmente não dá para votar nos corruptos que queremos ver lá dentro. Aqui o esquema consiste em, de vez em quando, apanhar um potencial concorrente que tenha dado mesmo muito nas vistas e metê-lo na casa para a malta se entreter em frente ao ecrã. Só que desta vez apanharam um participante de elevadíssimo potencial polémico e as audiências dispararam como nem a TV 7 Dias podia prever. Tudo pode acontecer, é o show da vida real!

[Read more…]

O AO90 e a Casa dos Segredos

E não é que a senhora até tem razão? Ou já viram algum nome próprio começar por letra pequena? Gozem com os reality shows gozem…

 

 

Pentilhão Nacional

pentilhao-nacional

Odisseia: a televisão sem medo

odisseia-rtpEstreou, ontem, Odisseia, um programa de Bruno Nogueira, Gonçalo Waddington e Tiago Guedes. Estando a televisão portuguesa transformada em telelixo, é natural que evite a mistura entre inteligência, sensibilidade, provocação ou cultura. Nada disso é evitado neste programa, num duplo risco de afrontamento da indústria televisiva e do próprio humor.

Bruno Nogueira é, há alguns anos, um caso sério de humor irreverente e inteligente, mesmo quando desbragado (e o desbragamento é uma manifestação de inteligência, especialmente  numa sociedade em que se pensa que vestir um fato é sinal de seriedade). Por outro lado, fica-se com a impressão de que o rapaz sabe que o humor não pode estar obcecado em ser inteligente, até porque as piadas demasiado inteligentes podem levar tanto tempo a ser compreendidas que uma pessoa arrisca-se a perder a vontade de rir. Para além disso, estamos perante um humorista que parece gostar do risco de chocar e, até, do risco de não fazer rir. [Read more…]

A mama do Estado

“Foi o Estado que pagou as minhas mamas”

Do que o Sporting precisava era de um cabeceador como o Wilson da «Casa dos Segredos»


Soube ontem, durante um jantar de família, que existe uma pessoa chamada Wilson que deu uma cabeçada noutra pessoa chamada Hélio e que, por isso mesmo, foi expulsa da «Casa dos Segredos».  Na verdade, já tinha ouvido falar desse tal Hélio. Lembram-se do «Sai da frente Guedes» que se tornou famoso há uns tempos? Pois bem, ao que parece o cozinheiro até já participa em programas de televisão.
Toda esta conversa sobre a «Casa dos Segredos» decorria enquanto o Sporting jogava contra o Genk e, comme d’habitude, falhava os golos necessários para ganhar o jogo. Não consegui evitar a associação: do que o Sporting precisava era mesmo de um cabeceador como o Wilson. Ainda por cima, o rapaz é treinador de futebol. O Sá Pinto é que não o descobriu a tempo. Era vitória garantida.

Fanny, Passos Coelho e o javali

Fanny é uma das muitas figuras públicas a quem chamam mediáticas. Alcançou esse estatuto ao manter uma distância doentia face a qualquer assomo de inteligência, equiparando-se, portanto, a Passos Coelho, concorrente de uma versão da Casa dos Segredos em que o objectivo é enganar os telespectadores com a colaboração dos restantes elementos da casa. [Read more…]

Não à Fanny no Carnaval de Estarreja!


A população de Estarreja está em polvorosa e desatou a lançar petições na internet. Porque o desemprego cresce no concelho? Porque a terra tresanda?
Não, o bom povo de Estarreja fez valer os seus direitos cívicos porque a Fanny da Casa dos Segredos vai ser a próxima starlet do seu famoso Carnaval. Primeiro apareceu uma petição contra a sua presença, agora apareceu uma a favor. Neste momento, o sim à Fanny no Carnaval vai à frente com 545 signatários, contra 295 apoiantes do não.
Infelizmente para todos eles, estas petições não têm efeitos legais. O Nuno Resende explicou-o bem a propósito de um assunto bem menos sério, a destituição do Presidente da República.

O estripador de Lisboa e a Casa dos Segredos

Não sei se esta notícia terá algum fundo de verdade ou se não passa de especulação mediática feita para vender jornais. Por outro lado, não sou espectador de programas em que fecham uma dúzia de badamecos numa casa e ficamos a espreitar pelo buraco da fechadura a ver se têm relações sexuais entre si, se emagrecem ou não.

No entanto leio jornais e passo os olhos pelos títulos que falam desses exercícios de voyeurismo. Invariavelmente, ou quase, ressalta a estupidez, a falta de pudor, o desprezo pela privacidade, a baixeza de intenções e declarações. Uma coisa que me faz impressão é a disponibilidade desses concorrentes ( e suas famílias ) para a exposição da sua própria parvoíce, ignorância, vileza de sentimentos e falta de cultura, para não falar de outros valores que ultrapassem a vontade de brilho momentâneo, a necessidade de reconhecimento público por via da televisão apesar de, coitados, não haver nada para reconhecer.

Agora os jornais vêm dizer que a PJ terá descoberto o alegado estripador de Lisboa porque o filho queria participar num programa de televisão revelando – não à polícia, a um familiar, etc. – um segredo ao país que se pendura no buraco da fechadura: que o pai seria um assassino. Não é apenas estupidez e ânsia de protagonismo, não é apenas uma carinha laroca enfeitada de primitivismo e roupas de marca. É repulsivo, animalesco e não abona nada a favor da inteligência humana.

Gente Burra

Voz – Diga nomes de países da América do Sul.

Cátia – América do Sul não sei, voz, por acaso não sei.

Voz – Nem um?

Cátia – Hummm… (longa pausa)… áfrica? não sei.

Oh Cátia, qualquer dia acabas o 12º nas novas oportunidades…

Casa dos degredos

Vivemos num país onde é impossível planear, o país eternamente conjuntural, o país em que se fala de “reformas estruturais” não porque se devam fazer e não porque o sejam na verdade, mas porque estamos em crise e a crise é uma “janela de oportunidade”. Somos, afinal, um país em que só se pensa quando está em crise, que é altura em que não é possível pensar, é a altura em que se devia ter pensado.

Depois de dinheiros públicos que uns poucos desperdiçaram e que muitos outros pagarão, aparecem logo ideias para cortar “as gorduras” e repete-se até à exaustão a expressão esvaziada de que “é preciso fazer mais com menos”, sem se dizer que não é só menos, é muito menos, sabendo-se, portanto, que não será possível fazer-se mais. É neste momento que se reafirma a ideia de que a gestão pública é má porque é pública e não porque é simplesmente má ou porque tenha estado e esteja sujeita à corrupção legalizada. De repente, descobre-se que é preciso fundir municípios, fundir escolas, fundir a torto e a direito, num país que está cada vez mais fundido e mal pago, uma nação que é, no fundo, um degredo.

Entretanto, faz-se tudo para que não se debata, porque “não há outra solução” ou porque “este é o único caminho”. Aqui, não se debate. Não se debate porque não estamos em crise, como dizia Sócrates. Não se debate porque estamos em crise, diz Passos Coelho. Portugal continua a ser a pátria em que o cidadão tem o privilégio do voto e o dever do conformismo, uma espécie de testemunha de casamentos que deverá calar-se para sempre, limitando-se a confiar. Este país é, enfim, uma casa dos segredos cujos habitantes devem aceitar manter-se na ignorância, obedecendo cegamente a uma voz.

Teresa Guilherme é directora do JN

A manchete do JN de hoje, dedicada ao comportamento censurável de um médico, é a prova de que Teresa Guilherme assumiu a direcção do jornal, transformado agora numa filial da “Casa dos Segredos”. Não me espantaria que o próximo editorial fosse intitulado “Isso agora não interessa nada”, com a nova directora a explicar de que modo o estômago prescinde da ética, mostrando que um vício privado é mais importante do que qualquer outro assunto.

A ser verdade, o conteúdo da notícia refere-se, evidentemente, a factos graves, mas daí a considerá-lo digno de chamada à primeira página vai a distância entre um tablóide e um jornal. O Correio da Manhã que se cuide.

Casa dos Segredos: Quem foi expulso hoje e quem vai ser nomeado na próxima semana (novas do Portugal pimba)


Júlia Pinheiro, elegante como sempre, estava esfusiante. O seu pequeno ajudante (pequeno? que digo eu? pequeno-grande-ajudante), Pedro Granger, parecia um cangalheiro, fato preto e gravata preta, e entrevistava os pais de um concorrente sobre o namoro com outra concorrente. Os pais tinham os seus 15 minutos de fama, o público aplaudia vigorosamente.
Comecemos pelo princípio. A austeridade chegou cá a casa e corta-se onde se pode. Entre as despesas supérfluas que já foram à vida, conta-se o jantar de Sábado à noite no restaurante, com cinema a seguir, o vinho às refeições e o cafezinho depois das mesmas. Toma-se em casa, tentando não engolir as borras que a velha cafeteira produz.
Agora, foi a TV Cabo. Sempre são 20 euros a menos no final do mês. Resultado: estou reduzido aos 4 canais generalistas. Adeus SIC Notícias, adeus FOX Crime, adeus AXN. As saudades que vou ter do Horatio Caine, do Jethro Gibbs e do Mário Crespo! Hoje, para começar, lá tive de levar com o Júlio Magalhães a apresentar o Telejornal, que incluiu a crónica do professor Marcelo. Em abono da verdade, já não via a TVI desde que a Manuela Moura Guedes deixou de apresentar o Jornal de Sexta.
E como o comando da televisão está avariado, desde que o cão o trincou há uma semana atrás, não me apeteceu levantar-me e lá tive de ficar a ver a TVI durante toda a noite. Foi então que soube da existência de um programa chamado Casa dos Segredos, que me pareceu ser uma espécie de Big Brother.
Digo que parece porque a verdade é que não aguentei muito tempo. Ainda vi a Júlia Pinheiro aos gritos, dizendo que alguém ia ser expulso e falando das próximas noemações, e o cangalheiro a entrevistar os pais de um concorrente. Depois adormeci. Sim, alguém terá sido expulso, mas sinceramente não sei quem foi. E é provável que alguém seja nomeado na próxima semana. Quem? Não faço a mínima ideia.