Mário Cruz

Mário Cruz com o primeiro lugar na categoria "Assuntos Contemporâneos"

Mário Cruz, primeiro lugar na categoria “Assuntos Contemporâneos” / World Press Photo

Esperança por uma nova vida

Warren Richardson, prémio World Press Photo

Foto do Ano de 2013 (World Press Photo)

Out of Africa

Signal

© John Stanmeyer (Fontes: National GeographicWorld Press Photo)

Terramoto do Haiti: As imagens duras e frias merecem mais que um simples juízo de valor?

No Bitaites, o seu autor, Marco Santos, coloca “A velha discussão entre jornalismo e pornografia” em debate. Por causa de uma fotografia. Em causa, a ética e a moralidade de publicação de uma imagem dura, cruel, que ali é apelidade de pornográfica. É uma velha questão, de facto. Deve a imagem de Olivier Laban-Mattei, que venceu na categoria General News Stories, do World Press Photo, ser mostrada, seja onde for, num jornal, numa revista, num site, numa exposição? A fotografia foi tirada a 15 de Janeiro do ano passado, num dia normal das prolongadas operações de limpeza que se seguiram ao terramoto no Haiti.

Todos nós vimos imagens de momentos únicos de salvamentos no pós catástrofe no Haiti. Daqueles que nos fazem encolher o peito, embargar a voz e humedecer os olhos. Eram momentos felizes. Dos escombros saiam vidas, depois de horas, dias e até uma semana em suspenso. Gostamos dessas imagens. Proporcionam esperança. Sabemos que há milhares de mortos mas é nestas que obtemos mais uma recarga de humanidade.

Por isso, é tão duro olhar para a imagem do homem que efectua limpezas na morgue do repleto hospital central de Port-au-Prince. Ali, parece não haver humanidade.

Um corpo de uma criança voa em direcção a uma pilha onde já há outros cadáveres. Há um despejar literal, como se fosse um pedaço de madeira. Como se fosse nada. O nosso espanto é ainda maior porque se trata de uma criança.

olivier-laban-mattei_wpp

Crédito: Olivier Laban-Mattei, França, Agence France-Presse

[Read more…]

World Press Photo: Mais uma vez não percebi…

Acho que é o terceiro ano consecutivo em que tenho dificuldade em entender a escolha da fotografia vencedora do World Press Photo, o mais importante prémio mundial de fotojornalismo.

wpp-vencedor2010

Este ano ganhou uma imagem do fotógrafo italiano freelancer, Pietro Masturzo. A imagem, captada no Irão, mostra uma mulher a gritar do alto de uma casa e foi feita quando dos protestos originados pela reeleição do presidente iraniano.

O júri diz que “além de ser bela, capta a tensão e a emoção do momento em que os protestos começaram a intensificar-se. A imagem mostra o começo de algo, o começo de uma grande história. Isso passa uma perspetiva e informações importantes, tanto visual como emocionalmente”, refere o presidente do júri, Ayperi Karabuda Eser no comunicado hoje divulgado.

Sim, percebido. Até pode ser mas não me convence. Se a ideia era distinguir algo relacionado com o Irão, havia muitas outras opções. Aliás, entre as mais de 100 mil imagens colocadas a concurso tenho a certeza de que havia fotos mais relevantes do ponto de vista informativo e perante as quais seria possível apresentar o mesmo nível de justificação. Basta ver outras imagens premiadas e será possível encontrar melhores imagens. Claro que estas coisas são sempre subjectivas e que avaliar fotografias jornalísticas não é um concurso de beleza e de estética. Sei tudo isso, mas sei também que não vejo na imagem o carimbo de vencedora da melhor fotografia jornalística do ano passado.

Fiquei mais uma vez surpreendido, pois. Mas não fui o único. Fosse sincero ou apenas sinal de falsa modéstia, o próprio fotógrafo italiano ficou espantado: “Nem acredito que venci. Nunca pensei que fosse possível um freelancer ganhar o prémio máximo”, disse Pietro Masturzo à Associated Press.

Foram apresentadas 101.960 imagens de 5.847 profissionais de 128 países.

World Press Photo – o arquivo

World press photo of the year 2003 A partir de hoje está disponível online um arquivo com cerca de dez mil imagens do World Press Photo. O melhor do fotojornalismo desde 1955, ano em que esta organização começou a atribuir prémios às melhores fotografias publicadas na imprensa de todo o mundo. Boa parte das fotos vencedoras de cada ano são, infelizmente, retratos do horror em distintas latitudes, testemunhos arrepiantes da história da humanidade ao longo das últimas décadas.  E este é também o valor, para além da qualidade técnica e artística, deste arquivo.