Os ‘trolls’ estão a ganhar a batalha

Hoje, lembrei-me dos ataques e do estudo. Porquê? Por causa deste artigo de Ellen Pao.

“Trolls just want to have fun”

Sim, os ‘trolls‘. Como as ‘girls‘, na canção da Cindy Lauper. Agora, há um estudo.

Declaro aberta a caça ao troll

O Parlamento Europeu decidiu investir 2,5 milhões de euros numa campanha de propaganda para infiltrar “trolls”.

Do debate

Um artigo sobre uma discussão que me passou ao lado mas que trago aqui pela caracterização feita quanto à forma de debate que volta e meia se encontra. É nesses debates onde se vê, ou melhor, onde não se vê, a capacidade de discordar mas reconhecendo o direito de opinião diferente que se revela quem é democrata de palavra vã ou de actos realmente praticados. É nessas trocas de picardias onde se cai ou não na tentativa de descredibilizar o adversário pelo insulto que se constata estar ou não perante um simples censor. É em se procurar simular ter o apoio de uma multidão recorrendo aos conhecidos truques da navegação anónima que facilmente se identifica o troll.

A seguir, “Órfãos da guerra civil”, Pedro Lomba, Público, 4 Setembro 2012

[Read more…]

Sou um democrata

Sou um democrata. Daqueles a sério. Defendo eleições, sou a favor de manifestações e protestos, desde que não violentas, sou totalmente a favor da liberdade de expressão, mesmo daqueles que a utilizam para defender a sua proibição. 

 

Por ser um democrata, resisti a eliminar muitos dos comentários publicados por algumas personagens neste blogue. A tentação foi grande, reconheço, mas a liberdade de expressão ganhou o braço de ferro. No entanto, tudo o que é demais é moléstia, já dizia a minha avó.

 

Antes do nascimento do Aventar já os conhecia, os trolls. São seres necessitados de atenção e reconhecimento que povoam as áreas de comentários de jornais, sites de informação e, sobretudo, os blogues. Com destaque para os colectivos e generalistas. É uma festa. Utilizam de tudo. Desde argumentos abaixo do pensamento de cágado até palavreado agressivo, dando azo a algumas frustrações recalcadas, gritam, insultam e fazem uso do calão por tudo e por nada. Mais por nada que por tudo. Se lhes derem espaço vão cada vez mais longe, assumindo uma postura histriónica.

 

Enfim, os trolls e congéneres podem até animar um blogue mas só até certo ponto. Como tudo o que é demais é moléstia, quando ultrapassam os limites do mais do que o suportável, é preferível passarmos sem eles.