Ode, mira este Portugal

O que me diz toda esta polémica com o caso de Odemira? Que é o Portugal de sempre. O Portugal que assusta qualquer um que o “mire” de fora.

Num breve resumo: temos um empreendimento turístico que concorre de forma desleal com muitos outros na região. Cujo investimento foi feito com batota, ou seja, com empréstimos a fundo mais que perdido ou a fundo de amigo, via BES. Temos explorações agrícolas que concorrem de forma desleal utilizando mão de obra escrava. Temos um Estado que faz de conta que não vê nada. Reguladores que não regulam nada. Autarquias que não se preocupam com nada. E depois, quando a coisa dá para o torto temos o tradicional “não sabia”.

Reparem, o Senhor Zé tem uma exploração agrícola onde paga aos seus trabalhadores cumprindo integralmente as leis do trabalho a concorrer com o Zé S.A. que escraviza os seus trabalhadores. E vão os dois vender ao mercado em pé de igualdade e, claro, o Zé da S.A. consegue ter preços mais baixos que o Senhor Zé. Agora é substituir a exploração agrícola pelo restaurante, pela loja de roupa, pela mercearia e passar de Odemira para Lisboa, Porto, Braga, Vila Real e por ai fora. O mesmo se diga no tocante a “resorts” e o pequeno investidor que criou um turismo de habitação ou um Hostel. Quando vemos e lemos a “engenharia” financeira na base da criação do ZMar é todo um Portugal dos pequeninos, do amiguismo, das velhas famílias, dos chegados ao Terreiro do Paço. O BES empresta sem as garantias que exige ao comum dos mortais. As autoridades fazem de conta e deixam construir onde não é permitido ao comum dos mortais e quanto a impostos, vou ali e já venho. Ora, isto não é liberalismo económico. Nem se pode chamar a isto capitalismo selvagem. É pior, é crime sem castigo. É Portugal.

Ora, eu gostava de ver a Iniciativa Liberal a falar a sério sobre isto. A explicar que esta merda não é liberalismo, que esta merda nem capitalismo é. E sim, sou mais exigente com a IL do que com os outros nesta matéria. Porque dos outros já não espero nada. Trabalho escravo, violação das regras da concorrência, abuso de poder é o resumo do que se passa por estes dias nas notícias.

É Odemira a ser o espelho de Portugal.

Grupo Tecnovia recruta escravo

escravatura_branca
Camilo Queiroz

É mais um caso de escravatura branca mas sem aquela irritante desculpa de que se trata de “estágio académico” e que os estudantes até deveriam agradecer a sodomia a que os submetem. Diz assim o anúncio:
“O Grupo Tecnovia, fundado em 1973, opera em três continentes, gera um volume de negócios anual de 330 milhões de euros. (…)
Procuramos, para realização de um estágio não remunerado que se dividirá em 2 fases: Portugal e Angola“.
Os candidatos ao estupro podem enviar a sua candidatura para recursos.humanos@tecnovia.pt. Levem vaselina com fartura.
tecnovia_escravatura

Trabalho Escravo em Almeirim

procura-se-escravo
“Procura-se casal ou pessoa só para viver em propriedade agrícola na zona de Santarém,
sem ordenado.

PRETENDE-SE:
– Mais de 50 anos;
– Gosto pela vida no campo;
– Transporte próprio;
– Capacidade para tratar e manter a propriedade na ausência dos seus proprietários.
OFERECE-SE:
– Casa mobilada (1 quarto);
– Despesas de água, luz e Tv Cabo;
– Terreno para pequeno cultivo e criação de pequenos animais.[Read more…]

Esta gente podia

ser menos exploradora?

Podia, mas não era a mesma coisa!

E se os papás da linha de Cascais não pagassem o infantário?

“não temos budget para nada”

trabalho-escravo

Procura-se “jornalista m/f” para trabalho escravo.
Os interessados podem ser sodomizados aqui.

Farmácia Recruta Escravos

ou servos, dá igual.