Henrique Granadeiro

Passeou-se pelos salões políticos do fascismo, fez a transição pacífica para a democracia, durante a qual somou nomeações social-democratas e socialistas, foi embaixador, chefe da Casa Civil de Ramalho Eanes, gestor, conselheiro, administrador e CEO de empresas públicas e privadas, e era um dos homens fortes da PT, quando aquela que já foi uma das maiores empresas nacionais decidiu torrar 900 milhões de euros na Rioforte.

Hoje é arguido na Operação Marquês, lado a lado com gente tão recomendável como José Sócrates ou Ricardo Salgado, acusado de crimes de corrupção passiva, branqueamento de capitais e fraude fiscal. Acusado de ser um mero capacho, ao serviço do Dono Disto Tudo, de quem terá recebido milhões para gerir a PT em função dos apetites do Grupo Espírito Santo, arrastando-a para a ruína.

Parte desse dinheiro terá sido usado na compra de um apartamento em Lisboa, cuja história, relatada pelo Expresso, daria um belo argumento para o grande ecrã. Tudo bons rapazes.

Caso Marquês e Ricardo Salgado: duas perguntas que todos os portugueses deviam querer ver respondidas

O Ministério Público acusa Ricardo Salgado de ter corrompido José Sócrates, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, entre outros, com valores que ascendem a várias dezenas de milhões de euros. Perante a ponta deste icebergue, existem, a meu ver, duas perguntas que todos os portugueses deviam querer ver respondidas:

1. Quantos políticos e gestores, públicos e privados, corrompeu Ricardo Salgado?

2. Quantos Ricardos Salgados existem neste país?

O mais certo é nunca as vermos respondidas. Mas a minha intuição diz-me que esta e outras histórias não se resumem a Sócrates, Bava e Granadeiro. E que a probabilidade de existirem mais uns quantos Salgados é elevada. Que me perdoe a presunção de inocência, mas já são algumas décadas a ser roubado à cara podre.

granad(eiro)

Acabaram com a carreira ao homem, diz no parlamento. A sua carreira já havia terminado há muito quando um dia obstou o uso da golden Share por parte do estado na opa que a telefónica lançou sobre a vivo, inviabilizando plano que zeinal bava tinha para PT e que bom rendimento traria aos cofres do estado.
Ficamos a saber também que Ricardo Salgado ignorou 21 recomendações de gestão de Carlos Costa quanto à gestão do bes. Aqui reside a acusação que o ministério público/credores que ficaram no banco mau irão pegar para entalar o banqueiro. Se ele era o dono disto tudo porque é que tinha que respeitar as normativas do banco de Portugal, conhecendo de antemão a sua insuficiente qualidade na supervisão?

O BES foi governado por um bando de granadeiros

henrique-granadeiroFicámos ontem a saber que o BES pertencia a um bando de granadeiros. Henrique Granadeiro também demonstrou na Assembleia da República que em Portugal se pode ser gestor de topo e ignorar os mínimos de História de Portugal, transformando Egas Moniz em primo de Afonso Henriques, o que dava chumbo na antiga 4ª classe, a que ele fez, ou seja, a PT esteve entregue a um analfabeto.

Já desconfiava.

Visto por outro lado…

Henrique Granadeiro aguentou-se até hoje sem se demitir da PT. É obra do Espírito Santo.

O curriculum de Rui Pedro Soares

Via Raiva Escondida

A propósito das declarações de Carlos Barbosa, segundo o qual Rui Pedro Soares não tinha aptidões mas tinha padrinhos, facto que muito incomodou o PS, confira-se o curriculum daqueles que eram até há bem pouco tempo os homens-fortes da PT.

Curriculum de Henrique Granadeiro

Licenciado em Organização e Administração de Empresas pelo Instituto Universitário de Évora; chefe da Casa Civil de Ramalho Eanes; embaixador e representante permanente de Portugal junto da OCDE;  Presidente do IFADAP; Presidente da Fundação Eugénio de Almeida; Administrador da Sojornal; Presidente da Comissão Executiva da Lusomundo Media; Administrador da Portugal Telecom; Presidente do Grupo PT em 2006; Chairman do Grupo PT.

Curriculum de Zeinal Bava

Licenciado em Engenharia Eléctrica e Electrónica pelo University College London; CEO da Portugal Telecom, SGPS, S.A.; CEO da TMN – Telecomunicações Móveis Nacionais, S.A.; CEO da PT Comunicações; Presidente do Conselho de Administração da PT Sistemas de Informação; Presidente do Conselho de Administração da PT Inovação; Presidente do Conselho de Administração da TV Cabo Portugal, S.A.; CEO da PT Multimédia — Serviços de Telecomunicações e Multimedia, SGPS, S.A. (2003/2007); Presidente do Conselho de Administração da Previsão — Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. (2003/2007); Presidente do Conselho de Administração da PT PRO — Serviços de Gestão, S.A. (2003/2008); CFO da Portugal Telecom, SGPS, S.A. (2000/2006); Director e Gestor de Relações Públicas para Portugal da Merrill Lynch International (1998/1999); Director Executivo da Deutsche Morgan Grenfell (1996/1998); Director Executivo da Warburg Dillon Read (1989/1996).

Curriculum de Rui Pedro Soares

Licenciado em Gestão de Marketing no IPAM; Vereador (sem Pelouro) na Câmara Municipal de Lisboa; Candidato à Presidência da JS; Assistente do PS no Parlamento Europeu; Dragão de Ouro; Funcionário do Banco Cetelem; Administrador executivo da “holding” Portugal Telecom; Administrador Não-Executivo da Tagus Park.

Granadeiro ataca PSD!

Por causa do caso PT/TVI Henrique Granadeiro foi à Comissão responder às perguntas dos deputados. Meteu os pés pelas mãos não raras vezes, entrando em contradição.

Ao facto de Rui Pedro Soares ter o pelouro do Imobilizado e andar a tratar de negócios de compra de empresas pertencentes a Grupos estrangeiros achou isso normalíssimo, o CEO é que manda e mandou assim, não se lembrando sequer que este administrador era a pessoa menos qualificada para o fazer e a mais perigosa atenta a sua ligação ao PS.

A Golden Share do Estado não teve nada a ver com o negócio pois as suas atribuições estão muito bem definidas e a compra de empresas de Grupos Espanhóis não é uma delas. Dificil foi conseguir explicar porque sendo assim, Sócrates veio vetar o negócio publicamente para dar a ideia que o Governo nada tinha a ver nem sabia do negócio. Então pode vetar sendo que o negócio não era das suas atribuições?

Com evidente nervosismo ouviu da parte dos deputados sublinhar contradições insanáveis, como lhe chamaram o deputado do PCP e do PSD e o deputado do BE que não foi na tentativa de Granadeiro em tornar o debate “uma peixeirada” onde ninguem se entenderia. Pelo meio uma evidente contradição de datas em que foi apanhado respondeu que não tinha a agenda consigo na altura da resposta e que isso explica a contradição. Curioso é que não se esqueceu de pormenores bem mais insignificantes mas que davam jeito.

Muito mal esteve Henrique Granadeiro, é o preço dos lugares por nomeação, do lamaçal em que a PT se transformou.