In memorium

Muitas vezes nos travámos de razões, familiares, políticas, desportivas ou sociais, eu sempre tinha as certezas e dispensava ouvir os teus conselhos, até ao dia em que deixei de ter essa possibilidade. Hoje 19 de Março, assinala-se o dia do pai, passam 10 anos sobre a última vez que este dia significou algo para mim. Por isso escolhi este vídeo, em tua memória, para que outros possam aproveitar e desfrutarem, enquanto puderem…

O governo é um fingidor! (mas não é poeta)

Álvaro Santos Pereira, economista e docente na Simon Fraser University, analisa assim, o PEC:

Sinal mais : As privatizações e previsões económicas realistas!

Sinal menos: Este é um PEC fingidor. Finge-se que o investimento público baixa, mas mentêm-se as parcerias público-privadas. Finge-se que as despesas com o pessoal descem, mas esquece-se que estas têm baixado principalmente porque se transformaram os hospitais em  empresas do Estado. Finge-se que se atacam os problemas estruturais da despesa pública, mas a consolidação orçamental é conseguida sobretudo com o aumento da carga fiscal efectiva e com as receitas das privitizações.

Acima de tudo, este é um PEC que adia mais uma vez a resolução dos problemas estruturais das contas públicas nacionais!

Taxas Multibanco – ganhar a dobrar

Há uma enorme tentação para cobrar taxas pela utilização das caixas do multibanco.

 

Grande parte dos serviços que hoje podemos obter a partir do Multibanco, obrigavam-nos a deslocarmo-nos aos balcões dos bancos onde trabalhavam uma multidão de bancários para prestarem, pessoalmente, esses serviços.

 

Hoje, o que vimos, é que as agências bancárias têm 2 ou 3 pessoas ao balcão porque os clientes raramente recorrem aos serviços da agência .Esta mudança na prestação dos serviços constituiu uma enorme poupança nos custos dos bancos, desde logo no pessoal das agências, na utilização de cheques e outros documentos de apoio às movimentações bancárias, e ainda no pessoal  dos serviços centrais de controlo de contas e clientes.

 

A informática presta hoje todos esses serviços, contribuindo de uma forma muito poderosa para os lucros fabulosos dos bancos.  O cliente deixou de ter uma assistência personalizada para ter uma máquina  que utiliza quando necessário, contribuindo assim, para a enorme redução de custos  das entidades bancárias.

 

O cliente continua, como não pode deixar de ser, a pagar as margens de comercialização e de intermediação bancárias, o que não pode nem deve pagar é uma sobretaxa de um serviço que se não fosse prestado através do Multibanco, seria prestado pelas agências.

Com os custos de pessoal e administrativos inerentes.

 

Tal taxa a ser cobrada, seria mais ums injustiça, porque os bancos já recuperaram os investimentos feitos em informática e na exploração diária, com a redução dos custos de pessoal e administrativos. Passaria a ser o pagamento de um serviço que os bancos sempre prestaram nas agências.

 

E quem ganha um milhão de contos por dia…