O triunfo da liberdade – II


Indiferentes à vontade da maioria, existiu em determinado sector que se pprovou minoritário, a vontade de impor a Portugal um modelo de sociedade totalitário, intolerante…

Comments

  1. JgMenos says:

    E tiveram que reintegrar soldados comandos para terem quem se lembrasse do dever do soldado.

    • ZE LOPES says:

      Comandos, e não só! Nessa altura, lembro-me, até o Vasco Pulido Valente foi reintegrado! Ou não fosse ele um bravo veterano das guerras da Patuleia!

      O Paulo Portas também se tentou alistar, mas foi dispensado. Era mais necessário à guerra de pena em riste do que de G3 a tiracolo. Ficou irrevogavelmente chateado, mas obedeceu!

      E o Passos também lá foi, mas chegou atrasado devido a um problema com um medicamento para a cabeça que tinha tomado depois do almoço, e o Comandante, que estava de saída para mais uma ronda noturna -de vigilância das atividades dos vermelhos, bem entendido! – não gostou e desmobilizou-o.

      Factos que a História não registou, por falta de tempo.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.