As mentiras da propaganda contra a retenção

Voltámos Às Contas De Merceeiro Do Antigamente

Mais um indígena assassinado no Brasil

Os indígenas brasileiros estão perigo. O país foi tomado por uma onda violenta de ódio a povos indígenas.

Só de 2017 a 2018 o número de indígenas assassinados cresceu em 20%.  A pressão de latifundiários e exploradores das reservas de minério, madeireiros e etc estão invadindo e explorando terras já demarcadas em governos anteriores. Várias mortes se dão nesse contexto de invasão das terras protegidas. A escalada da violência a ativistas indígenas que denunciam as invasões e roubos vem aumentando nos últimos anos.

Em uma década, mais de 300 desses defensores da floresta foram assassinados, de acordo com os dados compilados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e utilizados pela Procuradoria-Geral da República. Algumas vítimas eram agentes públicos, mas a maioria eram indígenas ou outros moradores que denunciaram a exploração ilegal de madeira às autoridades.

Após a posse de Jair Bolsonaro, a situação de ataques às reservas se agravaram. As invasões já somam um aumento de 40% em relação a 2018.  Na ultima sexta-feira, 01/11 o  indígena e ‘guardião da floresta’, Paulo Paulino Guajajara, foi assassinado em uma emboscada na Terra Indígena Arariboia, na região de Bom Jesus das Selvas, no Maranhão. Segundo nota do governo estadual, “os guardiões Paulino e outro índigena, por nome Laércio saíram da aldeia buscar água, quando foram cercados por pelo menos cinco homens armados, que de início já dispararam dois tiros contra os dois”. Paulino foi assassinado com tiros na cabeça.

xguajajara.jpg.pagespeed.ic.rZiO0drFkd

Paulo Paulino Guajajara, morto nessa sexta-feira, 01/11 em uma emboscada Foto: Reprodução Mídia Índia

 

Ele era Guajajaras, um dos maiores grupos indígenas do Brasil, com cerca de 20 mil habitantes e que criaram os Guardiões da Floresta para patrulhar a  reserva. Na área demarcada aos  Guajajaras vivem indígenas  Awá Guajá, uma tribo pequena  e isolada de contato com o mundo exterior e ameaçada de extinção.

Para as lideranças indígenas o atual presidente Jair Bolsonaro tem a culpa por incitar a violência aos indígenas.  “O governo Bolsonaro tem sangue indígena em suas mãos”, disse a organização pan-indígena brasileira APIB, que representa muitos dos 900.000 habitantes do país, em comunicado no sábado.“O aumento da violência em territórios indígenas é resultado direto de seus discursos odiosos e medidas tomadas contra nosso povo”, afirmou a Sonia Guajajara da  APIB.

A líder da APIB, Sonia Guajajara, disse que o governo está desmantelando agências ambientais e indígenas e deixando tribos para se defender da invasão de suas terras.

Meses antes de sua morte o indígena Paulino Guajajara, que estava na casa dos vinte anos e deixa um filho, disse à Reuters em entrevista na reserva em setembro que proteger a floresta dos intrusos havia se tornado uma tarefa perigosa, mas seu povo não podia ceder ao medo.

 

Fonte: Reuters, Exame, El Pais e G1