Discurso do catedrático a haver

 

(em quadrinhas de mal dizer, para cantar à esquina)

I
Com todo este saber
(Isto é axiomático)
Quando for grande vou ser
Um professor catedrático.

Não sou de grande ciência
Mas sou muito carismático
Vou ser, tenham paciência,
Um professor catedrático

Graças a vistosa finta
Com um drible burocrático
Vou ser, e com grande pinta,
Um professor catedrático.

Não tenho modos de mestre
Sou mais para o autocrático
Mas vou, ao jeito rupestre,
Ser professor catedrático.

A gestão da Tecnoforma
De um modo automático
Só por si, já me transforma
Em professor catedrático.

II
E esta minha voz sonora?
E este meu jeito enfático?
E a minha arte canora?
Sou ou não sou catedrático?

E o meu pendor dogmático?
E o meu pin emblemático?
E o meu talento empático?
E o meu dom democrático?

E o meu quadro idiossincrático?
E o fôlego psicossomático?
E o olhar electrostático?
E o sorriso simpático?

III
Não serei um bom gramático
– Sou até muito assintáctico –
Resolvo de modo prático
Metendo um ano sabático

Queixo-me de reumático
E de um problema hepático
P’ra não falar no ciático
E no síndroma prostático

As escolas são como selvas
Para quem tem dotes escassos
Bem me vai dizendo o Relvas:
“Vai mas é estudar, ó Passos!”

Não gostaram do meu esquema?
(Eu sou um tipo esquemático)
É vosso, esse problema.
Por mim, vou ser catedrático

Comments

  1. ZE LOPES says:

    Olhem bem a minha foto.
    Estou com um ar sorumbático.
    Um gajo não deve dar confia
    A quem não for catedrático!

  2. Rui Naldinho says:

    Ironia do destino, o homem que mais contribuiu para a destruição do Ensino Público em Portugal desde o 25 de Abril de 1974, é o mesmo homem que vai dar aulas numa Universidade Pública, mesmo que de forma parcial.
    O dinheiro dos contribuintes é a parte menos importante, na medida em que ele já aufere desses mesmos contribuintes aquilo a que tem direito por ter sido ex titular de um cargo público.
    Um dos grandes problemas da falta de qualidade da nossa democracia, é a falta de vergonha das classes dirigentes, a todos os níveis. Este e um bom exemplo disso.
    A este atropelo ao mais elementar bom senso e da chamada ética republicana, António Costa diz nada. Não sei se por lhe dar jeito, deixando à esquerda à sua esquerda o ónus desse desgaste com o ex primeiro ministro, se pelo facto do PS também ter o rabo preso.
    Se alguém acredita que Portugal mudará alguma vez, desengane-se.
    Isto está o nosso ADN.


    • É isso, Rui Naldinho, Portugal vai de mal a pior e já estamos a bater no fundo do poço !
      Subscrevo inteiramente o que escreve e repito consigo :
      “Isto está no nosso ADN.”

  3. Pois...Pois! says:

    Como é que um analfabeto chega a prof. e ainda por cima “catedrático”.
    Conclusão: É um “catedrático” tipo Relvas.

  4. adelinoferreira45 says:

    Só alguém de reles formação é capaz de se sentir confortável com a referida promoção académica

  5. ZE LOPES says:

    Tal como escrevi a propósito de um outro “post já tive acesso aos três primeiros sumários das aulas de Economia de Passos Coelho. São como segue:

    Lição nº 1: “O Diabo”;

    Lição nº 2: “Continuação da lição anterior”;

    Lição nº 3: “Revisão da matéria dada”

  6. Bento Caeiro says:

    “Suave Mari Magno.
    É doce, quando no vasto mar, os ventos agitam as ondas; olhar da terra firme, os terríveis perigos dos outros.” Lucrécio.

    Por isso nós, que somos todos iguais uns aos outros, precisamos de ter entre nós alguns mais iguais que outros – os destinados a ter um doce viver. Como poderia a sociedade ser como é e continuar a ser, se todos fossem forçados a sofrer as agruras da vida – como por exemplo estudar, trabalhar e esforçar-se para conseguir um bom lugar – arriscando-se os escolhidos, pelos perigos encontrados, a não sobreviver ou a ficar para trás? Nada melhor então, se queremos os eleitos e a sociedade que temos salvaguardar, que proteger os mais iguais entre os outros, colocando-os em lugares que, eventualmente, pelo esforço e competência jamais poderiam alcançar.
    Não fora assim, pergunto eu, que seria de nós pobre país e cidadãos? Como poderíamos continuar, se tais catedráticos, ministros, gestores, magistrados e banqueiros, não nos ensinassem, governassem, tratassem da nossa justiça e das nossas contas – tal como sempre aconteceu e está a acontecer?
    Está, pois, explicado – julgo eu – pelo Lucrécio e também cá pelo rapaz, qual a razão que levou certa gente a pôr o eleito em catedrático lugar.

    Suave mari magno, mas só para uns poucos – os eleitos; para os outros – os gentios -, os tormentos.


    • ” é hora de uivar, porque se nos deixarmos levar pelos poderes que nos governam, e não fizermos nada por os contestar, pode-se dizer que merecemos o que temos”

      José Saramago dixit

  7. ZE LOPES says:

    Mais uma!

    Quando eu era mais novinho,
    Até quis ser matemático.
    Mas falhei! Fui p’rá política,
    E acabei em catedrático!


    • : )

    • Bento Caeiro says:

      ZE LOPES, também há aquele velho ditado que diz: “quem não sabe, manda”.
      Por isso, o homem – que nunca serviria para assistente – tem de ser catedrático; mas vai, certamente, precisar de bons assistentes, a quem vai coordenar.

      (É doce, olhar da terra firme os terríveis perigos dos outros.)

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.