A Cómoda

Há um erro gigantesco e utilíssimo que todos aprendemos na escola, erro esse que teve e tem a função de nos ajudar a ver o mundo como uma cómoda de quarto, cheia de gavetas.

Uma das gavetas é para as peúgas, outra para as camisolas, outra para as ceroulas, e por aí adiante. As pessoas que percebem desses assuntos chamam-lhe “especialização”, arte que consiste em compartimentar, o mais possível, a realidade, de maneira a fazer dela uma espécie de trama infinita, e infinitesimal, infinitamente segmentada, infinitamente dividida em realidades sempre mais pequenas, micro-gavetas da velha cómoda onde se guardam fibras microscópicas das peúgas, cuja utilidade temos esperança de vir a descobrir.

Este erro gigantesco e utilíssimo é o que vem a constituir o fundamento, a estrutura, não apenas da nossa cosmovisão – uma cómoda do tamanho do Universo -, mas de coisas bem mais terrenas, como a nossa organização social, as nossas teorias do conhecimento, a base doutrinal comum a todas as ciências, a todas as artes e até – daí a sua utilidade – do governo dos países e do mundo.

[Read more…]

No ventre da baleia

Uma vez meteram-me num aparelho de ressonância magnética para procurar uma doença que eu tinha medo de ter e afinal não tinha. Fui sozinha, vou sempre sozinha para as coisas difíceis, por feitio e por hábito de não estar acompanhada. Mandaram-me tirar a roupa e vestir um fato do hospital, depois sair para o corredor e esperar que me chamassem. As salas eram azuladas e nuas, as pessoas passavam por mim e não me viam, todas as portas tinham avisos de acesso proibido, luzes que se acendiam e apagavam. Uma central nuclear não deve ser muito diferente.

Encolhi vários centímetros e sentei-me, muito me custou trepar, na cadeira do corredor, com os pés a balouçar, e aquele sorriso falso que eu ponho quando estou cheia de medo, e só não sacudi muitas vezes o cabelo para trás, como também faço quando estou cheia de medo, porque me tinham mandado pôr uma touca. Veio uma enfermeira entregar-me um questionário, saber das minhas possíveis doenças, operações, se eu tinha próteses, parafusos, pacemakers, piercings, tatuagens. Eu não tinha nada. Ela ficou contente comigo, por eu não ter nada dessas coisas que nos complicariam a vida às duas, e disse-me que a seguir era eu, só tinha de esperar mais um bocadinho.  [Read more…]

Ele Nem Tudo é Sinapses

SinapseOs filhos da puta dos cientistas estão sempre a surpreender-nos, não fosse, com esta idade e experiência, sabermos que muitos dos postulados que os media veiculam a partir de estudos, análises e conclusões, do género o vinho tinto contém antioxidantes [comprem mais vinho] ou que o café previne Alzheimer [passem a consumir café], não cumprissem um princípio de meias-verdades acoplado ao espevitar do consumo precisamente daquilo, normalmente alimentos, que a ciência elogie.

Agora dizem-nos que aos 27 anos de idade, sendo ainda jovem, na verdade o nosso cérebro começa a sua inexorável decadência. Quase aposto que temos neurónios e sinapses na língua de carne, na pele, no pénis, devido ao bom uso que deles fazemos, mas a ciência está aí para nos recordar que os neurónios vêem as conexões entre eles a piorar precisamente a partir dessa idade, matando em cada qual quer a inteligência espacial, quer a capacidade de desenhar objectos e visualizá-los mentalmente, quer o raciocínio, quer a memória os quais, na verdade, vão decaindo. [Read more…]

A ponte

(Adão Cruz) 

   O Homem é um ser uno e indivisível, muito complexo. Ele é, no entanto, composto por uma infinidade de sub – unidades, todas elas intimamente ligadas entre si. A mais importante de todas, se assim podemos dizer, a unidade soberana, é o cérebro. Este órgão, bem guardado numa caixa óssea, feita da substância mais dura do corpo humano, é constituído por cerca de cem biliões de neurónios em permanente actividade, através dos quais se processam em cada momento, provavelmente, triliões de neuro – transmissões. O nosso esquema cerebral é idêntico em todos nós mas o conteúdo de cada cérebro é totalmente diferente. [Read more…]

Desperdício

 Buenos Aires gera muito desperdício Buenos Aires gera muito desperdício

 O desperdício.

Ele é a faixa mais larga de todo o acontecer no universo.

E na vida.

Que mundo incrível se perdeu com as pessoas que se não cumpriram, que fração enorme do cérebro ficou sem aplicação.

E numa simples vida, que gasto enorme no comer e no dormir.

(…) nessa desproporção alucinante entre o que se desperdiça e o que se aproveita, o homem cria o espaço para ser maior que o universo.

                                                      (Vergílio Ferreira, Pensar)

A propósito do comentário do amigo Prof. Raul Iturra

 

Amigo Raul Iturra, em primeiro lugar, as melhoras da sua gripe.
Em segundo lugar queria dizer-lhe que nos encontramos em campos opostos, no que respeita ao entendimento das emoções e dos sentimentos. Desta forma, é sensato não querermos ter a pretensão de nos convencermos um ao outro. Mas é saudável, sob todos os pontos de vista, dialogarmos sobre tão cativante tema. Assim sendo, gostaria de lhe dizer que a biologia do espírito é um conceito muito actual, praticamente irreversível, e cada vez mais aceite por, praticamente, todos os neurobiologistas contemporâneos. O facto de se usar a palavra espírito, não significa que a ciência tenha necessidade dela, mas utiliza-a, exclusivamente, como contraponto ao raciocínio.

A ciência não procura controvérsias, mas apenas tentar com toda a seriedade e honestidade explicar os fenómenos da vida, como é seu dever natural e seu objectivo incontestável. Todos sabemos que hoje, na vida, tudo se processa á base dos conhecimentos científicos, desde o lavar dos dentes às viagens interplanetárias. E ninguém contesta. Este conceito de biologia do espírito, ao contrário do que o meu amigo diz, em nada afecta a natureza das emoções e dos sentimentos, totalmente diferentes, umas e outros, em cada pessoa. [Read more…]

Umas papas de sarrabulho!

Num pequenino restaurante do Porto, onde se comem, a meu ver, as melhores papas de sarrabulho, estava eu deliciando-me com uma tigelinha das ditas. Ao meu lado esquerdo, de pé e encostados ao balcão, encontravam-se dois homens com aspecto de imigrantes ucranianos, bebericando cada um o seu copo de vinho tinto.

Quando viram as minhas papas fumegantes, um deles perguntou ao dono do restaurante quanto custava uma malga de papas. Um euro e meio, respondeu o patrão. O homem contou os trocos na palma da mão, encolheu os ombros e meteu os trocos no bolso. [Read more…]

O polvo = insaciável cefalópode

Todos nós, quando falamos do polvo, achamos que se trata de um animal com tentáculos e que pouco mais tem. Pois acreditem que estamos bem longe da verdade científico-político-corrupta. Recentes estudos mostram que o polvo tem uma capacidade extraordinária de se adaptar a novas situações, de regenerar partes perdidas do próprio corpo e de atacar pela certa, pacientemente escondido em buracos, até que as presas estejam a jeito.

De preferência presas de menor volume físico, digeríveis pelo seu estômago insaciável e silenciosas mesmo quando estão a ser “devoradas”. O polvo vomita os restos não digeríveis e avança à velocidade dos seus oito braços (octópode), sempre à procura de buracos e de presas. É insaciável, se não for travado não é ele que se trava (ainda não se lhe descobriram travões) pelo que têm que ser as potenciais presas, em conjunto, a defenderem-se .

No fundo do seu buraco (múltiplos, vai mudando, mas nunca abandona totalmente ) quando acossado, esperneia e é mesmo capaz de colocar a falar cada um dos seus tentáculos, capacidade extraordinária e nunca vista noutro animal. Pensou-se (e ainda não há certezas absolutas) que o polvo, em vez de distribuir os seus tentáculos, distribui “clones” de si próprio e que “funcionam” em “rede”, chegando mesmo a contactar uns com os outros para acertar tácticas e estratégias. [Read more…]