O Novo Pastorzinho

Minha Nossa Senhora, isto está complicado, ajudai-me e dai-me mais um ou dois apêndices não segmentados, geralmente flexíveis para resolver de vez estas chatices.

Como sabeis, minha Nossa Senhora, tudo isto não passa de uma cabala contra mim. São tudo mentiras ditas por meia dúzia de garotos!

Vá lá, ajudai-me, safai-me desta que eu prometo não falar mais ao telemóvel.

Ao nascer, o Sol também deveria ser para mim, mas não desta maneira.

O polvo = insaciável cefalópode

Todos nós, quando falamos do polvo, achamos que se trata de um animal com tentáculos e que pouco mais tem. Pois acreditem que estamos bem longe da verdade científico-político-corrupta. Recentes estudos mostram que o polvo tem uma capacidade extraordinária de se adaptar a novas situações, de regenerar partes perdidas do próprio corpo e de atacar pela certa, pacientemente escondido em buracos, até que as presas estejam a jeito.

De preferência presas de menor volume físico, digeríveis pelo seu estômago insaciável e silenciosas mesmo quando estão a ser “devoradas”. O polvo vomita os restos não digeríveis e avança à velocidade dos seus oito braços (octópode), sempre à procura de buracos e de presas. É insaciável, se não for travado não é ele que se trava (ainda não se lhe descobriram travões) pelo que têm que ser as potenciais presas, em conjunto, a defenderem-se .

No fundo do seu buraco (múltiplos, vai mudando, mas nunca abandona totalmente ) quando acossado, esperneia e é mesmo capaz de colocar a falar cada um dos seus tentáculos, capacidade extraordinária e nunca vista noutro animal. Pensou-se (e ainda não há certezas absolutas) que o polvo, em vez de distribuir os seus tentáculos, distribui “clones” de si próprio e que “funcionam” em “rede”, chegando mesmo a contactar uns com os outros para acertar tácticas e estratégias. [Read more…]