A arma secreta dos mega-poluidores

É um daqueles monstros que quase ninguém conhece mas que, na sombra, influenciam fortemente as políticas dos estados: O Tratado da Carta da Energia (TCE).

É um tratado de cooperação multilateral em matéria de trânsito, comércio e eficiência energética, assinado em meados dos anos 90, no contexto da proliferação de acordos internacionais de protecção de investimento e da queda da União Soviética. Tem actualmente um alcance geográfico único: 56 membros= 54 estados + UE + EURATOM, a maioria dos quais da Europa ocidental e Europa do leste e Ásia Central. O seu elemento-chave é a protecção de direitos especiais e exclusivos para os investidores, incluindo o absurdo ISDS (Investor-state dispute settlement), que permite aos investidores estrangeiros processarem os estados perante tribunais privados quando consideram ameaçados os seus lucros presentes e futuros. Foi ao abrigo deste tratado que foi accionado o maior número de casos ISDS.

De tão explicitamente ultrapassado que está face à crise climática actual, o tratado está a ser submetido a um processo de “modernização”, para o qual os estados-membros da UE e a comissão apresentaram já propostas de ligeiras melhorias ao conteúdo do tratado. Inconsequentes, porque o TCE actualmente não faz sentido – protege as energias fósseis – e porque as alterações têm de ser unanimemente aprovadas – ora o Japão já anunciou que não há nada a “modernizar”.

Hoje, 2 de Junho, estão a decorrer negociações de preparação do futuro do TCE; Um tratado que deveria simplesmente ser abandonado, como teve a Itália coragem de fazer em 2016.

Nesta carta aberta, 278 organizações apelam à UE e aos estados-membros que abandonem o tratado, que não passa de uma arma das gigantes energéticas apontada às políticas de defesa do clima e ambiente dos governos.

Comments

  1. Pedro Vaz (Nacionalista) says:

    Não se preocupe com as “Alterações Climáticas” (O que aconteceu ao “Aquecimento Global”?) Ana Moreno porque não existem…preocupe-se é com as medidas que vão ser usadas para combater a ficção das “Alterações Climáticas” que não passam de neo-feudalismo.

    • POIS! says:

      Pois é!

      E uma das medidas que mais preocupa o Sr. Vaz (Nacionalista) é a extinção das agulhetas. Lançou até já um movimento nas redes intitulado “Nacionalistas Pela Agulheta” que já está a planear um parque temático, o “Petroshow Park” onde os visitantes poderão experenciar sensações como snifar gasóleo ou tomar um cocktail de Ferodo. As obras têm avançado, mas a ritmo lento por causa do calor insuportável que não existe mas incomoda.

    • Paulo Marques says:

      Aquecimento Global nunca foi o termo científico da coisa, uma vez que não descreve adequadamente o fenómeno.

    • Paulo Marques says:
    • abaixoapadralhada says:

      ” combater a ficção das “Alterações Climáticas” que não passam de neo-feudalismo.”

      És mesmo uma merda dum garotão auto convencido de que tudo sabe. Se calhar até pintas as patas com grafiti e tens contas no fakebook, apoiante do trumpas

    • Democrata_Cristão says:

      Nazi envergonhado e pseudo antisionista
      Já ninguem come as tuas tretas
      Deves ser Isaac


  2. e, +ara manter o domínio das grandes empresas sobre os consumidores, estão a promover o hidrogénio com energia verde, em vez de investir numa rede inteligente. E o Galamba continua a trabalhar como menino querido dos poderosos, grande culambista, tem um futuro excelente pela frente.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.