Brasil reabre alas ao glifosato

Foto disponibilizada por Isabel Falcão

A Bayer e o seu presidente administrativo Werner Baumann devem ter respirado muito fundo e agradecido profundamente, sabe-se lá por via de que modalidade, ao presidente do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), Kássio Marques, que aceitou, a segunda-feira passada, “o recurso contra liminar da Justiça Federal que suspendia o registro do Glifosato e demais agrotóxicos até a conclusão da análise de toxicidade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com a decisão do TRF, os agrotóxicos voltam a ter o uso liberado nas plantações brasileiras.“

O que interessam argumentos em defesa da Saúde e do princípio da precaução, se “sua proibição causaria impacto nos lucros da indústria do agronegócio, modelo de negócios seguido no país”???

O Brasil é o segundo maior mercado da monstruosa Monsanto, e portanto da Bayer, e a Bayer Cropscience do Brasil é a quarta maior operação do Grupo Bayer no mundo, possuindo duas importantes fábricas localizadas em São Paulo, cidade onde também fica a sede brasileira, e em Belford Roxo.

No que diz respeito ao controle das transnacionais sobre a agricultura brasileira, o que mais chama atenção nos dias de hoje é a crescente difusão das sementes transgênicas pelas grandes empresas do setor, como Monsanto, Bayer, Syngenta, que também são as grandes produtoras de agroquímicos, o que contribuiu para a transformação do Brasil no maior consumidor mundial de agrotóxicos (…).

No que toca ao agronegócio, modelo de produção agrícola dominante no Brasil, também os governos de esquerda produziram um colossal desastre, para mal do planeta e de toda humanidade. Nem é bom pensar no futuro.

Comments


  1. Ana, estava esperando a sua reação como certa. sabendo bem que está sempre atenta pois eu já sabia desta perturbante informação que apareceu na 2ªfª pp em roda pé da Euro News, e
    que qt eu saiba não terá sido noticia/informação nos media do costume !!!

    ” …o coração fica aflito, numas bate e noutras falha… ”

    como canta aquele Brasil bonito puro e genuíno agora de novo escravizado e condenado e nós e o planeta também !

    …entretanto há quem queira avisar a malta e lançar alertas que estão acontecendo por aí…como a simplicidade naif dessa imagem numa parede de casebre pobre na Guatemala, nessa América Latina tão devastada por predadores !

    Bem haja por mais esta, companheira ! Abraço.
    , e venham mais cinco…cinquenta, cinco milhões !

    • Ana Moreno says:

      Ai Isabela, os assuntos são tantos que a maior parte fica sem post, da imensidade que haveria a denunciar… Vai-se uivando o possível, na nossa alcateia 🙂

  2. Antonio Medeiros says:

    Ana: Os criminosos que tomaram o poder não têm limites para concluir a barbárie que está na mente deles. Os portugueses tem toda a razão de pensar que todos nós somos corruptos e ladrões da pior espécie, mas ainda há gente que não concorda com a situação deste país e gostaria de ver na cadeia estes candidatos a todos os postos da política brasileira para as eleições deste ano.Ainda ontem a desonesta Rede Globo forjou uma pesquisa dando vantagem ao candidato de seu interesse, o Alkmin, envolvido em vários golpes de desvios de recursos públicos, sendo este o defensor dos interesses destes grupos internacionais. Continue, por favor a nos informar destes crimes.

  3. Ana Moreno says:

    Oi Antonio, obrigada pelas suas palavras.
    Nós, povos, ou pelo menos pessoas conscientes de todos os povos e também aquelas pessoas que mal conseguem sobreviver sob a violência da pobreza, estamos tragicamente unidos no sofrimento que os governos, vendidos às multinacionais, andam a semear em doses tão brutais que estão a destruir o planeta sob os nossos olhos. E nós, nesta impotência de David contra Golias. Neste caso dos agrotóxicos e transgênicos no Brasil, entristece profundamente que também os governos anteriores tenham seguido o mesmo modelo. É uma machadada na esperança. E estes agora nem dá para imaginar.
    Tal como este governo português, que se denomina socialista mas que não tem vergonha de servir o capital contra a vontade da população local e dos seus representantes, impondo a realização de furos de propecção de petróleo, enquanto fala em neutralidade carbónica do país até 2050. Esta hipocrisia causa naúseas.
    Abraço! apesar de tudo, continuemos a resistir!

  4. Luís Lavoura says:

    A Ana, está claro, não é agricultora, e está-se nas tintas para os problemas dos agricultores porque espera ter sempre o prato cheio à sua frente. Julga que a comida cai das árvores, sabe-se lá, como o maná dos judeus.
    Como é que a Ana elimina um silvado ou umas acácias? Não sabe. Se calhar, nem sabe o que isso seja, nem o prejuízo que causa. Pois eu digo à Ana que um silvado ou umas acácias só se podem eliminar usando uma coisa: glifosato. É a única droga que os mata.
    O glifosato possivelmente causa cancro? Pois, isso é de facto possível. Também é possível que o escape de um automóvel a gasóleo cause. E também é possível que o fumo do tabaco cause. Mas essas coisas todas não são proibidas lá por ser possível.


  5. Mas aqui trata-se de AGRO químicos tóxicos em agricultura intensiva e de grandes dimensões não só no Brasil mas em quase todo o mundo que alimenta milhões de pessoas, até aqui bem perto nos campos do Mondego são despejadas avionetas de glifosato sobre os campos de arroz e milho que contaminam tb as culturas ecológicas dos pequenos agricultores/produtores de produtos supostamente saudáveis, glifosato aprovado nos parlamentos pelos políticos do sistema por mais 4 anos dizem eles, que mais 4 e mais quarenta virão….se lá chegarem !!!
    mas em que os milhões dos lucros dessas multinacionais são protegidos contra nós e o futuro dos vindouros !
    Portanto, Luis Lavoura, empregue lá esse veneno na sua lavoura nas suas silvas !! mas não coma o pão nem beba a água que estiverem perto !!! e não o impinja aos demais, ou então coma-o e beba satisfeito e que lhe faça mau proveito !!

    …com tanto saber e tecnologia ainda não sabem destruir silvas e acácias se não com glifosato ? essa é boa razão para defender o seu argumento ? . ainda se pudéssemos confiar em séria fiscalização e limites legais de utilização seriamente controlados !! e cadê, se até com tanta falta de informação e desinformação e ignorância se permite qq. agricultor ou funcionário autárquico usar e abusar na remoção de ervas urbanas a torto e a direito e á beira rio como é sabido ?

    e para acabar, sabia que segundo testes/análises credíveis tb da Quercus que :

    o português menos contaminado tem três vezes mais glifosato que o pior caso alemão ? !!

    …..,,,e não se pique com as silvas qd usar o glifosato, que ele gosta de sangue humano para fabricar o cancro !!!!

    …e o escape de automóvel e o fumo de tabaco também, tem razão, e outros químicos até da indústria farmacêutica e alimentar, mas a esses a gente pode escapar se se estiver bem informado e quiser.

    • Luís Lavoura says:

      A Isabela está a comparar uma coisa (glifosato) que POSSIVELMENTE causa cancro com outra coisa (tabaco, escape de automóveis diesel) que CERTAMENTE causa cancro mas, especiosamente, pretende proibir a coisa que possivelmente causa cancro mas deixar livres e abundantes as coisas que certamente causam cancro!
      E porquê, Isabel? Porque a Isabel e outras pessoas suas amigas gostam muito e não conseguem prescindir dessas coisas maravilhosas – o gasóleo, o tabaco – mas acham que o glifosato, enfim, não faz fata nenhuma.
      Pois eu digo-lhe, Isabel, que não, que o glifosato é uma coisa muitíssimo útil. Extremamente útil, Isabel.
      Eu até poderia achar bem que se proibisse o glifosato se estivesse provado que ele faz mal e se também se proibissem outras coisas que certamente fazem mal. Agora, é terrivelmente hipócrita pretender proibir uma coisa que apenas eventualmente faz mal, enquanto que em todas as esquinas se permite a venda e o consumo de uma coisa que certamente é muito mais maléfica – o tabaco.

      • Ana Moreno says:

        Não convém nada aos gigantes dos agrotóxicos que se saiba, Luís Lavoura, mas existe agricultura e vida para além do glifosato: https://www.youtube.com/watch?time_continue=14&v=0jSstyZrJYs
        A probição de uso de carros a gasóleo nas cidades também está a chegar, e bem: https://www.tagesschau.de/inland/dieselfahrverbot-frankfurt-101.html
        E quanto ao tabaco, não fumo nem aprovo, mas a diferençazinha é que são adultos que o consomem, sabendo muito bem o que estão a fazer (não entraria agora na discussão sobre se os fumadores deveriam pagar mais para o seguro de saúde, mas é uma hipótese). O mesmo não acontece com os consumidores, de todas as idades, de glifosato.
        Mas se aprecia glifosato, está já bem servido, não há que se preocupar.

        • Luís Lavoura says:

          A Ana não fuma mas apanha com muito fumo dos outros. Tal como eu. Apanho certamente com mais fumo cancerígeno fumado por outros do que com glifosato cancerígeno.
          Portanto, a questão é a mesma: certas pessoas usam um cancerígeno comprovado (o tabaco), fazendo com que outras pessoas contraiam cancro. Certas pessoas usam uma coisa que talvez seja cangerígena (o glifosato), e não se sabe se fazem com que outras pessoas contraiam cancro. Por que raio se vai proibir a segunda coisa e não a primeira.

          • Ana Moreno says:

            Luís, não, não apanho com fumo dos outros porque felizmente é proibido fumar na maioria dos locais públicos fechados. Proibido. O resto, está na nossa mão evitarmos apanhá-lo.
            Glifosato cancerígeno já apanho que me lixo na água potável. E pago por cima, para reduzirem os níveis do mesmo a limiares legais, misturando águas. Um processo caro. E como deve saber, o problema dos agrotóxicos não é só ser potencialmente cancerígeno – potencialidade essa que, à luz do princípio da precaução europeu, é suficiente para o proibir. Até na Alemanha, apesar do lobby da Bayer, a actual ministra da agricultura, Klöckner (CDU, partido da Merkel) está a começar a apertar o uso do glifosato, devido à decorrente destruição de insectos e em particular das abelhas. Isto está provado e é suficiente para arrepiarmos caminho, ou temos o direito de dar cabo da biodiversidade? Além dos danos à qualidade do solo, à contaminação de culturas biológicas vizinhas, etc.
            É como disse, o fumo é opção e é controlável por adultos. O glifosato não e tem consequências de grande amplitude. A diferença é toda. Na fruta 🙂

        • Luís Lavoura says:

          Ana, é claro que existe agricultura sem glifosatos, aliás eu próprio sou consumidor de produtos biológicos já há duas dezenas de anos.
          Mas a questão não são as minhas preferências. Cada qual é livre de ter as preferências que quiser, e deve ser livre de as ter. A questão é pretender proibir, e é com isso que eu não concordo. Não concordo que a Ana, lá por ser apreciadora da agricultura biológica, pretenda proibir os outros de utilizar uma coisa que não se sabe se provoca algum mal. Eu também sou apreciador da agricultura biológica, mas não pretendo proibir nada.
          E repito, o glifosato não é somente utilizado na agricultura industrial. É também utilizado por pessoas simples como eu para impedirem ervas de crescerem no seu jardim, ou para impedir salgueiros de invadirem uma pequena plantação de choupos.


      • Luis Lavoura… com glifosato, se respondeu à Isabel não foi a mim, eu sou Isabela aqui e agora e punto.

        …” Porque a Isabel e outras pessoas suas amigas gostam muito e não conseguem prescindir dessas coisas maravilhosas – o gasóleo, o tabaco –….”

        que raio de conclusão e argumento, aliás nem devia responder-lhe que nem vale a pena, tempo perdido .
        Mas só para que veja como está errado ,
        pois se eu nem fumo nem tenho carro e até exerço a minha cidadania participativa em casos e questões de sustentabilidade ambiental e saúde pública e qualidade de vida o mais possível ! e com alguns resultados !

        Cuide-se, tenha cuidado com os espinhos com glifosato !

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.