E se em vez de guerra comercial, apostarmos no livre mercado?

Uma guerra comercial não cria riqueza, destrói valor. O caminho para a resolução das disputas comerciais entre EUA e UE não pode e seguramente não será resolvido, aumentando taxas que levarão inevitavelmente à resposta do outro lado, numa espiral que nada traz de bom aos consumidores de ambos os lados. A solução para a disputa passará pela redução das taxas, ou de preferência a sua total eliminação. Não existe comércio mais justo que o comércio livre…

Vida sem gasolina

“Nos últimos 30 dia, a Petrobras reajustou o preço da gasolina e do diesel nas refinarias 16 vezes.

[Read more…]

A reciclagem do fascista

Certo dia tive uma acesa discussão com um presidente de Câmara, à porta do seu gabinete, sobre os mistérios do 25 de Abril, da Liberdade, da Esquerda e da Direita. Vangloriava-se, o triste autarca, cheio de orgulho boçal, de o senhor seu pai ter “corrido comunistas à paulada” da porta da fábrica onde era capataz, naqueles tempos quentes próximos da Revolução. Hoje era vê-lo, ao autarca, a discursar de um púlpito coberto de falsos cravos, com a Democracia e a Liberdade na boca, a Grândola ecoando, em surdina, pelo salão nobre, reciclando fascistas.

Portugal é um caso de sucesso

salgueiro-maia_25_Abril[Helena Ferro de Gouveia]

Em apenas 44 anos, Portugal é um caso de sucesso.
De um país muito pobre, atávico, bafiento, pleno de beatas (os) e que cultivava a humildadezinha, passou a um país rico ( entre as nações mais ricas do mundo e da geografia confortável), onde a maioria dos jovens tem a possibilidade de estudar ( viajar, fazer Erasmus, voluntariado, estágios), bonito ( valorizou o seu património cultural e história), tornou-se assertivo (quem pensaria há uns anos ter um secretário geral da ONU português).
Temos tudo para dar ainda mais certo (falta-nos um pouco mais de inscrição e cidadania, mas também isso está a mudar para melhor, e a capacidade de aceitar críticas frontais).

Viva a Liberdade e viva Portugal.

Liberdade para a Catalunha!

John Wayne

Há uns anos circulou uma informação, cujo rigor não é possível garantir, sobre um certo inquérito feito nos Estados Unidos da América. Nesse inquérito perguntava-se ao “povo americano”, entre outras coisas, quem tinha sido o primeiro Presidente dos Estados Unidos. Segundo a tal informação que circulou, uma grande parte dos americanos respondeu “John Wayne”.

É sabido que a América é uma jovem nação erguida sobre os cadáveres de povos nativos e que se há uma palavra que pode, com autoridade e plenitude, definir o seu carácter, essa palavra é Guerra.

[Read more…]

Y ahora Rajoy?


Verdadeiramente ninguém terá ganho esta eleição, mas Rajoy perdeu em toda a linha. O Ciudadanos foi o partido mais votado nas eleições da Catalunha, obteve 25,4% dos votos, passando a ser o vencedor com menor votação em termos históricos na Catalunha em eleições autonómicas. Muito previsivelmente Inés Arrimadas nem conseguirá formar governo. [Read more…]

Presos políticos em Espanha


Carles Puidgemont mostrou que não é um verdadeiro líder, não está à altura dos que nele votaram e acreditaram. Mas concorde-se ou não com a independência da Catalunha, há que reconhecer que estão pessoas presas pelo Estado espanhol, mesmo que preventivamente, sem terem sequer sido condenadas. Isto apesar de não terem resistido à aplicação do famigerado artigo 155, nem promovido qualquer violência. Não são políticos presos, são presos políticos o que diz bem da natureza da Espanha. Felizmente que nos livrámos em 1640.

Primeiro o indivíduo…

Totalmente de acordo com o PCP

Habitualmente discordo dos comunistas, mas não há regra sem excepção.

Prémio Sakharov 2017

Ventos de Liberdade sopram do Parlamento Europeu…

A caminho da Liberdade

O povo catalão deu hoje mais um passo rumo à independência. Madrid respondeu com repressão policial à vontade dos cidadãos que pretenderam exprimir democraticamente nas urnas de voto o seu próprio destino. Mas o processo está em marcha e será irreversível, cedo ou tarde os catalães, e seguramente também bascos e galegos serão autorizados a votar em referendo se pretendem continuar espanhóis ou preferem a secessão. É inevitável, os impérios não são eternos…

Quem tudo quer, tudo perde…

Não é o primeiro nem será o último artista francês a fugir do esbulho fiscal.

Fascismo, nojo…

Num país que pretende liderar a construção europeia, presidido por alguém que se diz liberal.

O governo quer? Decreta, proíbe, impõe…

Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar. Está bom de ver que a Liberdade é algo que a corja despreza…

Raquel fantasyland

Desvaloriza a iniciativa privada, culpa o capitalismo pelos males da sociedade. Para a doutora Raquel, óptimo seria viverem todos à custa do Estado. Esquece contudo que essa experiência já foi tentada, gerou apenas miséria e provocou milhões de mortos. Uma tragédia se exceptuarmos os camaradas dirigentes que tinham a árdua tarefa de conduzir as massas…

Notícias do paraíso socialista

Inflação controlada por Decreto!

A Geringonça acabou

Entrevista de Mariana Mortágua ao DN:

(DN)Concorda com a recomendação da CIG para a retirada dos materiais, que a Porto Editora acatou?

  • Lá está: lamento que isto tenha de ser uma polémica. Se a CIG existe tem de ter um papel activo. E acho que cumpriu o seu papel: identificou material educativo com elementos sexistas e recomendou que fosse retirado. Para que crianças de quatro anos não fossem expostas a um material que achamos que não cumpre os critérios.

(DN)Bom, sexista pode-se ser.

  • Não vou prender ninguém por ser sexista, tem-se a liberdade de o ser. Mas há uma diferença entre a liberdade de ser e a de exercer.

Foi bom enquanto durou, mas a Geringonça acaba aqui. Na fronteira da Liberdade.

Ditadores do pensamento único


Financiado por obscuros interesses, em que o rosto mais mediático é George Soros, o mundo tem assistido impávido e sereno, com algumas bolsas de resistência é certo, à instauração da nova ordem mundial, falo da ditadura do pensamento único, ou politicamente correcto. [Read more…]

Talibãs do politicamente correcto

Não há dúvida que existe hoje, um pouco por todo o mundo, uma verdadeira patrulha ideológica que pretende impor à humanidade o que consideram ser política e socialmente aceitável. Esses fanáticos imbecis, estão por todo o lado e não hesitam ofender todo e qualquer cidadão que não siga a cartilha e ouse pensar pela sua cabeça. No Brasil chegaram ao ponto de acusar Ney Matogrosso de homofobia e Chico Buarque de machismo. Além de tristes, não passam de desprezíveis trastes sem respeito pela Liberdade…

Da intolerância…

Artigo 13.º
Princípio da igualdade
1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.
2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.

Uma mulher muçulmana tem o mesmo direito a usar véu islâmico que um cristão usar uma cruz ao pescoço. E ninguém tem o direito de se sentir ofendido pelo uso deste ou qualquer outro símbolo religioso. O mesmo princípio a qualquer outro símbolo, político, de clube ou qualquer outro. [Read more…]

José Diogo Quintela no seu melhor…

Ou seja, entre aqueles jovens da Associação de Estudantes está a fina flor dos nossos futuros operadores de call centers.

Todos têm o direito à palavra

Desculpa meu caro João, mas não posso de forma concordar contigo. Jaime Nogueira Pinto que nem sequer é um radical por aí além, tem inteira legitimidade para expressar as suas opiniões. Olha, ele até pensa e defendeu a tese num medíocre programa de televisão, que Salazar foi o maior português de sempre. Uma enorme quantidade de imbecis concordaram com ele e não satisfeitos com a eleição do ditador, ainda foram eleger o aspirante a ditador, Álvaro Cunhal, como o 2º maior português de sempre. O que também revelou uma monumental ignorância sobre uma história quase milenar. No entanto jamais me passaria pela cabeça, mandar calar Odete Santos. É que entre o Tarrafal e um qualquer gulag, venha o diabo e escolha. Posso até brincar como fiz há dias, quando referi que Bernardino Soares considerou em tempos a Coreia do Norte uma democracia. Mas jamais defendi que o PCP deveria ser proibido ou ilegalizado. [Read more…]

Devir

“Dos fundamentos da República (…) resulta com toda a evidência que o seu fim último não é dominar nem conter os homens pelo medo e submetê-los a um direito alheio; é, pelo contrário, libertar o indivíduo do medo a fim de que ele viva, tanto quanto possível, em segurança, isto é, a fim de que ele preserve o melhor possível, sem prejuízo para si ou para os outros, o seu direito natural a existir e a agir. O fim da República, repito, não é fazer passar os homens de seres racionais a bestas ou autómatos, é, pelo contrário, fazer com que a sua mente e o seu corpo exerçam em segurança as respectivas funções, que eles usem livremente da razão e que não se digladiem por ódio, cólera ou insídia, nem sejam intolerantes uns para com os outros. O verdadeiro fim da república é, de facto, a liberdade*”.

Bento Espinosa

*”A paixão que Espinosa coloca na origem última do Estado é, como faz Hobbes, o medo. Simplesmente, enquanto este considera que para afastar o medo recíproco que os homens têm uns dos outros é necessário que todos temam o Estado, o autor do TTP sustenta que a melhor forma de superar essa paixão é contrapor-lhe outra, a esperança, criando as condições para que todos possam, na medida do possível, ou melhor, do “compossível”, exercer em segurança a sua actividade. É a doutrina da Ética (IV parte, prop. 7): “uma paixão não pode ser reprimida ou contida a não ser mediante uma outra que lhe seja contrária e mais forte”. O verdadeiro fim do Estado não é, pois, como tantas vezes tem sido interpretado, fazer com que os homens usem da razão, mas sim que eles possam usar livremente da razão.”

Diogo Pires Aurélio

 

Evolução

Fui rocha, em tempo, e fui, no mundo antigo,
Tronco ou ramo na incógnita floresta…
Onda, espumei, quebrando-me na aresta
Do granito, antiquíssimo inimigo…

Rugi, fera talvez, buscando abrigo
Na caverna que ensombra urze e giesta;
Ou, monstro primitivo, ergui a testa
No limoso paul, glauco pascigo…

Hoje sou homem ‑ e na sombra enorme
Vejo, a meus pés, a escada multiforme,
Que desce, em espirais, na imensidade…
Interrogo o infinito e às vezes choro…

Mas, estendendo as mãos no vácuo, adoro
E aspiro unicamente à liberdade.

Antero de Quental

[Read more…]

Jaime Nogueira Pinto falará em liberdade

Na Associação 25 de Abril. Obrigado ao Vasco Lourenço!

Assim vai o rectângulo…

Teodora Cardoso teve esta semana uma expressão infeliz, quando considerou milagre o défice de 2,1%. Em primeiro lugar porque milagres não existem e bastaria dizer o óbvio, mais uma vez existiram medidas extraordinárias sem qualquer redução estrutural da despesa. A senhora não é política, não lhe peçam grandes discursos ou tiradas retóricas, mas anda nisto há muitos anos para ver a competência posta em causa por ilusionistas políticos que dominam a arte da demagogia. Alguns dos que a criticam agora, aplaudiam-na quando ela na anterior legislatura também colocava o dedo na ferida, desagradando ao governo de então. É assim a independência, não tem que se agradar a ninguém, fazer jogo político, obedecendo a estratégias partidárias. [Read more…]

Liberdade

É o Orçamento do Estado português ter que ser aprovado por Bruxelas.

Ontem senti-me representado no Parlamento

jes

Luaty Beirão não é nem nunca quis ser uma vítima. Não foi apanhado desprevenido a cometer um crime. Luaty Beirão desafiou uma ditadura, jogou com a coragem para demonstrar ao mundo que Angola é uma ditadura brutal, cleptocrática, sem liberdade, corrupta e que goza da subserviência de quem beneficia da sua caraterística ideológica real: O dinheiro.

Isabel Moreira subiu ontem ao púlpito da Assembleia da República para, de forma clara e objectiva, chamar os bois pelos nomes. Perdão: os ditadores cleptocratas pelos nomes. Já era tempo de se constatar o óbvio, na casa da Democracia. Ontem senti-me verdadeiramente representado no Parlamento. Não é algo que aconteça muitas vezes. Um forte aplauso, senhora deputada!

Foto: Paulo Novais/Lusa@Esquerda.net

Fascismo alimentar

Não bastavam os exagerados impostos sobre o alcóol e tabaco, ávidos por taxar qualquer indústria pretendem agora os socialistas arrecadar mais impostos em nome do que consideram socialmente aceitável. Uma coisa é rotular, colocar informação ao consumidor, outra é procurarem que todos os indivíduos sejam iguais, como um rebanho ou manada… Sempre que o PS está no governo surge um qualquer disparate do género, ainda não esqueci o sal no pão…

 

Defender a Constituição…

…”mas a comissão entende que este abala o sigilo bancário e viola a Constituição.