World Press Photo: Mais uma vez não percebi…

Acho que é o terceiro ano consecutivo em que tenho dificuldade em entender a escolha da fotografia vencedora do World Press Photo, o mais importante prémio mundial de fotojornalismo.

wpp-vencedor2010

Este ano ganhou uma imagem do fotógrafo italiano freelancer, Pietro Masturzo. A imagem, captada no Irão, mostra uma mulher a gritar do alto de uma casa e foi feita quando dos protestos originados pela reeleição do presidente iraniano.

O júri diz que “além de ser bela, capta a tensão e a emoção do momento em que os protestos começaram a intensificar-se. A imagem mostra o começo de algo, o começo de uma grande história. Isso passa uma perspetiva e informações importantes, tanto visual como emocionalmente”, refere o presidente do júri, Ayperi Karabuda Eser no comunicado hoje divulgado.

Sim, percebido. Até pode ser mas não me convence. Se a ideia era distinguir algo relacionado com o Irão, havia muitas outras opções. Aliás, entre as mais de 100 mil imagens colocadas a concurso tenho a certeza de que havia fotos mais relevantes do ponto de vista informativo e perante as quais seria possível apresentar o mesmo nível de justificação. Basta ver outras imagens premiadas e será possível encontrar melhores imagens. Claro que estas coisas são sempre subjectivas e que avaliar fotografias jornalísticas não é um concurso de beleza e de estética. Sei tudo isso, mas sei também que não vejo na imagem o carimbo de vencedora da melhor fotografia jornalística do ano passado.

Fiquei mais uma vez surpreendido, pois. Mas não fui o único. Fosse sincero ou apenas sinal de falsa modéstia, o próprio fotógrafo italiano ficou espantado: “Nem acredito que venci. Nunca pensei que fosse possível um freelancer ganhar o prémio máximo”, disse Pietro Masturzo à Associated Press.

Foram apresentadas 101.960 imagens de 5.847 profissionais de 128 países.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.