Torturar mulheres e obrigar os filhos a ver

Fotografia: momumento Tortura Nunca Mais, Recife

Se há algo de que não podemos acusar Bolsonaro, é de ter ocultado a sua verdadeira agenda. Podemos acusá-lo de não aprofundar as suas ideias, até porque o seu discurso tende a limitar-se a pouco mais do que insultar opositores, alimentar uma cultura de ódio e atacar o estado democrático de direito, sem que se lhe conheça uma ideia para o país que não seja privatizar a torto e a direito, perseguir minorias e armar a população. Mas não podemos acusá-lo de nos ter tentado enganar. Quem votou Bolsonaro, sabia perfeitamente no que se estava a meter. Se não sabia, foi porque não quis.

Bolsonaro, por muitas fake news que circulem no Whatsapp, é muito fácil de definir: autoritário, machista, racista, homofóbico, violento, fundamentalista religioso, desonesto e manipulador. E quem vota Bolsonaro sabe em quem está a votar. Sabe no que está a votar.

 
Foi ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra que Jair Bolsonaro dedicou o seu voto a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Porque Brilhante Ustra também torturou Dilma, e porque Bolsonaro defende activamente o regresso da prática.
 
Mas este testemunho é apenas um exemplo daquilo que eram as práticas diabólicas de Ustra, que entre outras coisas se entretinha a colocar ratos nas vaginas das suas vítimas. Um cheirinho das práticas que Bolsonaro defende e que eu espero sinceramente que sejam freadas pelo que ainda restar da democracia brasileira.
 
Quem votou Bolsonaro, ou se absteve de defender a democracia e o Estado de Direito, como Assunção Cristas e uma série de indivíduos do CDS e do Observador, valida uma falsa equivalência entre lacunas na democracia, como a corrupção política, e estas práticas monstruosas. E não vale a pena puxar pelos galões do cristianismo que Bolsonaro alega defender, porque não há nada de cristão em sujeitar uma criança a ver a sua mãe torturada, coberta de urina e vómito. A menos que o cristianismo destas pessoas seja o da Santa Inquisição.
 
Sim, eleitor do Bolsonaro, o teu voto também validou a possibilidade do regresso da tortura. E o sangue que ela derramar, se o que restar da democracia não conseguir impedir o seu regresso, também estará nas tuas mãos. Espero que o teu filho nunca tenha que te ver desfigurado, coberto de urina e vómito. Se chegar a ver, só tens que agradecer ao teu novo herói.

Comments

  1. Lucinha Pisarro says:

    Quanta asneiras em um único texto!

    ENTENDA! 57 MILHÕES DE PESSOAS VOTARAM NO FUTURO PRESIDENTE DO BRASIL!!!

    Todas estas pessoas querem o MELHOR PARA O BRASIL.

    NÃO DIGA BESTEIRAS, SEU IDIOTA!

    • Ana Moreno says:

      Pelos vistos, o “MELHOR PARA O BRASIL” é o que o post descreve. Deve ser por isso que há tanta gente a fugir.


    • Em vez de chamar idiota, porque não desmente, provando, o que foi escrito. Acaso é mentira que Bolsonaro dedicou o seu voto contra Dilma ao coronel Ustra? É que eu ouvi e vi em direto.

      • ZE LOPES says:

        Ou seja, respondendo à letra á D.Lucinha:

        NÃO DIGA IDIOTICES, SUA BESTA!

        • Carlos Almeida says:

          Compreendo a sua reacção perfeitamente, mas descer ao nível das “dondocas badalhocas” não é solução.
          Para essas “pessoas”, eu uso da maior cortesia e “educação”. Por exemplo ao Sr JGmenos, dirigia-me sempre com um “Carissimo JGMenos”. Agora nem sequer respondo, não há pachorra.
          “Besta” e outras coisas que tais, chamamos nós quando nos zangamos com eles, aos amigos e às pessoas a quem temos alguma consideração e que merecem palavras sinceras e vindas do coração.
          A “facharia” sejam eles brasileiros ou tugas, não merecem tanto.

    • ZE LOPES says:

      Soube de fonte segura que V. Exa. foi escolhida para protagonizar o grande filme patriótico “As 50 Sombras de Bolsonaro”, contracenando com o deputado Alexandre Frota que também pretende dar o seu contributo e limpar a imagem a que tem sido associado por filmes “fake” que andam por aí na net.

      Pelo sim, pelo não, lá no PSL já se quer mandar o Frota para a primeira fila da bancada. Ou para a mesa do congresso. É mais seguro.

      Os produtores também querem dar uma oprtunidade à Ana Teresa mas não sabem em que papel. O bigode faz muita sombra. Até já se pensa em mudar o nome do filme para “As 51 Sombras de Bolsonaro” para ver se se arranja alguma coisa.

    • José Peralta says:

      Lucinha Pisarro

      NÃO DIGA BESTEIRAS SUA IDIOTA !

      TÃO ESTÚPIDA QUE QUER NEGAR FACTOS DA DITADURA DOS CORONÉIS, DAS TORTURAS HEDIONDAS, DOS ASSASSÍNIOS, DOS PRISIONEIROS LANÇADOS DE AVIÕES AO MAR !

      E OS 57 MILHÕES QUE VOTARAM NO FASCISTA, MUITOS DELES DEPRESSA VÃO VER COMO ESTAVAM ENGANADOS.

      E AQUELA BESTA ANA CAROLINE CAVAGNOLO, DEPUTADA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA QUE INCITA À DENÚNCIA ANÓNIMA E DIZ QUE “SE SE PORTAREM DIREITINHO, NÃO PRECISAM DE TER MEDO”, TAMBÉM É MENTIRA ?

      E AS LISTAS NEGRAS COM CENTENAS DE NOMES DOS QUE “NÃO SE PORTARAM DIREITINHO” ?

      E, SUA BESTA, quando no Brasil houver o reverso (porque na Histórias dos Povos´, mais cedo ou mais tarde, há sempre o reverso) se os bolsonaros e as cavagnolas abjectas e cobardes, vierem, de rabo entre as pernas pedir asilo a Portugal, espero estar na primeira fila para os correr a pontapé !

      PERCEBEU, SUA IDIOTA )

    • João Mendes says:

      A Lucinha não é diferente de outros autómatos que andam por aí, a vomitar a propaganda que lhes dão a comer e que não mastigam. Refere um texto cheio de asneiras mas não é capaz de apontar uma que seja. Um triste troll.

  2. Virgílio says:

    Enquanto no mundo fantasioso do politicamente correto as preocupações são com o chamado ‘mimimi’, no mundo real deixado por anos de governos esquerdistas do PSDB e do PT, os resultados são estes aí:

    https://oglobo.globo.com/brasil/atlas-da-violencia-2018-brasil-tem-taxa-de-homicidio-30-vezes-maior-do-que-europa-22747176

    • Paulo Marques says:

      A resposta óbvia é legalizar o homicídio dos intocáveis. Nas ditaduras não há homicídios, há saneamento político.

    • Carlos Almeida says:

      O politicamente correcto deve ser um bata preta fazer um trabalhinho encomendado e ser premiado com um taxo no Governo. Isso sim é que é politicamente correcto.!
      Só não vê quem for cego ou IURD

    • Fernando Antunes says:

      Como vamos resolver a taxa de homicídios no Brasil? Com mais armas!

      Direito de porte de armas para todos! Uhu!! Festança!!

      Como vamos acabar com a marginalidade? Acabando com qualquer tipo de bolsa ou ajudas sociais. Genial! Trabalhem, pretos! “Não fazem nada, pesam mais de 7 arrobas, já nem servem sequer para procriar”. E se quando o Bolsonaro disse isto, alguém tivesse lembrado: ups, Presidente, não vai ter empregos para essa negralhada toda, não. Ah, não faz mal: a polícia vai no morro e mata uns quantos. É esse o plano, né?

      Muita sorte então! Tem tudo para correr estupendamente!

      O único senão é se Portugal também elege o seu “bolsonaro” e diz que não quer cá a escória dos outros países, como eloquentemente disse Bolsonaro, esquecendo que os próprios pais dele vieram de Itália, portanto foram escória/imigrantes. Aí, para onde é que os Brasileiros vão poder ir?

      • João Mendes says:

        No Brasil de hoje, é sabido, só existem dois tipos de pessoas: os comunistas e os patriotas que apoiam o troglodita.


    • Sempre me falaram do Brasil como um pais violento.
      Já o era antes do PT formar governo. Continuou a ser depois do PT sair do poder.
      Duvido que as politicas do Bolsanaro venham a ter alguma coisa de útil para reduzir estes números.

      https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9b/Homic%C3%ADdios_no_Brasil_de_1996_a_2015.png

      • Manuel Silva says:

        Não acredite no que lhe disseram.
        A violência começou com o PT e as favelas também.
        O Brasil não sabia o que eram estas duas coisas antes de o PT ter conquistado o poder.

  3. Sorrir de novo says:

    É um blog assim tipo intelectual, depilado de saltos altos

  4. Ana Moreno says:

    Esta invenção do “politicamente correcto” é pau para toda a colher. Demagogia pura.

  5. JgMenos says:

    Fiquei horrorizado com as cenas de tortura; aquela cena dos ratos, nem os soviéticos se lembraram de tal coisa!

    Começo até a pensar em Bolsonaro como um humanista, quando sugere em alternativa um tiro no comuna.

    • abaixoapadralhada says:

      Outra vez padreca ?

      • Manuel Silva says:

        Nas execuções da Inquisição também havia sempre um padreco.
        Era um familiar remoto deste cromo que se disfarça como José.
        Mas eu bem sei quem tu és, João Pires da Cruz, não é?
        E tu sabe-lo bem.

    • ZE LOPES says:

      Pode ir andando para lá, para o paraíso verdinho-amarelesco.. Há um lugar de Pistoleiro-mor à sua espera. E, com um bocadinho de treino, até poderá pilotar o helicópetro que vai mandar os papéis (aliás, V. Exa. é um conhecido papelista, anda aos papeis há uma data de anos) sobre a “Rocinha” antes de metralhar aquilo tudo.

      Felizmente a tortura, tal como a conhecíamos, está em vias de extição. Foi feita uma experiência pela nossa Polícia Judiciária: um traficante recusava–se a falar mas, depois de lhe começarem a ler as tiradas comentadeiras de V. Exa confessou logo: foi ele que escreveu “Os Lusíadas”!

    • João Mendes says:

      Menos, já toda a gente sabe a besta fascista que és. Não precisas de estar sempre a insistir na mesma tecla.

  6. Vicente Pinheiro says:

    A primeira instrução que o terrorista comunista recebia era: se for preso, diga que foi torturado…

    • ZE LOPES says:

      Pois. Mas isso tinha um objetivo. Era para quando entrassem as mulheres (ou homens, conforme os casos) para dar início ao “forróbódó”, o vinho e a cocaína à discrição, a tendência era para que deixassem imediatamente o terrorismo. Ora, isso não convinha nem ao Partido, que perdia militantes, nem à Polícia Política, que perdia serviço.

      Foi desta confluência de interesses que surgiu essa instrução.

      • ZE LOPES says:

        Aliás, como toda a gente sabe, a única tortura conhecida era “então não há vinho, nem mulheres para ninguém”. Resultava sempre!

    • João Mendes says:

      Memórias do tempo do DOI-CODI, Vicente?

  7. Torquato says:

    Já Bocage foi terminantemente proibido de dizer o que se passou na Inquisição… senão!

  8. Ana Teresa says:

    A ditadura brasileira só teve uma coisa boa, que foi evitar a instituição de uma Ditadura COMUNISTA do género que pessoas como este inteligentinho de João Mendes pretendem.
    Vejam só a cara estupidificada da comunistasinha Marilia Gabriela…

    quando ouve Amado Batista explicar isso mesmo.

    Ana Teresa

    • Carlos Almeida says:

      Para a típica classe media brasileira, representada aqui pelas “dondocas” Lucinha e A Tesesa, o fim do Mundo é o que eles chamam de “Ditadura COMUNISTA”, mesmo quando se trata de Partidos de Centro Esquerda e Social Democrata.
      Para a classe media do Brasil, todos os que não se enquadram no sua filosofia de pensamento, que nada mais é que serem os defensores dos poderosos que verdadeiramente mandam no Pais e que serão descartados quando não fizerem falta, todos os outros ou são Comunistas ou dizem asneiras como a iluminadas “dondocas” dizem.
      Demos tempo ao tempo

    • José Peralta says:

      Para esta inteligentezinha, ana teresa, tudo o que não seja bolsonarozinho, é comunistazinho !

      E a maior prova de “inteligenciazinha” desta gentalha de dondocas, é ter votado bolsonaro…zinho !

      Vão ver, daqui a algum, muito pouco tempo…

      Prarabenzinhos…aninhas !

    • Paulo Marques says:

      O que vale é que o Bolsoninho agora vai oferecer os recursos todos a preço de saldo aos Americanos como bom aspirante a Pinochet, vai ser uma maravilha de mercado livre na nova república das bananas.

    • João Mendes says:

      Admite lá, dondoca: tu tens é saudades da ditadura militar. E horror a pobre, como o Caco Antibes.

  9. Tito Adriano says:

    Lucinha Pisarro esquece, por conveniência política, a da Extrema-Direita Fascista de que é apoiante, que o traste e rufia de vão de escada, Jair Bolsonaro, disse que se tivesse nascido na Alemanha Nazi teria aderido ao Partido do “avô” Adolfo, um dos maiores criminosos da História, que o canalha político Bolsonaro acha que mulher, porque engravida deve receber um salário inferior ao de um homem (Lucinha aceita isto?), que uma das formas de combater a pobreza era esterilizar os pobres, que o tal coronel que torturou a Dilma (entre outros) lhe merece o maior respeito, que pretos e homossexuais deveriam ser excluídos da Sociedade, que os seus opositores políticos deveriam emigrar, etc, etc.
    Bolsonaro não passa de um energúmero político. Um monte de asco que nos deve merecer o maior dos desprezos. E distância. Mas, se o Brasil assim escolheu, que sofram na pele. Um dia, os tais 57 milhões que votaram nele vão ver as suas pensões nos tais fundos privados e é só uma questão de tempo até “suceder um daqueles acidentes financeiro-especulativos” e ficarem de mãos a abanar. Ou verem a tal minoria milionária a enriquecer ainda mais e os pobres (que votaram estupidamente Bolsonaro) na rua a protestar. Ou os grandes proprietários agro-pecuários nordestinos a destruírem a Amazónia. Ou a Saúde, Educação e Investigação Científica a sofrem cortes da parte do Estado, que justificarão a sua entrega a privados, com todas as consequências que daí advirão. E o Neo-Liberalismo de Paulo Guedes, inspirado em Milton Freedman, a arruinar a classe média e as classes trabalhadoras. E a Justiça a ser instrumentalizada, pior do que já está – a servir a rica classe dominante.
    Tolo é quem quer ser. Não se é por obrigação. Lucinha, você escolheu – tolamente – um verme chamado Jair Bolsonaro. Que lhe faça bom proveito. Mas, daqui a 4 anos, estou para ver qual será a sua opinião!
    Tito Adriano

    • Rui Naldinho says:

      Daqui a quatro anos, Lucinda Pisarro voltará a dizer que Bolsonaro é grande, “ele foi capacitado por Deus, né!?” …
      Esta gente esmaga tudo o que lhe seja adverso, ou pior ainda, que faça um esforço por sair debaixo, mesmo que para isso tenham de os eliminar fisicamente, como parece ser o caso do Presidente eleito.
      Gostam de criados, serviçais, jagunços ou capangas, pagam cash, fogem à “Fazenda”, tudo como numa república das bananas, que de certa forma é aquilo que o Brasil hoje representa.
      Ler o texto completo de Clara Ferreira Alves no Expresso:

      “ …Nas boas casas do Rio de Janeiro ou São Paulo, casas de gente abastada mas não milionária, a manhã raiava com a mesa posta. Mãos invisíveis tinham posto a toalha de linho, os guardanapos, o queijo de Mina, o bolo cortado às fatias, os pães, as papaias e o mamão, as bananas, a manteiga, os sumos de frutas espremidas na hora, as compotas demasiado açucaradas. No fim viria o cafezinho e a mulher invisível. A criada. Ou criadas. Figura fugidia, a criada é tratada pelo nome, num tom afetuoso que desmente a realidade. Sai e entra com as coisas, faz desaparecer as sobras e arruma tudo em silêncio. A casa de uma das minha amigas, horrorizada com a vitória de Bolsonaro, tinha três criadas. Uma ficava durante a noite e as outras saíam, a turnos. Não é costume um hóspede aventurar-se na cozinha da casa, ou na copa, são as criadas que acorrem ao toque da campainha. O facto de eu mesma levar para a cozinha o copo vazio, a chávena de café e a casca da papaia desnorteava as criadas, que vinham a correr salvar-me do peso insuportável para as minhas mãos finas e brancas. As criadas eram negras ou mulatas. Nunca vi criado branco nas casas confortáveis. E tinham nomes exóticos, nomes de pobre iletrado, com consoantes difíceis, vogais abertas e acentos graves e agudos. Este é o país da Cafiaspirina da Silva.”

  10. JgMenos says:

    A azia da esquerdalhada ainda a faz mais estúpida!

    Além disso o Bolsonaro pô-los a bolsar toda a verrina, toda a raiva, todo o ressabiamento, todos os complexos que os amofinam.

    Exaspera-os deixar de ter no poder quem ameace os ricos, despreze os empresários e, ia a dizer chingue os burgueses mas isso caiu em desuso que burgueses são os gostos e as ambições dos esquerdalhos.

    • abaixoapadralhada says:

      Oh facho João Pires da Cruz

      Já não te chega escreveres para o teu pasquim.
      Andei a comparar o teu estilo como JGMenos aqui ultimamente com o que escreves no pasquim e bate certo.
      Inicialmente parecias um ToTo mas agora a tua veia literária veio ao de cima depois de teres sido desmascarado

    • João Mendes says:

      A mesma cassete encravada do costume para dizer que defendes a tortura, JgMerda? Ou estás chateado porque és tão intragável que não tens quem te mude a fralda, velho rabugento?

    • ZE LOPES says:

      “ia a dizer chingue os burgueses mas isso caiu em desuso que burgueses são os gostos e as ambições dos esquerdalhos”.

      Tem pinta de ser um excerto do Sermão semanal de V. Exa lá na Igreja Universal do Reino da Coelha e que gentilmente vem compartir connosco.

      Presumo que a parte citada seja a maior preocupação dos fieis lá da Igreja. Deve ser, realmente, frustrante que todos tenham acesso aos mesmos locais “chic”, aos mesmos automóveis e eletrodomésticos, até aos mesmos hospitais e ainda por cima se ponham a mandar para a PQP (expressão cabalística só ao alcance de iniciados lá na Coelha) os burgueses que para eles tanto se esforçaram a trabalhar no duro.

      Por isso só restará um caminho: a opção pela vida monástica eremitária, assim tipo “franciscano chic”. De outro modo não será fácil manter a identidade.

      Alto! Mais um título para JgMenos: DBT (Dono da Burgesia Toda). Que privilégio!

    • Paulo Marques says:

      Qual ameaça? No teu emprego de desviar impostos sabes bem que não há ameaça nenhuma.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.