O paradigma da Grande Mesquita de Cordoba

Mesquita de Cordoba 2

Interior da Mesquita de Cordoba

A história do Al-Andalus desperta sentimentos e emoções apaixonadas, discussões acesas e opiniões contraditórias.  E apesar de, numa visão superficial, ser uma história de antagonismos e conflitos, o Al-Andalus foi um espaço de aprendizagem de vida comunitária de várias realidades étnicas, religiosas e sociais, um espaço de convivência, de aplicação de modelos de organização social e política, de experiências espirituais, de florescimento cultural. Esta realidade esteve inclusivamente presente durante o processo de arabização da Península e também, de forma transitória, no período inicial do processo de conquista do Al-Andalus pelos Reinos Cristãos, conforme atestam inúmeros documentos da época.

Mas a realidade é que as disputas territoriais entre cristãos e muçulmanos terminaram invariavelmente com a demolição dos locais de culto de uns e outros. Inclusivamente na (erradamente) chamada reconquista cristã”, assiste-se invariavelmente à demolição das mesquitas e construção no mesmos locais de igrejas. Mesmo nos casos em que as mesquitas eram inicialmente “purificadas” (termo usado por alguns cronistas da época) para nelas se celebrar o culto cristão, e mesmo nas situações em que a vontade era a de adaptar a antiga mesquita a igreja, a mesquita acabava por ser demolida, salvo raras excepções. E demolida porquê? Simples ódio religioso, intolerância ou violência gratuita? Ou seja, apenas por razões ideológicas? [Read more…]

A igreja de S. Francisco Xavier vai dar nas vistas

Andam a começar uma igreja a S. F. Xavier no Alto do Restelo que fica em Lisboa e brotam acusações à maqueta ao nível de Maomé e do toucinho.

 

Parece cousa para dar nas vistas, quando a virmos de baixo para cima que é como vai ser vista, e a arquitectura das igrejas também serve para ser vista.

Neste caso gosto, com a vantagem de não estar muito bem a ver onde vai aterrar a igreja gosto apenas da maqueta, faz-me lembrar outras igrejas exclamativas, de exibição patética da fé e chamamento aos fiéis que também ficaram em algumas páginas de livros de História da Arte,  a arquitectura religiosa é a que conhecemos melhor e há mais tempo, séculos de experiência em altos e coloridos edifícios de propaganda, na altura sem a concorrência dos centros comerciais.

Vai dar muito nas vistas e os que tentam impedir a sua construção já estão a contribuir para isso, retomando o patusco pessimismo de um velhote lisboeta precisamente do Restelo. Aos séculos que a Igreja C.A.R. tem destas coisas e arranja sempre maneira de lhe pagarem a obra. Olhem para as catedrais à escala do tempo em que foram feitas e digam lá se não davam um estalo maior na cara das pessoas, no lado da vista.