O João José

jjc 3

Tomei conhecimento da morte do JJC no Domingo de manhã, através de um “email” que o Ricardo me mandara no Sábado pelas 16h30, e a notícia bateu-me forte. Dizia simplesmente que o JJC tinha falecido durante a noite de Sexta. E uma dor imensa se abateu sobre mim.
O João José foi meu amigo, companheiro e confidente durante alguns anos. Por essa razão fui várias vezes a Coimbra só para falar com ele. Talvez por isso, quando nos afastamos, me doeu tanto. Nunca deixei de ser seu amigo, olhando-o de longe, com um olhar amargo.
O nosso afastamento foi provocado, em primeira instância, pela minha teimosia, e depois pelo seu brilhante e irritante mau feitio, e pela sua obstinação, que o levava a combater com convicção e por vezes com alguma violência, o que sentia ser errado, não aceitando meias medidas.
Estive com ele, pela última vez, este ano, no almoço de aniversário do Aventar (tínhamos sido dos primeiros que o Ricardo convidara para lá escrevermos). Teimosos, ele e eu, mal nos falámos. Durante o “nosso” período de afastamento, trocávamos mensagens através do telemóvel na passagem de ano. E nos dois últimos anos, ficamo-nos por aí. [Read more…]

De volta em volta pelo Porto 1

Dei por mim a revisitar a minha cidade a meio deste Verão, no calor de Julho e de Agosto. Tenho o privilégio de sempre ter vivido na parte ocidental do Porto, junto ao mar e ao Parque da Cidade, onde passei a fazer toda a minha vida desde há seis anos, espraiando-me também pela orla marítima, para norte e para sul, e pela fluvial, e deixei quase por completo de ir ao centro, o que acentuou esta minha necessidade de revisita.

Comecei pela “nova” baixa, mas não me fiquei por lá.

As antigas ruas do centro, velhas cinzentas e despidas de interesse, mesmo as mais comerciais que sempre tiveram vida própria, embora que só durante o horário de funcionamento do comércio ou dos serviços, ganharam vida nova. Por todo o lado florescem  bares, restaurantes, esplanadas e até uma nova praça, e milhares de turistas, aos pares ou aos magotes, cirandam por ali, dando um colorido e uma alegria que eu só vira nas cidades modernas e evoluídas. Os autocarros turísticos, descapotáveis e apinhados de gente, polvilham a cidade com o seu colorido.  [Read more…]

Nunca fiz greve e dizem que sou da direita

Quando aconteceu o 25 de Abril, eu era quase um puto. Ou melhor, tinha acabado de deixar de o ser, já que tinha quase 22 anos. Nos dia de hoje seria homem e com capacidade para votar e influenciar a vida das outras pessoas há já quase quatro anos, mas na altura não era assim. Naqueles dias deixei de ser um puto porreiro e amigo das pessoas, preocupado com o bem estar dos que eu conhecia e dos que, sem conhecer ouvia falar, e passei a ser, por via da minha simpatia confessa (naquela altura) pelo PPD acabado de criar, um gajo da direita, por vezes até um fascista. E vivi assim até aos dias de hoje, ouvindo pareceres sobre a minha pessoa, ora bons ora maus, apesar das minhas simpatias não mais terem tido nome. Mas as minhas antipatias sempre o tiveram, apesar da condescendência para com elas que sempre me prezei de ter!

Na minha meninice e na minha juventude (fazia parte dos meninos beneficiados pela sorte por pertencer a uma posição social média e com estudos), a educação que me deram os meus pais, os meus tios e os meus avós, baseou-se sempre no imenso respeito pela maneira de viver dos outros, em especial pelos que menos tinham, no imenso respeito pelas ideias alheias, mesmo que fossem completamente diversas das minhas, no cuidado extremo na forma de falar e no que dizer, por forma a não ofender fosse quem fosse, fosse de que maneira fosse, na solidariedade e na entreajuda. À minha custa, aprendi nos primeiros anos de adulto, que muitos outros não tinham sido educados da mesma forma. Ao longo destes já muitos anos que levo de vida fui batalhando contra essa minha ingenuidade intrínseca, confesso que sem muito proveito. [Read more…]

Sente-se Aqui no meu Colo, Mamã

velhinhaSENTE-SE AQUI NO MEU COLO, MAMÃ

“sente-se aqui no meu colo, mamã, hoje faço anos”

Suavemente assim o fez. Quase não a senti. A minha mamã está tão levezinha, tão sem ser, tão quase nada. Encosto a minha mão, espalmada, na sua cara, sobre a face e a orelha esquerda

“que bom! – disse”

Que bom, pensei enquanto a cabeça da minha mamã se inclinava para o lado da minha mão e ma prendia de encontro ao seu ombro. Já há muito tempo que me não fazia isso

“que bom” – disse eu”

E beijei-a na testa, e encostei a minha testa à dela, e fiz movimentos de carinho com os dedos da minha mão direita. A minha mamã fez mais força com a cabeça, prendendo ainda mais a minha mão de encontro a ela, e sorriu.

Há muito tempo que a não via sorrir, ou falar, ou sequer reagir a um qualquer estímulo que eu lhe desse. A doença tinha-a comido e da minha mamã pouco restava. Qualquer dia nada sobraria mesmo, só a lembrança e a saudade.

“sente-se aqui no meu colo, mamã”

E a minha mamã sentou-se, quase sem que eu a sentisse de tão levezinha que estava. E ali ficamos os dois, um bom bocado, a apreciar o calor que transmitíamos um ao outro.

E eu sorrindo

“até amanhã, mamã”

e ela também com um leve sorriso nos lábios

“até amanhã, meu filho”

(Como Se Fora Um Conto)

 

Um milhão onde não cabem 300 mil

?????????????????????????????????2 de Março de 2013

Não fui, nem nunca iria a uma manifestação como esta que se verificou ontem, apesar de saber que poucas coisas, nos dias de hoje, andam razoavelmente bem no nosso País. Não encontro nos organizadores e apoiantes, no slogan simplista “que se lixe a troika”, e no entoar da “Grândola” em tudo quanto é canto e esquina ou acontecimento político em que intervenham ministros, qualquer vislumbre de pensamento positivo ou de propostas alternativas que sejam viáveis.

No entanto, este 2 de Março foi um marco, um aviso sério, um grito lancinante, feitos do desespero de alguns (muitos) e do oportunismo de muitos (demasiados).

Neste 2 de Março as gentes vieram para a rua não só para gritar contra a troica, não só para gritar contra Gaspar ou Álvaro, mas especialmente para avisar seriamente Passos Coelho do desespero que as consome.

Neste 2 de Março, o governo, melhor dito, o nosso Primeiro Ministro, tem de perceber que o povo está descontente, que não foi neste Gaspar duro e aparentemente insensível  que o povo votou e que o desespero pode provocar um ainda maior descalabro social. [Read more…]

Não há Dinheiro para o Pão

Mas poderá haver para a diversão, se for de cariz erótico (artísticos), porque se não… não!

Salvar-se-ão por aí outros espectáculos?

E a Licença Parental, como vai ser?

Assunção Cristas está grávida!

Vamos ter uma remodelação no governo por causa da super-ministra?

%d bloggers like this: