A ortografia e a autenticidade

De voorspelling is dan dat er in riem meer alveolaire fricatieven zullen voorkomen (het meest waarschijnlijke resultaat van het mislukken van tongpunttrilling).

— K. Sebregts

***

O Polígrafo estudou a matéria e divulgou que uma declaração atribuída a Catarina Martins não é autêntica. Convém ao Polígrafo debruçar-se também sobre a convenção ortográfica adoptada nas suas deliberações e comunicações. Um conselho aos redactores do Polígrafo: adoptai a ortografia de 1945, a autêntica, a verdadeira, a legítima, a da Bayer. Efectivamente, evitai contatos.

Quanto ao sítio do costume, pouco há a acrescentar.

***

Comments


  1. …não desista, Francisco Miguel Valada, a denúncia dessas calinadas nunca é demais ! sobretudo quanto ao “sítio do costume” Diário da República; …só se for a deles, que essa aí minha não é não…

  2. Luís Lavoura says:

    a ortografia de 1945, a autêntica, a verdadeira, a legítima

    Então a ortografia de 1973, não serve? É ilegítima? É falsa? É fancaria?

    • Francisco Miguel Valada says:

      O texto de 1990 não afecta as alterações de 1973. A “ortografia de 1973” serve, é legítima e autêntica. Todavia, tenho comentários sobre o texto de 1973 (feitos há três anos, se estiver interessado, estão aqui (6:05 https://youtu.be/pkiZqv9LcUw?t=366).
      Obrigado pela ‘fancaria’: é palavra bonita, infelizmente pouco frequente. Lembrei-me logo dos GNR.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.