Caso Marquês e Ricardo Salgado: duas perguntas que todos os portugueses deviam querer ver respondidas

O Ministério Público acusa Ricardo Salgado de ter corrompido José Sócrates, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, entre outros, com valores que ascendem a várias dezenas de milhões de euros. Perante a ponta deste icebergue, existem, a meu ver, duas perguntas que todos os portugueses deviam querer ver respondidas:

1. Quantos políticos e gestores, públicos e privados, corrompeu Ricardo Salgado?

2. Quantos Ricardos Salgados existem neste país?

O mais certo é nunca as vermos respondidas. Mas a minha intuição diz-me que esta e outras histórias não se resumem a Sócrates, Bava e Granadeiro. E que a probabilidade de existirem mais uns quantos Salgados é elevada. Que me perdoe a presunção de inocência, mas já são algumas décadas a ser roubado à cara podre.

Eu leigo me confesso, como a Justiça me confunde…

[Rui Naldinho]

Os advogados a quem cabe a tarefa de defender os seus constituintes nos inúmeros processos que decorrem nos tribunais portugueses são muitas vezes acusados, e bem, pelos Órgãos de Justiça, em especial pelos Juízes que nos Tribunais vão julgando esses processos, de utilizarem com frequência expedientes dilatórios, cujo único fim é atrasar o julgamento no tempo, para que a decisão final do mesmo, com ou sem condenação, o seguro morreu de velho, recaia já fora de tempo.

Como analfabeto nestas matérias do Direito, eu fui ler o que significava o termo jurídico, expediente dilatório.

Expressão jurídica que se traduz na utilização do expediente (despachos, petições, requerimentos, ofícios) desonestamente usado pela parte, sem intuito sério ou construtivo, sem cabimento processual, que visa apenas torpedear e retardar o prosseguimento da acção, entorpecer a sua normal tramitação e a realização da justiça.

Olhando para a forma como o Ministério Público tem conduzido todo este Processo da Operação Marquês, desde a fase de investigação à fase de instrução, com sucessivos pedidos de prorrogação de prazos, largamente ultrapassados, para a conclusão do mesmo, sem que haja uma acusação formal dos arguidos, ou o arquivamento do processo se for caso disso, falta muito pouco para os quatro anos, fico com a sensação de que estou a ver o filme ao contrário. Ou seja, quem parece estar a criar expedientes dilatórios é o Ministério Público, que não encontra maneira de acusar Sócrates, Salgado, Vara e tantos outros, com provas sólidas. Posso até estar errado. Mas sou livre de pensar desta forma, perante aquilo que vejo. [Read more…]

Bilhete do Canadá – Carlos Alexandre

Numas entrevistas que ficarão para a história da magistratura portuguesa  como Antologia dos Grandes Tiros no Pé, o juiz Carlos Alexandre, que a si mesmo fez questão de chamar “o saloio de Mação”,  afirmou estar  preocupado com a corrupção que alastra em certas esferas do país. Acontece que os contribuintes também estão preocupados com isso, mas muito mais com a inépcia, a ralacice e os jogos baixos de quem administra a justiça.  Estamos perante um escândalo nacional que, mais dia, menos dia, aparece em novela chunga acerca de Boys & Girls.  Tudo pago pelos contribuintes.

Moral da história: vá chorar para a terra dele, onde talvez haja alguém que acredite e lhe dê colinho. Com aquela cara mesmo boa para levar a esponja do vinagre na procissão do Senhor dos Passos, fora dos afectos não se governa nem convence. Bye bye.