Dois dedos de testa

Lê-se no PÚBLICO:

UTAO estima défice de 1,6% no semestre com impacto do Novo Banco

No período de Janeiro a Junho de 2018, destaca-se “o accionamento do mecanismo de recapitalização contingente do Novo Banco”, salientou a Unidade Técnica de Apoio Orçamental

E na TSF:

Bruxelas avisa: despesas com salários e carreiras vão pesar no défice

A Comissão Europeia reitera que a situação financeira de Portugal continua “largamente favorável”, mas reforça a importância de o país prosseguir a consolidação fiscal e reformas estruturais.

Esta segunda notícia, oportunamente semeada quando se discute o orçamento de estado, leva-me a pensar se esta gentinha da política acha que não temos dois dedos de testa. A resposta é óbvia.

Quanto à primeira notícia, então esse BES não tinha sido “resolvido” sem custos para o contribuinte? Pergunte-se à dona dona Cristas, que ainda por aí anda, apesar de entretida a ver passar os comboios (descobriu-os agora, mas nós avivamos-lhe a memória: “Ex-deputado do CDS nomeado presidente da CP“).

Comments

  1. Miguel Bessa says:

    Ahahaha. Notícias de 2013 para justificar 2018?

    Alguma vez no período do governo anterior a CP esteve como está? (Podemos fazer este exercício para tudo que foi revertido, o código do trabalho não mexeram e é ver os números do desemprego). Mas a obsessao por ser público leva a isto. Não cumpre os mínimos, mas é público.

    Alguém sabe de algo que este governo tenha feito que não fosse feito pelo anterior governo se esse tivesse governado 2015-19? Não é revertido ou propaganda, é feito. O que mudou em 4 anos?

    • Paulo Marques says:

      “Não cumpre os mínimos, mas é público.”

      Nem no Reino Unido, e não deixa de se pagar mais por muito menos.

  2. j. manuel cordeiro says:

    “Alguma vez no período do governo anterior a CP esteve como está? (Podemos fazer este exercício para tudo que foi revertido, o código do trabalho não mexeram e é ver os números do desemprego). Mas a obsessao por ser público leva a isto. Não cumpre os mínimos, mas é público.”

    Sim.
    Acresce que há investimentos que são de longo prazo, como é o caso da CP. Não os tendo feito é anos depois que se nota o efeito.

    “Alguém sabe de algo que este governo tenha feito que não fosse feito pelo anterior governo se esse tivesse governado 2015-19? Não é revertido ou propaganda, é feito. O que mudou em 4 anos?”

    Isto não invalida o ponto anterior.

    • JgMenos says:

      Manutenção é coisa de longo prazo?
      Já lá vão 3 anos!

      • Paulo Marques says:

        Tendo em conta que não faltam comboios com 50 anos… 3 anos não é porra nenhuma, até a garantia sem revisão é de maior prazo.

      • ZE LOPES says:

        Pergunta: “Manutenção é coisa de longo prazo?”.

        Resposta: temo que sim, pelo menos em relação a V. Exa. Há avarias que podem ser, inclusivamente, congénitas. O caso é MESMO grave, Menos. Não tenha ilusões. A vida é assim.

    • Miguel Bessa says:

      Diz que sim. Aceito. Quando? Não é só dizer.

      De todos os governos nos últimos 50 anos o que teve menos condições financeiras foi o anterior.
      Realmente se nos últimos 25(?) anos não tivéssemos sido governados 19 por esta malta que agora governa até se poderia argumentar que não têm responsabilidade.

      “Isto não invalida o ponto anterior.” Pois. Não dá mesmo para dar um exemplo. Nem para amostra.

  3. Carlos Almeida says:

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.