God Bless Us

Celebridades como Robert De Niro ou Michael Moore discursam agora num protesto anti-trump ao pé da Trump Tower em Nova Iorque. Aqui, em directo, na página de facebook da CNN.

Fernando Ultrarico tem razão.

image
Os contribuintes continuam a pagar os custos da banca.

Abelardo contra o futebol moderno

A semana futebolística trouxe-nos alguns momentos de destaque. A derrota caseira do Real Madrid contra o Celta na 1ª mão dos quartos-de-final da Copa del Rey, desfecho que irá obrigar decerto Cristiano Ronaldo a horas extras na próxima semana no jogo do quentinho Balaidos, as declarações de Gerard Piqué sobre a arbitragem espanhola (na primeira vez em anos em que o Barcelona passa de beneficiado a prejudicado), a situação frágil de Pep Guardiola em Manchester numa altura em que a 10 pontos da liderança, depois de uma goleada por 4-0 frente aos toffies de Ronald Koeman, goleada essa que teve tanto de injusta para os citizens (pelo que a equipa de Guardiola fez no 1º tempo) como de justa para a formidável exibição e equipa, diga-se, que o holandês ostenta no Goodison Park (contam-se pelos dedos as futuras vedetas do futebol mundial que os toffies irão vender no próximo defeso) levou o espanhol a declarar a falência técnica nesta temporada com afirmações que vão de encontro aquilo que já se previa: quando se tem uma equipa de rock and roll como é o caso da equipa do City não se pode nem se deve querer ser aquele DJ que fica estagnado nas passagens entre tangos.
Contudo, venho aqui falar do despedimento de Abelardo do comando do modesto Sporting de Gijón, o denominado Sporting do outro lado da fronteira.
[Read more…]

Have ye no mannes herte, and han a berd?

01icarus

Pieter Bruegel de Oude De val van Icarus (c. 1558), Koninklijke Musea voor Schone Kunsten van België, Brussel (http://bit.ly/2k4kara)

For Seint Paul seith that al that writen is,
To oure doctrine it is ywrite, ywis

Chaucer

***

dre1912017a

Chorando se foi…


Dancei-a no Penha Porto, tantas vezes, nos braços de uma rapariga! Quantos de nós não a dançaram? Morreu hoje. A voz da Lambada.

A subida dos juros da dívida explicados às crianças

g

Para sabermos se as taxas de juro da dívida pública portuguesa estão a subir ou descer não precisamos de seguir as informações financeiras – basta consultar as redes sociais. Se os juros estiverem a subir, não faltarão alarmes sobre os impactos devastadores que o governo apoiado pelas esquerdas está a ter no país. Se estiverem a descer, os mesmos observadores atentos e preocupados tiram férias das redes sociais.

Ricardo Paes Mamede no Ladrões de Bicicletas.

Fica a provocação, com a sugestão para lerem o texto na íntegra, que o sumo está todo lá. Vale sempre a pena ver alguém tão capaz e coerente desmontar a propaganda da direita radical. Imagino-os logo a espumar pelos cantos da boca.

Não era isso que (quase) todos diziam sobre o seu governo, deputada Cristas?

acpp

A propósito da polémica proposta para reduzir a TSU como forma de compensar o aumento do salário mínimo nacional (SMN), a deputada Cristas acusou António Costa de ter uma “maioria intermitente“, que não é “estável, credível e duradoura“. Não era isso que tantos portugueses diziam sobre o governo que a candidata à CM da Lisboa integrou? E, no entanto, o governo PSD/CDS-PP lá conseguiu chegar ao fim do mandato. E conseguiu-o apesar das birras e das facadas do parceiro minoritário da coligação. Em 2012, quando o país se insurgiu contra a proposta de aumento da mesma TSU, não para compensar um aumento do SMN, que o caminho era o do empobrecimento, mas à custa da subida das contribuições dos trabalhadores para a Segurança Social, o CDS-PP tirou o tapete a Passos Coelho. Assunção Cristas estava lá e participou neste duro golpe na estabilidade e credibilidade da coligação. [Read more…]

Doidos à solta

Magic graph

Portugal regressou ontem aos mercados. Porém, para surpresa dos profetas da desgraça, algo de muito estranho aconteceu. Para além de uma procura 3,5 vezes superior à oferta, os investidores que adquiriram Bilhetes do Tesouro português, com maturidades de 6 e 12 meses, irão pagar em vez de receber juros. Sim, pagar em vez de receber. O apocalipse está à nossa porta, so they say, e um conjunto de investidores, aparentemente racionais, está disposto a pagar juros para adquirir dívida pública da república estalinista geringonceira. Será obra do diabo? Ou estará tudo doido?

Lettres de Paris #71

À bout de souffle*

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

esta carta é, por comparação com as anteriores, um mero telegrama, ainda que, como as outras, seja escrita d’un seul souffle’, quer dizer de um folêgo, sem pensar demasiado no que estou a escrever, deixando as coisas escreverem-se praticamente sozinhas. Fui hoje (re)ver À bout de souffle, de Jean-Luc Godard, estreado em Paris em 1960. Nunca havia visto o filme em écran gigante, por falta de oportunidade, claro, já que para mim o cinema deve ver-se sempre numa sala de cinema. De maneira que ao passar outro dia no mk2 da Rue Serpente e ao vê-lo anunciado para hoje (e apenas para hoje) lá fui eu, sob um frio de -4 ou -5 graus, revê-lo às 10 da noite. A sala não estava cheia, desta vez. Compreende-se, talvez, porque em Paris deve haver imensas oportunidades de rever grandes filmes. Ou se calhar porque a sessão era a uma hora mais tardia do que habitualmente. Seja como for, creio que já o disse, as salas dos mk2 são grandes, confortáveis e as condições de projeção naturalmente são excelentes.
 
Rever a cara da Jean Seberg no grande écran deixou-me à bout de souffle, como sempre. Não é por ser linda, que era. É por outra coisa qualquer que não sei explicar, mas tenho, desde que me lembro, uma verdadeira e assolapada paixão pela cara da Jean Seberg, neste filme. Apesar de não ser de Paris, nem francesa, ela encarna, para mim, neste filme, a verdadeira parisiense. Nos anos 60, como agora. A cara da Jean Seberg em À bout de souffle é intemporal. O Jean-Paul Belmondo não me tira tanto o folêgo, devo dizer, apesar da sua boca extraordinária e daquele gesto que, a partir deste filme, ficou imortalizado e é ainda tantas vezes repetido. Mas se eu pudesse e ela fosse viva e tivesse a mesma cara que em 1960, casava com a Jean Seberg, amanhã. Adorei, por isto e por muito mais coisas, como é evidente, desde logo pelo argumento de François Truffaut, pela fotografia, pela música de Martial Solal… mas também por ver Paris, a Paris que conheço agora um pouco melhor do que conhecia quando vi o filme em écrans pequenos das outras duas ou três vezes, os mesmo lugares por onde passo hoje, em 1960. É curioso ver como nada se modificou substancialmente, quase tudo foi preservado e existe ainda e existirá, provavel e desejavelmente, para sempre. Curioso e belo.

[Read more…]

O principal nomeado para o Prémio Quanta Falta de Vergonha na Cara 2017

“Porque aquilo que nós estamos a fazer com esta acção (votar contra a descida da TSU na Assembleia da República) é salvar a concertação social e não parece”– Luís Montenegro na Grande Entrevista, RTP, em 18-01-2017