Mário Soares, uma vida entre multidões

Luta contra a ditadura, preso várias vezes pela PIDE, duas vezes Primeiro-Ministro, duas vezes Presidente da República.

Descobri recentemente que há uma multidão que lhe tem um ódio de morte. Acusam-me de corrupção, de ter estragado a vida aos que viviam em Africa e até ter ter morto Sá Carneiro (*). Não sei se estes boatos têm fundamento ou não. Mas sei que nasci durante a ditadura e agora vivo em democracia e que isso se deve a pessoas como Mário Soares. E sei, também, que viveu sem aparecer ligado aos grandes escândalos financeiros que afundaram o país, desde os fundos comunitários, ao BPN, BPP, BANIF e BES – contrariamente a muitos daqueles que agora o acusam.

Também o acusam de ter levado o país à bancarrota por duas vezes. E, no entanto, escondem que a direita fazia parte de ambos os governos. No primeiro resgate, em 1977, o governo era liderado por Mário Soares e contava com Carlos Mota como Ministro do Comércio e Turismo. O segundo resgate, em 1983, existia um governo de bloco central PS-CDS, tendo Mário Soares Primeiro-Ministro e Rui Machete como Vice-Primeiro-Ministro. Este exemplo de manipulação serve-me para ilustrar que é sensato não opinar sem se ter alguma informação fidedigna. Por isso, sem entrar em idolatrias, agradeço a Mário Soares por aquilo que é inquestionável. Viveu entre multidões, o que contribuiu para a nossa liberdade individual.

(*) Sim,  foi partilhado no grupo “PSD – Distrital de Lisboa” uma acusação envolvendo Soares no atentado que vitimou Soares Carneiro, entre outros mimos. No grupo existem deputados à Assembleia da República e de assembleias municipais, funcionários do partido, dirigentes da jota, etc.,

Entre os deputados constam Sergio Azevedo, Duarte Marques, José Cesário, Pedro Alves, Odete Silva, Cristóvão Simão Ribeiro, Sandra Pereira.

Será que estas pessoas concordam com as polémicas publicações do grupo? Ao manterem-se ligadas a este grupo não estarão a dar cobertura a mensagens de ódio indignas de um partido democrático e civilizado?

Comments

  1. Paulo Só says:

    Quem viveu o salazarismo sabe o que Mário Soares, e alguns outros como ele, representaram. Ao longo de 45 anos de luta nunca deixaram de acreditar que Portugal poderia ser um país europeu, em que as crianças vingassem, não fossem à escola descalças, e não se morresse de miséria aos 60 anos. Bem ou mal as mulheres e os homens dessa geração nos trouxeram até aqui. Venceram o atraso e a mesquinhez. Por isso lhe prestaremos homenagem, esperando que as novas gerações não esqueçam do valor da liberdade.


  2. Morreu hoje um homem que lutou pela nossa liberdade. Que descanse em Paz.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.