Holocausto brasileiro

Helena Ferro de Gouveia

Este é livro fundamental para entender o Brasil e um dos capítulos mais tenebrosos da sua história: a barbárie praticada até quase ao final do século XX em Barbacena, Minas Gerais.

No hospício conhecido como Colônia morreram mais de 60 mil pessoas, a maioria internadas compulsivamente, 70 por cento sem qualquer problema de saúde mental: eram meninas grávidas violadas pelos patrões, homossexuais, prostitutas, filhas de fazendeiros que perderam a virgindade antes de casar, pessoas incomodadas.

Quando chegavam ao hospício rapavam-lhe a cabeça, despiam-nos, eram rebaptizados pelos funcionários. Dormiam sobre erva e feno, eram torturados, abusados sexualmente, bebiam água do esgoto e comiam ratos. Pelo menos 30 bebés foram retirados às mães. Entre 1969 e 1980 1853 corpos foram vendidos às faculdades de medicina. Morrer dava lucro. Chegavam a morrer 16 pessoas por dia.

Está tudo documentado solidamente, as fotografias são atrozes e os relatos dos sobreviventes contidos no livro de Daniela Arbex um dedo apontado aos que os abandonaram e à indiferença.

Quando se fala em fascismo, apatia social, obscurantismo, passa-se também por aqui.
Isto foi ontem.

Comments

  1. Camaradas says:

    Isto foi ontem. Hoje ainda se passa noutras latitudes.

  2. S. Silva says:

    Foi ontem foi…..
    Deixem o Bolsonazi ser eleito e vão ver como é curtinho o espaço entre o “ontem” e amanhã que aí vem.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.